Com o organismo mais frágil, a criança que nasce antes de completar 37 semanas de gestação necessita de mais atenção dos pais na rotina diária

É considerada prematura toda criança que chega ao mundo com menos de nove meses de gestação – ou antes de completar 37 semanas. Quanto menor o período dentro da barriga da mãe e quanto menos peso tiver, maiores são os riscos para a saúde do bebê. De acordo com dados do Ministério da Saúde, 9 em cada 100 bebês brasileiros nascem antes da hora.

Especialistas afirmam que priorizar o aleitamento materno e manter o calendário de vacinação em dia são atitudes importantes para ajudar no desenvolvimento do bebê prematuro
Getty Images
Especialistas afirmam que priorizar o aleitamento materno e manter o calendário de vacinação em dia são atitudes importantes para ajudar no desenvolvimento do bebê prematuro

“Quanto mais prematura for a criança, maior deve ser o cuidado com ela. Os pais devem manter um controle rigoroso junto ao pediatra toda semana ou a cada 15 dias no primeiro mês fora do hospital, para ter certeza de que o filho está ganhando peso e se desenvolvendo bem”, diz a pediatra Edinéia Lima, neonatologista do Hospital Pro Matre Paulista.

Entre os cuidados essenciais, a médica indica evitar o excesso de visitas e aglomerações, pelo menos nos três primeiros meses após a alta. Se for um prematuro extremo, ou seja, que nasceu antes de completar 34 semanas, o período de atenção deve ser ainda maior: se possível, até o sexto mês de vida, quando boa parte das vacinas já foi ministrada.

Aliás, seguir rigorasamente o calendário de vacinação é outro ponto importante, bem como o acompanhamento de toda a equipe médica necessária: pediatra, fisioterapeuta, neurologista, oftalmologista, cardiologista. “Esse atendimento multiprofissional é essencial para detectar qualquer problema no desenvolvimento do bebê”, esclarece Edinéia.

>>> Assine a newsletter do Delas , curta nossa página no Facebook e siga o @Delas noTwitter <<<

Apesar do acompanhamento mais efetivo do crescimento da criança, a enfermeira neonatal Carmen Gracinda Silvan Scochi, professora da Universidade de São Paulo e coautora da cartilha “Cuidados com o bebê prematuro: orientações para a família”, do Ministério da Saúde, diz que é preciso ficar atento ao excesso de zelo. “Tem de se tomar cuidado para não superproteger o bebê, para não prejudicar o estímulo ao desenvolvimento e, assim, fazer com ele demore mais para se recuperar”, recomenda. Veja os principais conselhos para cuidar bem do bebê:

1. Priorize o aleitamento materno
O leite materno é um alimento completo e tem defesas adequadas ao bebê prematuro, protegendo-o contra infecções, desnutrição, alergias e outras doenças. Isso sem falar do contato direto entre mãe e filho, fortalecendo o vínculo afetivo. O que acontece é que, muitas vezes, o prematuro mama mais lentamente ou tem mais dificuldade para sugar. Nestes casos, a enfermeira neonatal Carmen Gracinda Silvan Scochi recomenda interromper a lactação para que ele descanse um pouco, se assim for necessário, para depois recomeçar a mamada.

2. Promova a livre demanda
O prematuro é um pouco mais sonolento que o bebê que nasce a termo. Por conta disso, algumas vezes ele precisa ser acordado e estimulado nos horários das mamadas. Segundo o pediatra José Gabel, do departamento de Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo, a frequência do aleitamento vai depender de quantas vezes a própria criança solicita o peito, tanto de dia como à noite. É a chamada livre demanda. “Apesar disso, é importante não deixá-la mais de três horas sem mamar”, orienta Gabel. À medida que o bebê vai desenvolvendo a respiração e a sucção, a tendência é que comece a mamar mais rápido, porém, a frequência do aleitamento a cada três horas deve ser mantida.

3. Estimule a produção do leite
Depois de o prematuro ficar um tempo internado e, muitas vezes, sem conseguir mamar no peito, algumas mães param de produzir o leite naturalmente. Por isso, é essencial fazer o esvaziamento, ou seja, a “ordenha mamária”, para que a produção não seja interrompida. “Quanto mais precoce o contato da criança com o seio materno, mais relevante isso será para o desenvolvimento dela”, afirma a enfermeira Carmen. Na cartilha de coautoria da profissional, a orientação é fazer a ordenha (manualmente ou com a ajuda de um bombinha) a cada duas ou três horas e, no mínimo, seis vezes ao dia. As mãos precisam ser lavadas e os primeiros jatos de leite devem ser desprezados. O leite retirado pode ser guardado em um frasco fervido, com tampa, e colocado no congelador.

4. Utilize o método “Mãe-Canguru”
Sempre que possível, lance mão do método “Mãe-Canguru”, aquele no qual o bebê é colocado sem roupa sobre o peito nu da genitora, aquecendo-se por meio do corpo dela. Segundo Carmen, este é um recurso já comprovado no alívio de dores dos prematuros e também serve para acalmar os bebês. Uma dica da enfermeira é usá-lo quando for dar uma vacina mais dolorida ou submetê-los a algum procedimento mais invasivo.

5. Restrinja as visitas
Quando nasce um bebê, todo mundo quer ver, pegar no colo e apreciar o novo membro da família. No entanto, no caso dos prematuros, é bom evitar aglomerações e também o contato com muita gente, para prevenir gripes, resfriados e outras infecções, já que o bebê é mais vulnerável neste período. Desta maneira, a recomendação é limitar as visitas somente às pessoas mais próximas e importantes para o apoio aos pais.

6. Deixe a casa limpa e ventilada
Cuide para que a casa esteja sempre limpa e bem arejada, com portas e janelas abertas sempre que possível - claro que tomando as precauções para evitar correntes de ar. Outras recomendações de higiene importantes são: não fumar dentro de ambientes internos e lavar bem as mãos antes de pegar o bebê ou depois das trocas de fraldas. Tudo isso ajuda, e muito, na prevenção de contaminações e infecções neste período de maior vulnerabilidade.

7. Verifique a fralda com mais frequência
Nenhuma mãe quer ver o filho incomodado com uma fralda molhada ou suja. No entanto, com o prematuro este cuidado deve ser ainda maior, já que a pele do bebê geralmente é muito fina e sensível, sendo mais fácil adquirir assaduras. Por isso, troque a fralda com mais frequência, a fim de prevenir complicações locais, como infecções. “O uso de pomada para assaduras é liberado. No banho, prefira sempre produtos neutros, para não irritar a pele delicada dos bebês”, indica o pediatra José Gabel.

8. Mantenha as vacinas em dia
Pode parecer bobagem, mas atrasar um dia o calendário de vacinação de um prematuro pode ser muito prejudicial. Sendo assim, dê um jeitinho de se lembrar das datas corretas das doses e reforços. Vale colocar um lembrete no celular ou um aviso na geladeira, mas a preocupação com o cumprimento das aplicações deve ser constante. “Também é importante que os pais do prematuro façam anualmente a vacina da gripe, para não transmitir o vírus à criança”, afirma a pediatra neonatal Edinéia Lima.

9. Observe se o bebê está aquecido
Por ainda ter dificuldade em manter a temperatura corporal mais estabilizada, o prematuto pode sentir mais frio que uma criança nascida a termo. Desta forma, é importante prestar atenção aos sinais que ele transmite. “Quando perceber soluços ou extremidades mais frias, especialmente boca, nariz e dedos, é preciso agasalhar mais a criança”, ensina José Gabel.

10. Só coloque na escolinha após um ano de vida
É verdade que muitos pais precisam retornar ao trabalho, mesmo com um bebê prematuro em casa. No entanto, a recomendação é que ele não vá para creche antes de um ano de idade ou até a liberação do pediatra. “Há muito risco de infecções no contato com outras crianças”, afirma a médica Edinéia Lima. Se os pais não tiverem como ficar com o filho, é preciso pensar em um esquema com uma avó, uma babá ou outra pessoa de confiança, para que ele receba os cuidados adequados.

Veja também:
Dicas e cuidados com o bebê desde o nascimento até o aniversário de 1 ano
Os marcos do desenvolvimento infantil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.