Entenda por que seu filho deve fazer o teste e todos os detalhes do exame

Algumas gotinhas de sangue tiradas do calcanhar do seu filho, logo nos primeiros dias de vida, podem ser essenciais para a saúde e o bem-estar dele. O teste de triagem neonatal, conhecido popularmente como “teste do pezinho”, pode diagnosticar algumas doenças antes mesmo da manifestação dos sintomas e é um direito de todas as crianças brasileiras.

Leia também: oito regras de etiqueta para visitar o recém-nascido

Teste do pezinho é direito de todos os recém-nascidos e ajuda a diagnosticar doenças graves antes mesmo da manifestação dos sintomas
shutterstock
Teste do pezinho é direito de todos os recém-nascidos e ajuda a diagnosticar doenças graves antes mesmo da manifestação dos sintomas

De acordo com Regina Paloschi Munhoz, responsável pelo departamento de triagem neonatal das maternidades Santa Joana e Pro Matre Paulista, o simples procedimento evita lesões graves que podem até levar à morte. “Os pais podem dar ao filho a chance de um tratamento antes mesmo do surgimento da doença”, explica, ressaltando a importância do teste do pezinho .

De acordo com o pediatra Paulo Pachi, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, são quatro doenças que podem ser detectadas com o teste básico, obrigatório em todas as redes de saúde, pública ou particular: hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria , fibrose cística e anemia falciforme .

Embora nem todas sejam doenças comuns, o diagnóstico não deve ser deixado de lado. “São doenças graves”, alerta Marcelo Reibscheid, pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo, e autor do site Pediatria em Foco.

Quando e como

O ideal é que a coleta seja realizada a partir de 48 horas após o nascimento. Antes disso, segundo Paulo Pachi, o metabolismo do bebê ainda não permite detectar possíveis problemas de saúde. Mas o período de espera não se aplica a todas as crianças. Segundo Regina, a coleta deve ser feita no tempo determinado pelo pediatra do recém-nascido, respeitando casos de crianças prematuras e de baixo peso, por exemplo.

Também é possível, embora não seja obrigatório por lei e fique por conta da escolha dos pais e do pediatra, ampliar o teste para o diagnóstico de mais de quarenta doenças graves, como galactosemia e toxoplasmose. Mas, segundo Reibscheid, o teste básico já dá conta de detectar as doenças mais graves e mais comuns.

O calcanhar, por ser uma região bastante vascularizada, é a parte do corpo escolhida para fazer a coleta das gotinhas de sangue – daí o nome “teste do pezinho” – com a ajuda de um papel filtro. O procedimento é rápido e simples.

Esquecimento fatal

Como o teste do pezinho é 100% preventivo e seus resultados saem de 10 a 15 dias depois do nascimento, é comum os pais caírem na armadilha de esquecê-lo. Mas esta não é uma atitude adequada. “Nem sempre o resultado do teste chegará na casa dos pais, mas é importante não esquecê-lo e ir atrás assim que sair”, recomenda Marcelo Reibscheid.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.