Conheça os métodos, entenda como cada um é feito, como funcionam e qual a margem de erro

Testes de farmácia são confiáveis
Thinkstock/Getty Images
Testes de farmácia são confiáveis

De atraso menstrual a enjoos, os sintomas que indicam a gravidez são ao mais variados – mas nenhum deles é determinante. Somente um teste pode confirmar uma gestação em curso. Mas qual é a melhor opção? Quatro especialistas responderam as principais dúvidas sobre o assunto e explicaram por que os testes de farmácia são confiáveis, sim. 

Leia: Gravidez Semana a Semana 

Quais testes podem ser feitos?  
Os testes mais fidedignos são os exames de sangue e de urina. 

Qual a margem de erro do exame de sangue?
Nenhuma. Ele pode detectar a gravidez aproximadamente oito dias após a fecundação e o resultado é conclusivo.  

E qual a margem de erro do teste de urina?
De acordo com a obstetra Maria Rita de Souza Mesquita, diretora da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de São Paulo (Sogesp), o teste de urina é quase completamente confiável. “Quando ele dá positivo para a gravidez, é positivo mesmo”. O falso negativo, entretanto, tem mais chances de ocorrer. Pode ser, neste caso, que a concentração de hormônio ainda não esteja adequadamente concentrada na urina para dar positivo. Na dúvida diante do negativo, o ideal é refazer o teste, de preferência o de sangue.

Veja também:
O que pode e o que não pode na gravidez
Fotos da gravidez: como registrar a gestação

Como os testes funcionam?
Ambos os testes detectam um hormônio produzido durante a gravidez, conhecido como hCG (gonadotrofina coriônica humana). Através da dosagem de uma fração específica desse hormônio, chamada Beta-hCG, a mulher pode saber se está grávida ou não. 

O teste detecta o tempo de gestação?
O teste de farmácia só diz se a mulher está grávida ou não. Já com um exame de sangue quantitativo é possível ter uma ideia estimada do tempo de gestação, de acordo com o nível de hormônio detectado.

Quando posso fazer o teste de gravidez?
Todas as mulheres que acreditam estar grávidas querem saber logo o que os testes irão dizer, mas é preciso ter um pouco de paciência. A maioria dos testes de farmácia pode dar falso negativo quando o nível de hormônio ainda não atingiu a concentração de 100 mlU/ml (miliunidades por mililitro), bem no começo da gravidez. Nesses casos, pode-se repetir o teste depois de uma semana de atraso menstrual ou fazer o exame de sangue. 

Na avaliação qualitativa, que diz apenas se a gravidez é positiva ou negativa, os níveis precisam ser superiores a 25 mlU/ml. Já a avaliação quantitativa, também feita através de exame de sangue, detecta níveis de hCG a partir de 5 mlU/ml e ainda determina o período de gestação. 

Segundo Maria Rita de Souza Mesquita, esse teste pode detectar a gestação antes mesmo do atraso menstrual, aproximadamente dez dias depois da fecundação. 

Leia também:
Guia do Bebê mostra desafios e características de cada fase, dos zero aos 12 meses 
Efeitos da gravidez: isso é normal?

Como fazê-los?
Os testes de urina não têm segredo: é preciso estar atenta ao prazo de validade e seguir as indicações da bula. Alguns testes podem ser mais sensíveis que outros, chegando a detectar a gestação com um nível de hCG maior ou igual a 25mlU/ml. 

O exame de sangue deve ser feito em laboratório, por encaminhamento médico. Se estiver muito ansiosa para confirmar (ou descartar) a gestação, marque com o especialista de sua preferência. E só vá ao pronto-socorro se estiver passando por uma urgência, como sangramento.  

O que pode dar errado no teste?
O uso de alguns medicamentos para tratamento de fertilidade, assim como a presença de tumores específicos (como trofoblásticos, por exemplo) podem levar à identificação do hormônio sem que haja realmente uma gravidez. Porém, de acordo com Maria Rita de Souza Mesquita, esse tipo de caso é raro. E nenhum medicamento pode impedir o teste de detectar a presença de hCG no corpo.

Fontes: Eduardo Cordioli, Presidente da Comissão de Urgências em Obstetrícia da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo); Karina Zulli, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo; Maria Rita de Souza Mesquita, diretora da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de São Paulo (Sogesp); Fabio Muniz, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Cristóvão.

Veja ainda:
Você está preparada para ter o segundo filho?
Mãe e filha brincam de se maquiar

>>> Assine a newsletter do Delas , curta nossa página no Facebook e siga o @Delas noTwitter <<<

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.