“Eu diria às mulheres que não devem viver com medo e pensar que não podem ter filhos por conta dessa anormalidade”, diz a mãe de dois filhos

Laurie Martino deu à luz seu primeiro filho quando tinha 26 anos e no momento do parto descobriu uma condição rara: ela tinha dois úteros . A jovem conta ao site “Good Housekeeping” que nenhum médico percebeu a condição, mesmo com vários exames já realizados ao longo de sua vida.

Leia também: Entenda como acontece, os sintomas e características da gravidez

Jovem descobre que tem dois úteros aos 26 anos quando foi submetida a uma cesárea para o nascimento do primeiro filho
shutterstock
Jovem descobre que tem dois úteros aos 26 anos quando foi submetida a uma cesárea para o nascimento do primeiro filho

“Os médicos deveriam ter detectado a minha condição quando eu era mais nova nas várias vezes que eu fiz uma ultrassonografia. Eu absolutamente não faço ideia de como eles não perceberam”, diz a jovem . Mesmo sem saber da condição, a gravidez  de Laurie foi tranquila e saudável.

Gravidez e parto

Laurie tinha planejado um parto natural para o nascimento do filho, mas as coisas não aconteceram exatamente como ela havia sonhado. Quando chegou a hora de dar à luz, o médico teve dificuldade para tirar o bebê e precisou fazer uma cesárea de emergência. Quando ele fez o corte, ficou surpreso ao ver dois úteros.  “Será que vou poder ter mais filhos? Lembro-me de ter esse e tantos outros sentimentos porque eu não conseguia processar a informação”, diz. Felizmente, a cesárea foi bem sucedida e a criança nasceu saudável.

Leia também: Mulher com duas vaginas era considerada infértil, mas fica grávida

Depois de entender a condição e pesquisar mais a respeito, Laurie conseguiu conviver bem com a ideia de ter dois úteros. Alguns anos após ter o primeiro filho, ela ficou grávida pela segunda vez e garante que não foi algo complicado. Ela diz que as duas gestações foram surpresas agradáveis. Diferentemente do primeiro parto, para o segundo ela conseguiu encontrar um médico preparado para fazer um parto normal nessas condições.

Rede de apoio

Depois do nascimento do primeiro filho, Laurie passou a compartilhar com outras pessoas a sua condição e percebeu que pouco se falava sobre o assunto. “Uma vez contei a um amigo e ele disse que conhecia uma mulher com a mesma condição. No dia seguinte, recebi uma mensagem dela dizendo ‘Ei, ouvi dizer que você tem dois úteros’ e viramos boas amigas”, conta.

Leia também: Vagina dupla? Mulher descobre condição rara precisa reaprender a fazer sexo

Esse e outros episódios fizeram com que ela se sentisse motivada a criar um grupo no Facebook para trocar experiências com outras mulheres que também têm dois úteros. A ideia da jovem é motivar e apoiar essas mulheres a não terem medo de tentar engravidar. “Eu diria às mulheres que não devem viver com medo e pensar que não podem ter filhos por conta dessa anormalidade”, finaliza a jovem. 

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.