As bebidas são tão importantes quanto a alimentação na dieta infantil, mas opções aparentemente saudáveis podem esconder riscos. Saiba escolher

Suco de garrafinha, de caixinha, em pó, bebidas à base de soja, iogurtes, refrigerantes, águas gaseificadas e saborizadas, energéticos... A oferta é variada, mas nem sempre o que parece saudável corresponde à expectativa na hora de oferecer uma bebida ao seu filho.

A primeira preocupação deve ser quanto à qualidade nutricional das bebidas. Ler rótulos deve virar um hábito, pois ali se descobre a composição. “As bebidas são importantes fontes de nutrientes e completam as refeições infantis . Mas é necessário cuidar do que a criança está bebendo”, diz a nutricionista Ellen Beatriz Pietruszynski. Evite aditivos industriais, açúcares e calorias vazias.

Quando for comprar uma bebida para seu filho, leia o rótulo para saber o que ele vai ingerir
Thinkstock/Getty Images
Quando for comprar uma bebida para seu filho, leia o rótulo para saber o que ele vai ingerir

Mesmo os produtos vendidos como mais saudáveis, como as bebidas à base de soja ou as águas gaseificadas e saborizadas, exigem certa cautela. Muitas bebidas à base de soja têm quantidade muito pequena de soja (e muito grande de açúcar), enquanto as águas gaseificadas, vendidas como uma alternativa mais saudável aos refrigerantes, geralmente apresentam um teor elevado de edulcorantes em sua composição.

Leia também:
Aprenda a fazer comida divertida para as crianças
Alimentação e nutrição: crianças saudáveis e pais contentes

Água, sucos, leite, bebidas de soja, café, chá e refrigerantes: descubra abaixo o que faz bem e o que deve ser riscado da dieta infantil.

Pais devem incentivar filhos a beberem água mesmo quando não estão com sede
Thinkstock/Getty Images
Pais devem incentivar filhos a beberem água mesmo quando não estão com sede

Água, sempre

A melhor opção é sempre água. Os pais devem incentivar as crianças a beberem água mesmo quando não estão com sede, para garantir que não apresentem problemas como desidratação. E isso não apenas nos dias quentes, mas no frio também, pois o corpo gasta muita água para queimar a gordura corporal e manter o organismo aquecido. “Crianças precisam mais de água do que um adulto, pois são mais suscetíveis ao estresse por calor, já que possuem pouca massa corporal e por isso absorvem mais calor”, explica a nutricionista Bruna di Chiara Passos.

ASSINE A NEWSLETTER DO DELAS E RECEBA AS NOTÍCIAS EM SEU E-MAIL

A água de coco, tão popular no Brasil, também é uma opção saudável para as crianças – especialmente em dias muito quentes. Sua composição química é a mais próxima da composição dos líquidos corporais, contribuindo para a boa hidratação das células. A água de coco também possui vitaminas A, B1, B2, B5 e C e sais minerais, e não tem gorduras ou colesterol.

Vai um suquinho aí?

Sucos são ótimas fontes de fibras alimentares, minerais e vitaminas. O melhor suco é o feito com frutas in natura. Mas ele deve ser consumido na hora para não perder parte de suas vitaminas e mineirais. “Perde-se de 20% a 30% do conteúdo de vitaminas após algumas horas do preparo do suco. Mesmo assim, ainda é uma opção mais saudável”, explica Ellen.

Se o suco será consumido muito tempo depois – como, por exemplo, só na hora do lanche escolar – pode-se optar pelo suco de polpa da fruta, em que as fibras e os mineirais são preservados. Na falta do suco de polpa, os concentrados (de garrafa) são a segunda opção, pois mantêm as propriedades da fruta e não tem associação de açúcares na sua composição. Mas levam corantes, aromatizantes e conservantes.

Veja ainda: 
O lanche escolar ideal para o seu filho
Alimentação sólida tardia pode diminuir obesidade

Sucos de caixinha não devem ser consumidos regularmente. Se precisar, escolha os que contêm mais fruta do que água e açúcar. “Na descrição dos ingredientes deve estar escrito da seguinte forma: ‘polpa de fruta, água, açúcar...’. Se estiver escrito: ‘açúcar, água e polpa de fruta’, significa que o produto é rico em açúcar e água e tem pouco nutriente”, ensina a nutricionista Karen Jacob.

Suco de caixinha não deve ser consumido com frequência
Thinkstock/Getty Images
Suco de caixinha não deve ser consumido com frequência

Sucos e refrescos industrializados (de garrafinhas, latinhas ou em saquinhos) devem ser evitados ao máximo, pois contêm conservantes, corantes e aromatizantes além da conta, chegando ao nível dos refrigerantes em teor de açúcar.

Leite ou soja?

O leite é uma bebida muito saudável e ótima fonte de nutrientes como cálcio, potássio, fósforo, proteínas e vitaminas essenciais para o bom funcionamento do organismo. Por todas essas qualidades ele é muito importante na dieta das crianças. Além disso, o leite é versátil: pode ser consumido quente ou frio, em iogurtes ou vitaminas.

Bebidas à base de soja também são uma opção saudável, desde que se opte por produtos com baixo teor de açúcar e alto teor de soja. E não exagere. “O excesso de soja pode indisponibilizar a absorção de alguns nutrientes importantes. Por isso, esses tipos de suco não devem acompanhar as refeições principais”, explica Ellen.

Café e chá

Apesar do café ser uma paixão nacional, os nutricionistas são unânimes em apontar que a bebida não é indicada para as crianças. A cafeína pode deixar a criança agitada, irritada e atrapalhar seu sono. Apesar da restrições, os nutricionistas apontam que um copo de café com leite não prejudica a dieta da criança.

Leia também:
Crianças podem tomar café?

11 truques para seu filho comer melhor

Já os chás de camomila, erva-cidreira e hortelã são uma ótima opção. “Eles podem ajudar na digestão, diminuir gases e cólicas intestinais, acalmar e até tratar resfriados”, aponta Karen. Mas o chá verde deve ser evitado: a presença de polifenóis garante antioxidades importantes para os adultos, mas dificulta a absorção de cálcio e ferro, dois minerais imprescindíveis para o desenvolvimento das crianças e dos adolescentes. Chás industrializados (chás gelados, em garrafas ou em latinhas) não são recomendados por conterem altos teores de açúcar e sódio.

E os refrigerantes?

O refrigerante, se não puder ser totalmente riscado da dieta das crianças, deve se restringir a no máximo duas vezes na semana, sempre moderadamente. “São bebidas cheias de açúcar e outras substâncias como conservantes, acidulantes e aromatizantes, entre outros aditivos químicos. Associados a outros alimentos cheios de conservantes, eles podem sobrecarregar o organismo de toxinas”, aponta Bruna.

Muitas crianças consomem o refrigerante para matar a sede, o que é um erro: como se trata de bebida com alta concentração de açúcar, ela acada dando ainda mais sede, pois necessita de água para ser ''processada'' pelo organismo.

Leia ainda:
10 erros dos pais na alimentação dos filhos 
Comer bem não é sinônimo de engordar

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.