Segundo estudo conduzido por grupo multipartidário, imagem corporal é a principal preocupação de um em cada cinco meninos e uma em cada três meninas de 10 anos

BBC

Imagem: crianças estão mais vulneráveis sobre aparência do próprio corpo
Getty Images
Imagem: crianças estão mais vulneráveis sobre aparência do próprio corpo
Deputados britânicos propuseram a introdução de aulas de imagem e expressão corporal nas escolas para combater o problema da crescente insatisfação com o corpo no país. 

O grupo All Party Parlamentary, que reúne parlamentares de todos as agremiações políticas, fez a recomendação após conduzir estudo no qual constatou que duas em cada três pessoas no Reino Unido não está feliz com seu corpo.

O estudo, "The Reflections on Body Image" ("Reflexões sobre a Imagem do Corpo", em português), divulgado em conjunto pelos deputados e pelo YMCA (Associação Cristã de Moços), revelou que a imagem corporal é a principal preocupação de um em cada cinco meninos e uma em cada três meninas de 10 anos - que afirmaram ser esta a maior causa de bullying nas escolas.

Leia também
Mãe, preciso emagrecer?
Vaidade infantil tem limite

Ele indicou também que meninas tão jovens quanto cinco anos de idade já se preocupam com a aparência, enquanto taxas de cirurgias plásticas cosméticas aumentaram quase 20% no país desde 2008.

Para especialistas, o bombardeamento de imagens de corpos "perfeitos" através da mídia seria um dos principais responsáveis pela falta de autoestima na população. Eles dizem também que o ideal de beleza propagado pela mídia - com ajuda da chamada "cultura das celebridades" - só é correspondido por cerca de 5% da população. 

Toda a sociedade

Insatisfação com o corpo, o relatório mostrou, é um problema que afeta toda a sociedade, independentemente da idade, gênero, sexualidade, etnia, tamanho ou forma do corpo.

O problema foi identificado como fator-chave para a ocorrência de problemas de relacionamento e baixa autoestima, assim como para bloqueios na progressão escolar e no trabalho.

No entanto, os jovens e as crianças foram consideradas particularmente vulneráveis à ansiedade sobre seus corpos.

Leia também: até onde elogiar os filhos?

Embora as evidências sugiram que as preocupações sejam inicialmente emanadas pelos pais, no ensino secundário são os colegas de escola a maior influência.

Dietas para perda de peso são adotadas por cerca de metade das meninas e até um terço dos meninos.

Em resposta às conclusões, os membros da indústria dos dietéticos admitiram ao grupo parlamentar que as pessoas tinham "expectativas irreais" sobre perda de peso.

Os transtornos alimentares

O inquérito - que ouviu acadêmicos, instituições de caridade, peritos públicos e outros - também revelou que:

- Acabar de vez com dietas pode reduzir em 70% os casos de transtornos alimentares no país;

- Mais de 95% das pessoas que fizeram dieta recuperam o peso perdido;

- 1,6 milhão de pessoas no Reino Unido convivem com transtornos alimentares;

- Até um em cada cinco pacientes de cirurgia plástica poderia sofrer de transtorno dismórfico corporal;

- Um em cada três homens admitiria sacrificar um ano de vida para alcançar o seu corpo ideal;

- Um em cada cinco pessoas foram vítimas (de bullying ) por causa de seu peso.

A presidente do All Party Parlamentary, deputada Jo Swinson, disse que a insatisfação com a imagem corporal no Reino Unido tinha "chegado ao ponto mais alto."

"A pressão para se adequar a um ideal inatingível corpo está causando estragos na autoestima de muitas pessoas."

A chefe-executiva da YMCA, Rosi Prescott, também disse que havia algo "muito errado na sociedade quando as crianças de cinco anos de idade estão preocupados com sua aparência, com base nas mensagens que estão vendo redor delas".

Ela acrescentou que é responsabilidade de toda a sociedade promover uma mudança coletiva quanto a imagem corporal, a fim de "evitar danos às gerações futuras".

Leia também
Mãe, quero ser loira!
Seu filho pode sofrer bullying?
Cosméticos para crianças de oito anos causam polêmica

    Leia tudo sobre: dieta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.