Grávidas desfilam de biquíni em concurso norte-americano e levantam questão sobre a sensualidade feminina na gestação

Um recente concurso norte-americano com mulheres desfilando de biquíni chamou atenção do público, não pelos trajes e sim pelas mulheres, grávidas. Curiosamente, as imagens chegam à mídia 40 anos depois da icônica fotografia de Leila Diniz tirada na praia de Ipanema. E levantam a mesma questão: grávidas podem ser sensuais?

De 20 em 20 anos: Leila na praia em 1971, Demi na capa em 1991 e candidata do concurso realizado na semana passada
Reprodução/Divulgação
De 20 em 20 anos: Leila na praia em 1971, Demi na capa em 1991 e candidata do concurso realizado na semana passada


Segundo a doutora em psicologia pela USP Walkiria Grant, a resposta é um simples sim. Mulheres grávidas, explica Walkiria, não devem esquecer que, antes de mães, são mulheres. Na opinião da educadora sexual Andreia Berté, uma mulher grávida se sente sexy a partir do momento em que está à vontade com o seu corpo.

Foi o caso das competidoras do concurso norte-americano. Além de desfilar de biquíni, elas fizeram poses e dancinhas para conquistar os jurados. Algumas chegaram, até mesmo, a mostrar uma invejável abertura zero. “É uma forma legal de mostrar que, apesar de estarem grávidas, estão se curtindo e se sentindo lindas”, opina Andreia.

Para participar do concurso, organizado por uma rádio de Houston, Texas, nos Estados Unidos, as grávidas precisam estar a três meses da data prevista para o parto. Com a barriga deste tamanho, elas já são vistas como mães, o que cria um ponto polêmico de associação entre maternidade e sensualidade. “Estamos em um campo perigoso”, comenta Walkiria. “Aqui a maternidade é vista quase como sagrada. Os casais que se deixam influenciar por essa visão antiquada sentem o reflexo na parte sexual do relacionamento”, comenta Andreia.

Com relação ao corpo, um dos principais fatores para certo constrangimento por parte das mulheres, a antropóloga Mirian Goldeberg bate na tecla da liberdade. “As mulheres devem ser livres com o seu corpo, com ou sem barriga. Com ou sem estria e com ou sem juventude”, afirma. “A mensagem importante para a mulher se fazer desejável para o homem vai além do corpo”, completa Walkiria.

[]Legado de Leila Diniz

Para Mirian Goldenberg tanto o concurso quanto a foto de Leila Diniz apontam para a liberdade de se mostrar a gravidez. A antropóloga, autora do livro “Toda Mulher é Meio Leila Diniz” (Editora BestBolso), relembra da invisibilidade imposta às grávidas há menos de 50 anos. “A gravidez era tida como algo que deveria ser completamente escondido por baixo de roupas largas. A mulher grávida era completamente invisível e tinha de ficar em casa. Quando saía, devia deixar a gravidez invisível”, diz Mirian.

A liberdade de se mostrar a barriga de grávida, explica Mirian, é a mesma de não se fechar em apenas um rótulo, seja ele o de “mãe” ou de “mulher sexy”. “O papel feminino não pode ser restrito a um só”, termina a antropóloga.



Leia também
Gravidez semana a semana: o que está acontecendo com seu corpo e seu bebê
Pintar o cabelo? Tomar café? Tudo que a gestante pode ou não pode fazer

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.