Quando falar da gravidez para o filho mais velho e a chegada do bebê em casa: veja como agir em momentos importantes

AP

O príncipe George terá aproximadamente 19 meses quando Kate tiver seu outro filho
AP
O príncipe George terá aproximadamente 19 meses quando Kate tiver seu outro filho

A família real de Mônaco acaba de ter gêmeos e os britânicos Kate e William terão em breve um segundo pequeno príncipe. O príncipe George terá aproximadamente 19 meses quando a Duquesa de Cambridge tiver seu outro filho, esperado para o próximo mês.

Mas cuidar de dois filhos com menos de dois anos será para eles uma experiência que suga a alma e leva às lágrimas, assim como para muitos outros pais? Pouco provável, mas o conforto da realeza não está completamente imune.

Regressão e rivalidade podem surgir nos irmãos mais velhos, mesmo na família real, quando é esperado que eles ajam como meninos ou meninas maduros. Mesmo com bastante ajuda extra, levar para casa o bebê número 2 pode ser mais uma grande interrupção do que um pacote de alegria para a rotina confortável do bebê número 1.

“Na primeira vez que tentei sair de casa sozinha com os dois meninos, o mais novo tinha cinco semanas. Levei uma hora e vinte minutos para sair” disse Sarah McNish, de San Jose, na Califórnia. “Eu tive um momento de questionamento: ‘Estou pronta? O que eu fiz?’”

“A maioria de nós não é como a família real. Não temos alguém para cuidar dos bebês. Eles têm toda a ajuda que precisam. Para a maioria das famílias, já é muita sorte ter os dois pais: um trabalha fora para ganhar dinheiro e depois de alguns meses, ambos os pais estarão trabalhando fora”, disse a psicóloga clínica Laura Markhan, cujo livro "Peaceful Parent, Happy Siblings: How to Stop the Fighting and Raise Friends for Life" (“Pais pacíficos, irmãos felizes: como parar as brigas e criar amigos para a vida”, em tradução livre) será lançado em maio nos Estados Unidos.

>> MAIS: Fotos registram carinho entre irmãos


Crianças muito próximas na idade têm uma transição mais difícil, de acordo com pesquisas. “Mas há uma vantagem também, porque elas podem se tornar muito próximas”, disse Markham.

Leia também:
Ter irmãos promove generosidade e gentileza
Como lidar com a rivalidade entre irmãos

“Não espere que as coisas sejam perfeitas. Se você tem dois filhos com menos de dois anos, deve começar da premissa de que está em uma maratona e não pode suprir todas as necessidades deles o tempo todo.”

Confira algumas dicas de como conciliar a criação de dois filhos com menos de dois anos:

Psicóloga Laura Markhan vai lançar livro sobre como criar os filhos para que sejam amigos
AP
Psicóloga Laura Markhan vai lançar livro sobre como criar os filhos para que sejam amigos

A barriga da mamãe crescendo

Gravidez é difícil de esconder uma vez que a barriga da mãe começa a crescer, mas não há uma regra de quando se deve introduzir a ideia de que um irmão está a caminho, disse Markham.

Alguns pais esperam até depois de o primeiro trimestre, quando o risco de aborto espontâneo diminui. Outros temem que o filho mais velho não entenda quando a mamãe está muito enjoada e cansada para brincar nas primeiras semanas, antes da barriga aparecer. Não importa o que você decida, Markham sugere a leitura de livros com a criança sobre irmãos cerca de um mês antes de dar a notícia.

Se o grande anúncio não trouxer clareza e alegria em seu filho vale dizer coisas como: “Bebês precisam de muito amor e carinho, mas você é meu único Joshua”, sugere Markham.

Evite a insinuação de que Joshua é “um menino grande agora”, ao invés disso, prefira dizer que ele será o “irmão maior”.

McNish e seu marido decidiram levar junto o irmão mais velho Sawyer a todos os ultrassons. “Nós compartilhamos com ele que o bebê era um menino e que seu nome era Sutton, antes de ele nascer”, disse.

Trazendo o bebê para casa

Enquanto McNish e seu marido fizeram de tudo para deixar Sawyer confortável com a ideia de ter um irmão, antes do nascimento dele, trazer a criança real para casa provou ser outro problema.

“Ele veio ao hospital no dia em que iríamos para casa e ficou olhando para o bebê: ‘O que é essa coisa? Eu não sei o que é isso’”.

Esse é o momento em que atenção extra do pai e avós veio a calhar, ela disse.

McNish matriculou seu marido e filho mais novo para aulas de natação diárias no primeiro mês, para que eles tivessem tempo de qualidade longe do bebê.

Susie Hayne em Cameron Park, California, tem um filho de 14 meses e uma filha que nascerá dia 3 de junho. Ela se considera uma pessoa bastante estruturada e organizada, que gosta de seguir uma agenda.

“Se você também é assim, supere isso porque dois dias não serão mais iguais e isso é ok”, ela disse. “Uma rotina vai se desenvolver, mas precisará de um ano ou mais”, alerta.

Alimentando o bebê

Se você planeja amamentar e seu filho mais velho se tornou um ‘irmão-velcro’, monte uma caixa de atividades e mantenha-a atualizada com coisas para ele fazer enquanto você alimenta o menor.

Amamentar, ou mesmo separar o leite dos seios em mamadeiras, pode reacender o interesse da criança mais velha. McNish disse que foi isso o que aconteceu em sua casa e eles resolveram deixar Sawyer beber o leite materno na mamadeira quando ele queria.

As fraldas e o sono

“Eles nunca fizeram cocô juntos”, riu McNish. Seu filho mais velho perdeu o interesse em treinar no penico depois que o irmão chegou.

“Eu acredito que Sawyer estaria mais avançado nesse ponto se eu não tivesse tido o bebê tão próximo, mas eu não forço por que ele claramente precisa de tempo e está sendo influenciado por ter um outro bebê na casa”, ela disse.

A família mudou para uma nova casa aproximadamente seis semanas antes de o bebê nascer. McNish e seu marido não queriam mandar Sawyer para um novo quarto logo depois de o bebê nascer. Então, deixaram que ele dormisse em um berço portátil no quarto dos pais, enquanto o bebê dormia no quarto em um moisés.

“Desse jeito, ele não sentiu que estava sendo afastado por conta do bebê”, ela disse.

Hayne sugere investir no maior e melhor carrinho duplo que você achar e levar as duas crianças para passeios. As chances são de elas adormecerem na mesma hora, dessa maneira a mãe ou o pai podem aproveitar o ar fresco por um tempo.

Diana Julian, consultora de sono de crianças em Montana, disse que os pais comumente recebem o segundo bebê mudando a outra criança para uma cama infantil. Se a criança mais velha tem menos de três anos, Julian pede para considerar ter um segundo berço ao invés de apressar essa transição.

“A maioria das crianças com menos de três anos não entende as regras que acompanham o fato de dormir em uma cama infantil. Isso apenas acarretará noites mal dormidas para todos”, diz Julian.

Continue lendo:
Filhos únicos por opção
A família aumentou, e agora?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.