Ansiedade infantil excessiva não é normal e pode evoluir para problemas mais graves na vida adulta. Saiba como identificar o comportamento e ajudar seu filho a controlar esse sentimento

Se a criança reclama de dores de cabeça e febre antes de compromissos importantes, como uma prova ou um passeio com a escola, ou sente muita dificuldade em se separar dos pais e cuidadores, um sinal de alerta deve começar a piscar. Esses sintomas, que não são comuns na infância, podem indicar que ela sofre de ansiedade infantil. E isso pode ocorrer a qualquer tempo, sem limite de idade.

Quanto mais cedo os pais identificarem esse desvio comportamental dos pequenos, menor será a chance da condição avançar para problemas mais sérios de relacionamento e mais eficiente será o tratamento terapêutico, se necessário.

A criança ansiosa pode apresentar problemas escolares e dificuldade de concentração
Thinkstock/Getty Images
A criança ansiosa pode apresentar problemas escolares e dificuldade de concentração

Além dos sintomas físicos, como dor de barriga, febre emocional, insônia, falta de ar, entre outros, a criança ansiosa tende a ficar mais introspectiva e a apresentar problemas escolares, como notas baixas e dificuldade de concentração. É a partir daí que a ansiedade infantil torna-se preocupante, quando impede que os pequenos realizem as atividades normais do cotidiano.

“A reação mais comum quando estamos em uma condição que nos gera ansiedade é ficarmos esquivos, evitando contato com o que é ameaçador. Um dos desdobramentos é que essa postura pode privar a criança e o adolescente do contato com situações e pessoas, e esse isolamento impede a interação social e demais atividades prazerosas que estimulam o desenvolvimento global do ser humano”, observa Marília Zampieri, psicóloga e terapeuta comportamental.

Por isso, caso não seja trabalhado, esse sentimento pode acarretar - e agravar - uma série de problemas que irão se manifestar na fase adulta, podendo evoluir até para um quadro de depressão, devido à dificuldade para lidar com situações que ocasionam a ansiedade.

Espelho dos pais

A estudante Magda Souza percebeu que a filha Maria, seis anos, sofria alterações de humor e de comportamento antes de viagens e compromissos importantes. “Na primeira vez que ela foi para a praia, teve febre de 39 graus”, lembra a mãe. Maria começou a ficar de mau humor com mais frequência, e mais agitada também. Foi nesse estágio que amigos da família aconselharam Magda a procurar um psicólogo infantil.

Leia também:
Como lidar com os medos infantis
Ajude seu filho a superar medos

“A médica me disse que, pelo fato do pai dela ser muito ansioso, poderia ser algo genético, por isso ela fica tão alterada com frequência”, explica Magda. Uma das maneiras que a mãe encontrou para lidar com o comportamento da filha é manter tudo em segredo e fazer surpresas para a pequena. “Se eu conto antes, ela fica muito agitada, fazendo perguntas”, diz.

Muito dos comportamentos repetidos pelas crianças têm origem nos próprios pais e nas suas estratégias para lidar com situações problemáticas em casa. Se o pai costuma perder o controle na frente do filho com frequência ou justifica suas dificuldades com transtornos de comportamento, como síndrome do pânico, é provável que a criança adote aquela postura para si, repetindo as ações do adulto e desenvolvendo um comportamento ansioso.

Uma educação mais repressiva, autoritária e exigente também pode desencadear a ansiedade infantil, já que a criança passa a ter consciência de que suas atitudes – e possíveis erros – serão consideradas insuficientes e inadequadas pelos pais.

“Eles são modelos de comportamento para os pequenos, por isso, a melhor maneira de lidar com a ansiedade é evitar expô-los a situações de estresse e nervosismo. Existem adultos que reforçam essa conduta nos filhos, ou seja, eles ganham benefícios em se queixar, em vez de ajudar a criança a lidar de um jeito melhor com as próprias dificuldades”, alerta Letícia Guedes, psicóloga comportamental.

Compreensão

As situações mais comuns que podem desencadear a ansiedade infantil são brigas e discussões entre os pais, divórcio, problemas financeiros, agressão verbal ou física e até abuso sexual. Nesse aspecto, o apoio dos adultos é fundamental para que as crianças consigam superar o próprio nervosismo.

“Os pais devem, primeiramente, acolher o sofrimento do seu filho. Outra forma de ajudar é dar exemplos de maneiras para lidar com as situações que geram ansiedade, e não tratá-la como algo negativo e patológico, o que pode assustar a criança. Estas duas atitudes contribuem para que ela sinta compreensão por sua dificuldade, bem como todo o suporte familiar para seguir em frente e superar o problema”, aconselha Marília.

O trabalho de prevenção deve acontecer logo que os pais identificarem a ansiedade infantil para que o acompanhamento por especialistas envolva um trabalho terapêutico, sem a necessidade de medicamentos ou procedimentos mais agressivos. Um erro é acreditar que todo o trabalho deve ser realizado pelo terapeuta ou psicólogo, sem a observação dos pais.

“Os responsáveis pela criança precisam fazer toda uma mobilização do ambiente familiar para que ela passe a se comportar de maneira adequada, se sentindo acolhida e segura, além de acompanhar o tratamento terapêutico”, reforça Letícia Guedes. Ajudá-la a compreender o mundo e suas dificuldades com mais simplicidade, paciência é carinho é decisivo para trabalhar a ansiedade de um jeito mais assertivo.

Veja dicas práticas para ajudar seu filho a lidar com a ansiedade no dia a dia:

Não crie expectativas
Se perceber que a criança não dorme direito no dia anterior a uma viagem, evite falar com antecedência sobre compromissos futuros.

Não minimize o sofrimento da criança
Se seu filho sofre com situações que ainda não se concretizaram, como uma prova na semana seguinte, procure conversar e explicar que tudo tem seu tempo e não há necessidade de se preocupar antecipadamente. Não desqualifique os sentimentos da criança.

Escute-a e converse sobre suas angústias
Ignorar o problema não o fará desaparecer. Sente e converse com seu filho em um ambiente calmo e livre de cobranças. Procure entender o que causa a ansiedade e explique que ele terá sempre o apoio da família para enfrentar essa e outras situações que possam incomodá-lo.

Evite expor a criança a brigas e discussões de família
Não coloque a ansiedade de seu filho como um problema que deva ser discutido em público e nem brigue com ele por causa disso. Compreensão é o melhor caminho. Lembre-se que a criança ainda não é capaz de controlar a ansiedade sozinha.

Crie uma rotina em casa
Ter uma rotina diária traz segurança para as crianças. É importante que seu filho se sinta seguro e amparado para conseguir lidar com adversidades e sentimentos confusos.

Não seja muito exigente
Nunca esqueça que a criança precisa de ajuda para lidar com algumas situações do dia a dia. E o sentimento de ansiedade é uma delas. Entenda que a ajuda de um adulto é imprescindível para que o problema possa ser superado com tranquilidade.

Leia mais:
Guia de nomes: descubra o significado do nome do seu filho
100 Brincadeiras: encontre a ideal para fazer com seu filho

>>> Curta a página do Delas no Facebook e siga o @Delas noTwitter <<<

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.