"Acho que ser mãe muda a nossa força física e emocional. Eu me sinto mais forte, mais poderosa", afirma a atriz

Betty Gofman com a babá e as gêmeas Alice e Helena, de 10 meses
AgNews
Betty Gofman com a babá e as gêmeas Alice e Helena, de 10 meses
Aos 45 anos a atriz Betty Gofman se viu grávida de gêmeas, depois de dois anos tentando ser mãe. O susto deu lugar à alegria ao pensar que suas filhas já nasceriam uma fazendo companhia para a outra. Casada há oito anos com Hugo Barreto, diretor da Fundação Roberto Marinho, Betty conta com a ajuda do marido e da família para conciliar o cuidado com as filhas e a volta ao teatro.

Em cartaz, no Rio de Janeiro, com a peça ‘A Vingança do Espelho’, Betty interpreta a atriz Zezé Macedo, mais conhecida como a Dona Bela da escolinha do Professor Raimundo. Confira uma entrevista exclusiva com a mãe de Alice e Helena, de 10 meses.

iG: Você é uma mulher muito vaidosa?
Betty:
Eu sou uma pessoa vaidosa, mas muito controlada. Esse tipo de coisa nunca pesa nas minhas escolhas profissionais, muito pelo contrário. Eu fiquei honradíssima com o convite para voltar para o teatro interpretando a Zezé Macedo na peça ‘A Vingança do Espelho’. Eu sou uma atriz, e como eu não tenho problemas com feiúra, até pensei que as pessoas fossem pensar que eu estava sendo convidada para viver uma mulher feia (risos) porque era feia.

iG: Foi muito difícil voltar ao trabalho e deixar suas filhas em casa?
Betty:
Foi duro no começo, fiquei bem aflita. Eu tive abrir mão de ficar com elas, que são muito bebezinhas. Mas graças a Deus eu tenho babás maravilhosas, sou uma mãe maravilhosa e quando estou junto, estou mesmo! Essa culpa eu já estou tirando da minha vida. Primeiro porque mãe sempre se culpa por tudo. Segundo porque eu não quero nunca atribuir às minhas filhas a responsabilidade de eu ter deixado de fazer alguma coisa. O convite para voltar para o teatro não estava planejado, mas eu não podia recusar. Estou tendo que conciliar tudo, mas elas nunca vão ficar em segundo plano.

Leia também:
Os prazeres – e desafios – da maternidade aos 50 anos
Relógio biológico da gravidez

iG: Quando você estiver em São Paulo com a peça, já sabe como vai fazer?
Betty:
A peça é só aos fins de semana e as meninas irão comigo. Minha irmã me ajuda sempre e sei que posso contar com a ajuda dela nessas ocasiões. Na noite anterior a minha estreia no Rio de Janeiro, ela veio para eu poder dormir melhor. Eu estava exausta e se não dormisse não ia dar certo. Além da minha irmã que é incrível, meu marido me ajuda muita a segurar toda essa onda.

iG: Cuidar de gêmeos deve ser trabalhoso.
Betty:
É complicado. Mas eu tenho ótimas babás que me ajudam bastante. E tem o meu marido que é bastante participativo também.

iG: Como foi pra você engravidar aos 45 anos? Foi planejado?
Betty:
Foi planejado. Já estava tentando há um tempo. Demorou para acontecer, mas foi maravilhoso. Essa é uma idade muito boa. Eu e meu marido estamos curtindo muito! A gente já está com a vida mais tranquila. As minhas filhas são muito calmas, até porque somos calmos e acho que passamos nossa tranquilidade para elas. No começo eu fiquei um pouco preocupada. Cheguei a pensar: “meu Deus estou ficando mais velha e minhas filhas vão ter pais mais velhos”. Mas meu médico falou que minha saúde era melhor do que de muitas mulheres de 20 anos. Eu faço muito exercícios, ando, nado e faço yoga. Enfim, acho que vou dar conta dessas meninas.

Atriz engravidou aos 45 anos de idade
Globo/Divulgação
Atriz engravidou aos 45 anos de idade
Faça os testes e descubra:
Você está preparada para ser mãe?
Que tipo de mãe você vai ser?

iG: Você conseguiu ter um parto normal?
Betty:
Não. Eu até queria, mas meu médico achou melhor não ser parto normal.

iG: Como você descreveria o sentimento de ser mãe?
Betty:
Isso é uma coisa difícil de definir em palavras. Qualquer coisa que eu diga será pouco. Acho que ser mãe muda a nossa força física e emocional. Eu me sinto mais forte, mais poderosa. Estou muito feliz com a maternidade!

iG: Como foi o processo de amamentação?
Betty:
Eu tive mastite – inflamação das glândulas mamárias causada pelo acúmulo de leite - duas vezes. Cheguei a tomar antibióticos, mas ficava naquele processo de melhora e volta de novo. Acho que fui guerreira. Uma das coisas que eu mais queria na minha vida era amamentar. Eu demorei para conseguir engravidar, mas o que mais me desesperava era não poder amamentar. E acabei amamentando até os oito meses. Passei por este período barra pesada, mas valeu a pena! É uma experiência muito forte.

iG: Quando soube que eram gêmeas?
Betty:
Foi bem no começo. Acho que estava grávida de três meses e já sabia. Fiquei bastante nervosa. Eu não conseguia acreditar. Depois que o susto passou, amei a ideia de ter gêmeas. Elas são completamente diferentes fisicamente e têm personalidades diferentes também.

iG: Você comentou uma vez que pretendia adotar uma criança. Essa ideia ainda passa pela sua cabeça?
Betty:
Agora não tenho mais certeza, afinal vieram duas. Quem sabe?

Veja ainda:
Guia do Bebê: os desafios e características de cada fase, dos zero aos doze meses
100 Brincadeiras: escolha a ideal para fazer com seu filho

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.