Antes e durante a gestação, sentir mais vontade de ter menina ou menino é normal entre plebeus e nobres – até Kate Middleton teria deixado escapar sua preferência

Como quase tudo que envolve os famosos que optam pela discrição, a gravidez de Kate Middleton levanta um boato polêmico atrás do outro. Um assunto que tem chamado a atenção em torno da barriguinha da duquesa de Cambridge é o sexo do bebê. Enquanto oficialmente a família real britânica declara não saber se nascerá um herdeiro ou uma herdeira, revistas e sites de celebridades afirmam que ela está grávida de uma menina e teria dito que preferiria que fosse um menino. Ainda de acordo com essas publicações, o príncipe William, seu marido, estaria feliz, pois sua preferência seria por uma primogênita. (E você, tem preferência por menino ou menina? Vote na enquete ao final da página.)

Grávida, Kate Middleton teria expressado preferência por menino, enquanto seu marido, o príncipe William, gostaria de ter uma menina
SplashNews
Grávida, Kate Middleton teria expressado preferência por menino, enquanto seu marido, o príncipe William, gostaria de ter uma menina

Verdadeira ou não, a história aproxima ainda mais Kate e William dos “comuns” que os admiram, já que ter preferência por um gênero faz parte da realidade da maioria das pessoas. “Tanto homens quanto mulheres, muito antes de engravidar, já são ‘pais’ de um bebê imaginário e até escolhem o nome do futuro filho”, afirma a psicóloga perinatal Rafaela Schiavo, mestre em psicologia do desenvolvimento e aprendizagem pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) de Bauru. “Não há nada de errado nisso. Só há problema quando o desejo por um gênero é tão forte que, ao descobrir que o sexo do bebê é o oposto do esperado, manifesta-se depressão ou obsessão.”

Ela explica que o desejo saudável pode ter várias causas: o ideário cultural dos pais (achar que menina é delicada e menino é bruto, por exemplo), a mulher sofrida querer um menino para que ele não passe pelas dificuldades enfrentadas por ela ou a mulher feliz desejar uma menina para poder “dar à luz a si mesma”, até para que a pequena possa fazer o que a mãe não teve oportunidade. E muitas outras, uma vez que as emoções humanas são complexas.

A professora de inglês Andréa Klein sempre quis ter uma filha e realizou seu sonho logo na primeira (e única) gravidez, da qual nasceu Laura, hoje com seis anos. “Queria uma menina para me acompanhar no balé, na manicure, para gostar de rosa como eu gostava quando era mais nova”, diz. O ultrassom só revelou que o bebê era do sexo feminino no sexto mês de gestação. “No íntimo, eu tinha certeza de que seria menina. Mas quando o médico confirmou, chorei e ri ao mesmo tempo. Na saída da consulta, compramos um macacão rosa”, lembra.

Leia também:
É possível escolher o sexo do bebê naturalmente?
Posição sexual tradicional pode facilitar a gravidez

Mesmo plenamente realizada, Andréa confessa que não tinha coragem de falar em voz alta, durante a gravidez, que preferia uma filha a um filho. “Acho um pecado, um absurdo, por isso não verbalizava. Mas, por mais que conscientemente eu ache errado, tinha essa preferência, que posso fazer?”, justifica-se.

Andréa sempre quis ter uma menina e realizou seu sonho com o nascimento de Laura
Arquivo pessoal
Andréa sempre quis ter uma menina e realizou seu sonho com o nascimento de Laura

Bebê saudável

A autocensura é extremamente natural no convívio social, como conta Karina Zulli, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade Rede D’Or São Luiz: “Antes da gestação, as pacientes declaram suas preferências, mas isso muda do momento em que a gravidez é descoberta em diante. Aparece uma certa ‘culpa’, um sentimento de que o importante é o bebê ser saudável”. Segundo a psicóloga Rafaela, isso é consequência de uma cobrança social e é preciso ter atenção. “Mulheres podem adoecer psicologicamente se não tiverem com quem conversar sobre uma possível frustração nesse sentido”, afirma.

A advogada Adriane* começou a fazer terapia após descobrir que dará à luz mais uma menina em junho deste ano – ela já é mãe de Vitória*, dois anos. “Sempre quis ter um menino, meu marido também. Quando o ultrassom da primeira mostrou que era uma menina, ficamos tristes, mas nos apoiamos na esperança de que em seguida teríamos um moleque. Agora, teremos outra garota. Não posso falar com ele sobre o que sinto, ficamos emotivos, nem com minha mãe ou uma amiga, porque todo mundo acha errado a gente querer escolher o sexo do bebê. Então converso com a psicóloga. Amo minha filha, ela é linda. Sei que vou amar a próxima, mas queremos um menino”, desabafa. O casal já planeja tentar o tão sonhado filho assim que a caçula completar um ano de idade. “Se não vier, a gente para”, garante.

O amor declarado pela advogada às filhas prova o que Rafaela defende: “o filho não é rejeitado; a rejeição é pelo sexo dele, o que é bem diferente”. Mas ter tantas crianças com o único propósito de “ganhar” o bebê do gênero preferido é exceção hoje em dia. No consultório de Karina Zulli, o mais comum é os pais se conformarem quando o resultado do ultrassom é diferente do que eles desejavam. “Ouço frases como ‘Ah, se não veio a menina, então é para termos um menino mesmo’. É muito difícil um casal dizer que vai insistir só por causa do sexo do bebê. Até pela questão financeira, porque a criação de um filho custa caro”.

* Os nomes foram trocados a pedido da entrevistada.

Veja ainda:
Menino ou menina: uma festa para descobrir o sexo do bebê
Etiqueta para o chá de bebê 
Guia do Bebê: desafios e características de cada fase, dos zero aos 12 meses



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.