Leia o depoimento de Andrea Ribeiro, mãe da Nina, estilista e autora do blog "A autista e a estilista"

Andrea e filha Nina
Arquivo pessoal
Andrea e filha Nina

"Desde quando a Nina nasceu, sempre achei que existia algo diferente no seu desenvolvimento, no jeito de olhar, nos trejeitos. Aos 2 anos, depois de uma longa jornada no campo do desconhecido (nós não tínhamos a minima ideia de que se tratava de uma autista) recebemos o diagnóstico. E foi aí que a minha vida, assim posso dizer, começou de verdade.

Aos poucos, fui jogando fora todo tipo de conhecimento pré-concebido das coisas, da ordem, dos valores, de sentimentos. Comecei a aprender com a Nina o que de fato importa: temos que festejar o dia de hoje, todos os dias, e não o amanhã. Não devemos ter saudades do ontem.

Matéria principal: Mães contam o que aprenderam com os filhos autistas

Um autista lida perfeitamente com o tempo atual, mas desconhece o futuro e o passado. Desconhece o valor material da coisas, desconhece a função de um brinquedo ou de um computador, mas se apega e cuida de coisas e de pessoas. Trata bem a natureza e se abraça com flores e árvores. Um autista também colecionam pedras.

Já dei de presente para a Nina um saquinho de pedras, ao invés de um brinquedo que ela nem olhava. É um pensar diferente, fora da caixa, de outro jeito. Vivemos felizes demais assim".

>> Acesse aqui o blog "A estilista e a autista"

Veja ainda:
Diagnóstico precoce é fundamental no tratamento do autismo
Os marcos do desenvolvimento infantil

>>> Curta a página do Delas no Facebook e siga o @Delas  noTwitter <<<

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.