Mães comentam o motivo de optar pela rotina de trabalho em casa e dão dicas práticas de como é possível conciliar a atividade com a maternidade

Nem sempre é fácil voltar para a rotina de trabalho formal após o nascimento dos filhos. Para driblar a dificuldade e conciliar tarefas como trabalho e cuidado dos filhos, algumas mulheres optam pelo home office. Este é o caso de Daniela Foltran, de 35 anos, que há mais de dois trocou a vida de embriologista em uma clinica de reprodução assistida para empreender em uma loja online de produtos infantis e trabalhar em casa. 

Leia também: Escritório compartilhado permite que mães trabalhem perto dos filhos

Para passar mais tempo com os filhos e ter uma rotina de trabalho mais tranquila, muitas mães optam pelo home office
Shutterstock
Para passar mais tempo com os filhos e ter uma rotina de trabalho mais tranquila, muitas mães optam pelo home office

Para Daniela, o home office aconteceu como uma necessidade de saúde. A empreendedora é mãe de três filhas e duas, gêmeas, tiveram uma série de doenças e complicações após o nascimento. Por conta disso, ela desenvolveu problemas psicológicos e precisou se afastar do trabalho formal.

“Percebi que o contato maior com as meninas e a vivência de uma maternidade mais ativa fazia de mim uma pessoa mais alegre”, afirma. Nesse afastamento, ela retomou um antigo prazer, a costura, e fundou sua microempresa. 

Adaptação

"Transformei a minha sacada em ateliê de costura e parte de um dos quartos em estoque", conta Daniela. Entre as atividades domésticas e o cuidado das filhas, a empreendedora trabalha cerca de oito horas por dia. Na primeira parte do dia ela concentra-se na produção e compra de materiais para os confecionar os produtos da loja. Durante a tarde, Daniela divide o trabalho remunerado com os serviços domésticos e à noite, as crianças dividem a atenção da mãe com atendimentos, dúvidas de clientes e embalagem dos pedidos. 

Assim como a empreendedora, Adriana Waldeck, de 40 anos, também encontrou no trabalho em casa uma saída para ter uma rotina mais tranquila e passar mais tempo com os filhos. Há cinco meses, a marqueteira e blogueira do “Kai no Mundo”,  mudou-se de São Paulo para Florianópolis para encarar a nova rotina de trabalho com o marido. "Vivemos na 'Ilha da Magia', mas trabalhamos com a cabeça na selva de pedra", comenta. 

Na casa de Adriana, o espaço reservado para o home office fica no sótão, localizado no terceiro andar do imóvel, onde as crianças não tem acesso. Ela e o marido trabalham cerca de sete horas por dia e também dividem a rotina entre o cuidado da casa e dos filhos.  "Se tiver algo para fazer no final do dia – quando estou incapacitada de resolver porque estou cuidando das crianças – posso resolver quando eles dormem", comenta sobre a vantagem do trabalho em casa. 

Leia também: Trabalho em casa - dicas de como se or ganizar para fazer o dia render

É essencial conversar e colocar limites para que as crianças entendam o  horário de trabalho da mãe e não a interrompam
Shutterstock
É essencial conversar e colocar limites para que as crianças entendam o horário de trabalho da mãe e não a interrompam


Trabalho x cuidado dos filhos

"Quando você trabalha em casa é preciso estar ciente de que terá uma mistura do profissional com o pessoal. Entre uma ligação e outra, haverá uma máquina de roupas para encher ou estender e, ainda, um choro para socorrer", comenta Daniela.

Para Adriana, a disciplina é o grande segredo para conciliar as duas atividades. "Você não pode se acomodar na frente da TV e tem que passar bem longe da cama e do sofá", diz. Também é muito importante definir horários e conversar com os outros membros da casa.

A baby planner Karina Vainzof sugere que as mães estabeleçam horários para todas as atividades que realizam durante o dia. Para ela, a melhor solução para conseguir um tempo exclusivo para o trabalho é fazer as atividades enquanto os pequenos estão na escola. 

"A dica é conversar com os filhos, explicar o que você está fazendo, já que eles também ficam curiosos e querem a companhia da mãe. Quando eles entendem o que está acontecendo, aprendem a respeitar os limites. Não existe home office sem nenhuma interrupção, mas é importante colocar limites", orienta Karina.

Local adequado

Não é necessário um ambiente da casa exclusivo para o trabalho. Muitas vezes, as atividades podem ser realizadas na sala ou em outro cômodo de uso comum. "Além do computador, uma cadeira e poucos acessórios são o suficiente. Separar em caixas organizadoras tudo que seja do seu negócio ajuda a manter a casa arrumada e a vida organizada", orienta Karina. 

Para ela, o mais importante do ambiente é que ele permita que a mulher fique focada no trabalho que está realizando, sem que seja interrompida. "Todos na casa devem saber que ela está trabalhando e precisam respeitar esse momento”, comenta.

No caso de Adriana, os filhos não têm acesso ao espaço. Mas se elas tivessem, alguns cuidados seriam necessários. "É preciso guardar todos os itens que podem ser perigosos para os pequenos, como tesouras, grampeadores e clipes", recomenda a baby planner.

Leia também: Inspire-se nos coworkings para turbinar seu trabalho em casa

Para conciliar maternidade e trabalho, baby planner sugere envolver as crianças no processo da realização das atividades
Shutterstock
Para conciliar maternidade e trabalho, baby planner sugere envolver as crianças no processo da realização das atividades


Envolver as crianças no processo

Uma dica para manter a funcionalidade e dinâmica do trabalho em casa é envolver as crianças. "Se a mãe tem uma empresa de venda de algum produto, por exemplo, que tal pedir a ajuda dos pequenos na hora de embrulhar os pedidos?", questiona Karina.

Muita vezes, permitir que os filhos sentem na mesa com a mãe e façam suas próprias atividades, como desenhos ou a tarefa da escola, é uma forma de unir trabalho e família no mesmo momento. "Eles se sentem parte do processo e ficam mais felizes com tudo que está acontecendo", comenta a baby planner.

Daniela adotou a prática no dia a dia e reconhece os bons resultados de envolver as filhas no home office. "Elas têm acesso livre, mas sabem que não é para brincar com as coisas da mamãe", conta. A empreendedora deixa que as crianças explorem os materiais dos produtos e até opinem sobre as cores e estampas das confecções. "É algo bem fluído. Apesar de me dedicar bastante à empresa, a maternagem está sempre presente com essa mistura e interação", finaliza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.