O príncipe William e sua mulher, Kate, têm, silenciosamente, feito planos para que o futuro rei - o bebê real, nascido nesta segunda-feira - receba uma educação mais moderna

BBC

Charles e Diana tiveram
PA
Charles e Diana tiveram "babá amiga" dos dois filhos

Os pais e avós do bebê terão mais influência do que as babás, e tanto William quanto Kate vão balancear funções reais com muito tempo dedicado à família, explica a especialista da BBC para assuntos reais, Carolyn Harris.

Gerações anteriores da realeza introduziram, aos poucos, inovações nesse sentido, mas o casal desfruta de apoio sem precedentes, tanto do público como do palácio. Eles representam o futuro da monarquia e suas escolhas vão influenciar a opinião popular em relação à educação infantil e também à família real.

Mas quão diferente essa educação será em relação aos herdeiros anteriores do trono britânico?

Leia: Nasce filho de Príncipe William e Kate Middleton

Babá real

Em janeiro, William e Kate colocaram um anúncio no jornal procurando uma governanta. Isso foi interpretado pela mídia como um sinal de que talvez eles pretendam assumir a maior parte da responsabilidade pelos cuidados à criança.

A vaga, preenchida em maio por Antonella Fresolone, ex-empregada da rainha, envolve uma ampla gama de responsabilidades, incluindo cuidar da lavanderia, polir prataria e levar o cachorro para passear, além de cuidar de crianças - função que era desempenhada por vários empregados quando o príncipe Charles (ou mesmo seu filho, William) eram crianças.

A transformação do cargo da babá real ─ ou ama-seca, como se dizia antigamente ─, que de chefe do berçário passa a funcionária em meio período, representa uma ruptura com a tradição.

E ela reflete as visões do Duque e Duquesa de Cambridge em relação a uma questão importante no século 21: como equilibrar o trabalho e a vida pessoal.

Autoridade

As credenciais e os deveres requeridos de uma babá real britânica mudaram bastante ao longo dos séculos. O rei Carlos 1º (que reinou entre 1625 e 1649) substituiu a primeira governanta de seu primogênito, a Condessa de Roxburgh, quando o público protestante demonstrou desagrado com a ideia de uma católica educando o futuro Carlos 2º.

No tempo da rainha Vitória (1837-1901), babás e governantas reais exerciam completa autoridade sobre o berçário. Tinham de dedicar-se inteiramente aos seus deveres, com pouquíssimo tempo para si mesmas.

O grau de autoridade exercido pelas babás reais nos séculos 19 e 20 foi positivo para algumas crianças, mas teve efeitos desastrosos para outras. Em 2010, o filme O Discurso do Rei retratou os casos dos príncipes Edward e George, que sofreram abusos por uma de suas primeiras babás.

Tanto Charles quanto William, no entanto, eram bastante próximos de suas babás e elas lhes trouxeram estabilidade e conforto em tempos difíceis.

Quando William e Harry nasceram, o papel tradicional da babá real tinha se tornado incompatível com o estilo mais participativo de seus pais, Charles e Diana.

Em comparação à abordagem mais formal seguida pela rainha Elizabeth 2ª e seu marido, o príncipe Philip, tanto Charles como Diana abraçavam os filhos em público e os levavam, ainda pequenos, a turnês reais no exterior.

Veja também: O mapa astral do bebê real

Segundo relatos, Diana se incomodava com a primeira babá de William, Barbara Barnes, porque achava que Barnes agia como uma "mãe postiça" para o menino ─ algo perfeitamente aceitável em outros tempos.

Depois da separação de Charles e Diana, em 1992, Charles contratou uma babá pouco convencional, Tiggy Legge-Bourke, para ajudar a cuidar dos meninos. Em vez de mandar, a jovem Legge-Bourke agia como uma espécie de irmã mais velha e amiga dos príncipes, acompanhando-os em saídas com o pai.

Babás tinham autoridade sobre os filhos da família real até o século 20
Getty Images
Babás tinham autoridade sobre os filhos da família real até o século 20

Avós

O cargo de governanta e babá criado por William e Kate dá continuidade a esse processo de inovação.

Acredita-se, também, que os avós do bebê terão mais influência sobre sua educação do que qualquer babá. Segundo relatos, Kate teria a intenção de passar as primeiras semanas após o nascimento do bebê na casa dos seus pais, Michael e Carole Middleton.

Apesar dos conflitos entre Diana e sua própria família, William e Harry eram muito próximos da avó, Frances Shand Kydd, que eles chamavam de "Gran Fran".

Há inúmeros sinais de que William e Kate pretendem seguir a ala menos tradicionalista da família real. Charles foi o primeiro pai da família a estar presente na sala de parto desde o marido da rainha Vitória, o príncipe Albert. E William fez o mesmo: nota oficial divulgada nesta segunda-feira informa que o príncipe acompanhou o parto do filho.

Outra questão importante é a amamentação. Nos séculos 18 e 19, mães da família real causaram polêmica ao decidir amamentar seus bebês. Quando a rainha Vitória soube que suas filhas estavam amamentando seus bebês, deu a uma de suas vacas, em tom de crítica e deboche, o nome de Princesa Alice.

A decisão de Diana de amamentar os filhos recebeu elogios do público, e Kate também deverá ser aplaudida por modernizar a figura da mãe na família real.

Leia ainda:
Veja dicas e cuidados com o bebê desde o nascimento até o aniversário de 1 ano
Especial Educação de A a Z

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.