As crianças repetem o que ouvem e, normalmente, não sabem o que aquilo significa. Conte como você reage e confira dicas do que fazer quando seu filho fala um palavrão

Palavrão: pais não podem achar engraçado e devem dar o exemplo
Getty Images
Palavrão: pais não podem achar engraçado e devem dar o exemplo

Se você for pego de surpresa, é capaz até de dar risada. Mas depois vem aquela sensação de que a reação não foi adequada. E realmente não é assim que adultos devem reagir quando crianças falam algum palavrão. 

“Muitas vezes a risada dos pais ou de qualquer adulto que esteja perto vem de forma muito espontânea. Se isso acontecer com você, respire fundo e mude de atitude. Explique que aquela palavra não deve ser repetida e dê uma opção de vocabulário para a criança fazer a substituição”, ensina Larissa Fonseca, psicopedagoga.

Leia também: Educação de A a Z

Normalmente alheia ao significado do palavrão, a criança está apenas repetindo o que ouviu em alguma ocasião. Ela consegue, inclusive, inserir essa palavra em contexto parecido ao que presenciou. Por exemplo, quando vê o pai nervoso falando “droga”, poderá dizer a mesma palavra em um momento de frustração.

Linguagem simples

A estudante de psicologia Franciele Rupel Yoshizawa conta que o filho mais velho, de sete anos, não sabe exatamente o que quer dizer o palavrão, mas entende o sentido que a palavra tem. “Percebi que ele sabia que aquilo poderia ser dito em um momento de ‘fúria’ e que iria atingir de forma negativa a pessoa para quem ele dirigisse o xingamento. Mas o significado da palavra em si ele não sabia.”

Leia também
Sete erros na hora de impor limites às crianças
Quais são os limites da palmada?

Isso é comum. De acordo com a psicóloga Dora Lorch, autora do livro “Superdicas para Educar Bem seu Fiho” (Editora Saraiva), os pais precisam explicar em uma linguagem bastante simples que aquilo é ofensivo. “Alguns pais ficam bravos, mas não adianta. A criança não sabe direito o que falou. Explicar é a melhor maneira de lidar com essa situação.”

Reagir adequadamente é a melhor maneira de evitar que a criança repita palavras feias
Getty Images
Reagir adequadamente é a melhor maneira de evitar que a criança repita palavras feias

Faça o que eu digo...

Não falar palavrões na frente de uma criança é a primeira atitude dos pais para evitar que ela repita isso. Parece fácil, mas nem sempre é o que se vê na prática. Muitos pais parecem seguir a máxima do “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”, segundo Dora.

“Nas famílias existe uma diferença entre o que os pais falam e fazem. Observamos isso quando pedem para as crianças comerem verdura e no seu prato tem apenas arroz e batata frita. Com palavrões não é diferente”, afirma Dora.

Mãe de uma menina de pouco mais de dois anos, Juliana Ferreira procura ser coerente na educação da filha. “Não temos o costume de falar palavrões em casa. Quando ela fala ‘droga’ ou ‘caramba’ porque ouviu alguém dizer, explico que é feio e não devemos repetir essas palavras. Para mim não tem palavrão mais leve. Tento evitar ao máximo.”


Leia também

31 ideias para se divertir com as crianças nas férias

"Pais precisam ser educados para educar os filhos", diz Cris Poli, a Supernanny brasileira

Argumentos

Franciele também se policia para que os filhos não ouçam, e consequentemente repitam, palavrões com frequência. Como o contato com outras pessoas e crianças é inevitável, ela aposta na boa educação dentro de casa para desestimular os exemplos negativos. “A qualidade da educação que os pais dão faz toda a diferença. Palavrão, além de ser feio, faz com que a pessoa perca a razão. Quero que meus filhos tenham argumentos ao invés de usar palavrões em situações adversas.”

“Os pais não têm controle sobre tudo a que as crianças têm acesso, seja na escola , com a babá ou mesmo com o irmão mais velho. Eles precisam aprender a lidar com essa situação”, afirma Larissa Fonseca. Mesmo com esses problemas pontuais, o contato social da criança com outras pessoas deve ser mantido.

Seu filho falou um palavrão e você não sabe como agir? Confira as dicas da psicóloga Dora Lorch e da psicopedagoga Larissa Fonseca:

- Explique, com uma linguagem simples, que a palavra é feia e não deve ser repetida. Diga que palavrões podem deixar as pessoas tristes por que é ofensivo.

- Ofereça um sinônimo para que a criança possa substituir o palavrão.

- Não ignore o que a criança acabou de falar. Ela não vai aprender sozinha que aquilo é ruim.

- Não brigue em excesso, afinal ela, normalmente, não sabe o que a palavra significa.

- Tente não achar graça ou dar risada.

- Não dê tanta importância ao fato. Explique que aquilo não deve ser repetido e pronto. Evite ficar voltando a este assunto.


Leia também

100 Brincadeiras: escolha a ideal para fazer com seu filho

Existe vida sexual pós-gravidez?

Você sabe conversar com seu filho?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.