É comum os pais vitimizarem a criança para justificar a onipresença dela na vida do casal. Saiba o que fazer para não deixar isso acontecer e manter um relacionamento saudável

“Os pais precisam ter momentos de família e momentos de casal. A criança não precisa participar de absolutamente tudo. Isso não significa menos amor pelos filhos”. Essa é a opinião da psicóloga e sexóloga Maria Claudia Lordello.

Ela explica que a convivência em família é fundamental, mas também defende que isso não pode causar o distanciamento do casal. E cabe aos pais tomar as rédeas do relacionamento e evitar que a criança atrapalhe a união.

A psicóloga e terapeuta sexual Ana Canosa concorda sobre o papel fundamental que os adultos desempenham no núcleo familiar. “Acredito que quando uma criança se intromete no relacionamento dos pais, ela o faz de maneira intencional, mas sem a consciência do que a leva a agir dessa maneira. Ela também não sabe que isso pode prejudicar a família. Quem tem que cuidar para que esse atrito não aconteça são os adultos”, afirma.

>> Veja sete atitudes das crianças que podem prejudicar o relacionamento do casal e aprenda a colocar limites para que isso não aconteça:







Para Ana, é essencial que os limites do relacionamento sejam respeitados desde muito cedo: “Muitas crianças ficam interrompendo conversas dos pais, por exemplo. Não deixe isso acontecer. Explique que você vai falar com ela depois de terminar a conversa atual, mesmo que isso cause situações embaraçosas em público. Mais vale passar vergonha do que deixar o limite passar”.

 “Coitadinha”

É bastante comum os pais vitimizarem as crianças para justificar a onipresença do filho na vida do casal. Mas muitos não entendem que não é apenas o relacionamento que sai prejudicado com essa atitude.

Leia também:
Família mosaico ajuda pais e filhos a conviver com diversidade
Refeições em família reforçam união entre pais e filhos

“Algumas pessoas justificam a falta de tempo a sós do casal com a noção de que a criança é uma ‘coitadinha’ e vai ficar sozinha. Isso não é verdade. O filho tem que aprender hábitos de individualidade. Para os pais, parece que se distanciar é um ato de desamor. Mas é preciso repensar essa postura porque é fundamental que cada ser humano tenha seu espaço. Individualidade é essencial e traz inúmeros benefícios em longo prazo”, explica Maria Claudia.

Ela reforça que esse tipo de rotina em que a criança está sempre presente pode causar prejuízos afetivos e sexuais para o casal. A perda da vivência a dois pode ‘esfriar’ o relacionamento. A sugestão é preservar a sexualidade e reservar momentos mais estimulantes a dois.

“Sair para jantar, namorar, criar um clima. Tudo isso faz um bem enorme. E todos se beneficiam, inclusive os filhos que crescem com pais felizes e que se dão bem”, defende Maria Claudia. Ela completa: “Coloque limites e entenda que seu filho não precisa participar de tudo na sua vida e na do seu companheiro. Não precisa ter dó ou sentir culpa”.

Veja também:
Especial Educação de A a Z: conceitos fundamentais da educação do seu filho
100 brincadeiras: encontre a ideal e faça com seu filho
Descubra o significado do nome do seu filho

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.