Novo estudo americano aponta que muitas mães de crianças com sobrepeso subestimam o peso do filho, o que pode levar à oferta excessiva de alimentos

NYT

De acordo com estudo, quase 70% das mães foram imprecisas na avaliação do tamanho do filho
Thinkstock/Getty Images
De acordo com estudo, quase 70% das mães foram imprecisas na avaliação do tamanho do filho
"88% das mães de crianças com excesso de peso foram menos propensas a acertar o peso de seus filhos em comparação às mães de crianças com peso normal", escreveu a equipe liderada por Erin Hager, da University of Maryland School of Medicine.

Leia: Quando a fofura se torna um perigo

Para os pesquisadores, parte do problema é que uma criança mais gorda "é muitas vezes considerada como um sinal de sucesso dos pais, especialmente durante os primeiros anos, quando eles são responsáveis pela nutrição, saúde e atividades de seus filhos."

No geral, quase 70% das mães foram imprecisas na avaliação do tamanho do filho e quase 72% disseram estar "satisfeitas" com o tamanho da criança. Segundo os autores, as mães de crianças com peso normal ou sobrepeso foram mais aptas a dizer que estavam satisfeitas com o tamanho de seus filhos, em comparação às mães de crianças com baixo peso.

"Em conclusão, a maioria das mães que se disseram satisfeitas eram imprecisas em relação ao tamanho real do corpo do filho", escreveram os pesquisadores. Eles acreditam que mais estudos são necessários para ver se e como essas percepções errôneas influenciam o comportamento dos pais quando se trata de alimentação ou de incentivo à prática de exercício físico.

Leia: Exercícios físicos melhoram raciocínio matemático de crianças com sobrepeso 

Um especialista considerou o estudo "instrutivo". Escrevendo em um editorial de acompanhamento, a médica Eliana M. Perrin, da University of North Carolina em Chapel Hill, disse que a pesquisa sugere que "os pais com percepções precisas de peso têm maior disponibilidade para enxergar a necessidade de mudanças na rotina nutricional e comportamental dos filhos e de colocá-las em prática."

"Nós provavelmente precisaremos de uma campanha de saúde pública que nos permita visualizar o tamanho das crianças com peso saudável. Eu imagino cartazes com  fotografias de crianças de todas as idades dentro de uma faixa de peso normal dizendo: ‘O meu peso é saudável!’. Este tipo de campanha pode ajudar os pais a enxergarem ondulações saudáveis ​​de peso", Perrin sugeriu.

O estudo está na edição de maio da revista “Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine” e incluiu 281 pares de mãe e criança. As crianças tinham, em média, pouco menos de dois anos de idade e as mães tinham idades entre 18 e 46 anos. Cerca de 72% das mães estavam acima do peso. 

Veja mais:

Alimentação e nutrição: crianças saudáveis e pais contentes

10 erros dos pais na alimentação dos filhos

11 truques para seu filho comer melhor

Alimentação sólida tardia pode diminuir obesidade

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.