Falta de limites, refeições pouco antes de ir para a cama e quarto com luz acesa têm relação direta com a qualidade do descanso. Saiba o que impede uma noite bem dormida

Quando o recém-nascido chega em casa, os pais já estão sabem que terão muitas noites mal dormidas pela frente. “Até os seis meses de idade, é natural o bebê acordar uma ou mais vezes durante a madrugada, com fome ou cólicas. Faz parte do desenvolvimento de todo ser humano”, justifica Gustavo Moreira, pediatra pesquisador do Instituto do Sono. O que consola os adultos despertados pelo choro infantil é saber que essa fase deve acabar antes do primeiro aniversário.

“À medida que o bebê cresce, espera-se que seu sono diurno vá diminuindo e os despertares noturnos também
Getty Images
“À medida que o bebê cresce, espera-se que seu sono diurno vá diminuindo e os despertares noturnos também", afirma o neurologista Geraldo Rizzo



Só que há casos em que o tempo passa e a criança continua não conseguindo uma noite completa de descanso. “À medida que o bebê cresce, espera-se que seu sono diurno vá diminuindo e os despertares noturnos também. Se ele não consegue dormir uma noite inteira depois de um ano de idade, isso causa estranhamento e se torna uma queixa dos pais, esgotados”, afirma o neurologista Geraldo Rizzo, especialista em medicina do sono e diretor do laboratório Sonolab.

O cansaço dos pais, segundo Moreira, é o principal motivo pelo qual as interrupções no sono dos filhos são levadas ao conhecimento do médico. Mas uma noite agitada nem sempre significa que a qualidade do descanso dos pequenos terá sido ruim.

No caso do terror noturno, por exemplo, o sono infantil não é fragmentado. “A criança acorda assustada, por isso o adulto precisa ter muita calma e esperar que ela volte a dormir. No dia seguinte, ela dificilmente se lembrará disso”, garante o pediatra. Se o problema for sonambulismo, o impacto no descanso é menor ainda, e as únicas preocupações dos pais devem ser não acordar o filho, levá-lo de volta para a cama e sempre manter portas e janelas trancadas.

Leia também:
Seis erros cometidos pelos pais na educação dos filhos
Sete erros dos pais na hora de impor limites

Saiba quais são os erros que os pais cometem na rotina dos filhos que podem realmente atrapalhar o sono do seu filho e o que fazer em relação a eles.

1 - Falta de limites
Toda noite é a mesma cena: na hora de dormir a criança faz birra, pede colo, mamadeira, chora e grita que não vai para o quarto. Moreira chama esse quadro de “insônia de falta de limites”, que atinge cerca de 30% das famílias, leva a um início de sono conturbado e não permite o relaxamento completo ao longo das próximas horas. Rizzo confirma: “A falta de estabelecimento de limites é um dos mais comuns distúrbios do sono, especialmente no primogênito”. O que resolve a situação é pulso firme. “Os pais precisam acostumar os filhos a irem para a cama sem artifícios se não quiserem que eles associem o sono a todo esse processo cansativo e prejudicial. Hora de dormir é hora de dormir”, determina Moreira.

Evite deixar luz acesa no quarto das crianças para não prejudicar a qualidade do sono
Getty Images
Evite deixar luz acesa no quarto das crianças para não prejudicar a qualidade do sono

2 - Não adotar uma rotina de desaceleração
Tentar colocar a criança para dormir logo depois de uma atividade física ou mental intensa é frustração certa. Com a adrenalina alta, seu sono não virá e ela levantará em pouco tempo. As duas horas que antecedem a ida para a cama devem ser de relaxamento – por isso, nada de aulas de esporte depois das 18h ou de fazer a lição de casa à noite. “Os pais devem adotar uma rotina relativamente rígida para ensinar os filhos a dormir”, sugere Rizzo.

3 - Não estabelecer o horário de se recolher
Crianças têm que ir para a cama entre 19h e 21h. Moreira explica por quê: “Devido ao ciclo circadiano, que interfere nos estados de alerta e sonolência, esse é o período da noite em que elas sentem sono. Se perderem a ‘janela’, os pais precisarão esperar uma próxima brecha, quase na madrugada, para conseguir fazê-las dormir”. Desde o primeiro ano de vida, determine um horário dentro desse intervalo para seu filho se recolher e o apresente como parte da rotina, para que ele aceite com naturalidade.

4 - Luz acesa/TV ligada no quarto à noite ou computador/tablet/smartphone na cama
Nesses casos, a distração é um problema, mas não o maior deles. O que realmente atrapalha o sono das crianças é o fato de a iluminação irradiada inibir a produção de melatonina, o hormônio responsável pela estimulação do sono. “O cansaço do corpo vence, mas o descanso é cheio de interrupções”, esclarece Moreira. Caso seu filho tenha medo de escuro, converse com ele para deixá-lo mais à vontade com a falta de luz ou procure a ajuda de um psicólogo. E resista à tentação de manter lâmpadas acesas para ajudá-lo a dormir.

5 - Ambiente mal preparado para o sono
Barulho, luz, muito frio ou muito calor são características que não incentivam o sono. Para que as crianças durmam em paz, Moreira recomenda um ambiente silencioso, com janelas e cortinas fechadas e temperatura amena.

6 - Barriga cheia pouco antes de ir dormir
Ânsia, refluxo e vômito são os principais problemas que podem surgir ao longo da noite em que seu filho tenha ido dormir logo depois de comer. Resultado: sono fragmentado e de má qualidade. O ideal é que ele faça a última refeição do dia pelo menos duas horas antes de ir para a cama. Esqueça a possibilidade de ele ter pesadelos. “É mito”, assegura Rizzo.

Se com todas essas medidas a qualidade do sono do seu filho não melhorar, não hesite em procurar um especialista em medicina do sono e seguir suas indicações para garantir noites tranquilas para toda a família.

Veja ainda:
Especial 100 Brincadeiras: escolha a ideal para fazer com seu filho
Guia do Bebê: dos zero aos 12 meses, os desafios de cada fase

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.