Depoimento: “Não me considero menos mãe por ter optado pela cesárea”

Tatiana Paschoalette Bachur, de 36 anos, conta como foi o nascimento da filha Mirela, hoje com dois anos e cinco meses

Renata Losso - especial para o iG São Paulo

“Quando engravidei, o que sempre importou para mim era que a minha filha nascesse bem. Portanto, nunca fui militante de nenhum dos lados, mas quando comecei a colocar na balança o que seria melhor, a cesárea ficou em primeiro lugar. Já tinha escutado histórias de mulheres que optaram pelo parto normal e na hora H, por diferentes complicações ou por não aguentarem a dor, tiveram que optar pela cesárea. Eu, que ainda demorei a engravidar, não queria colocar a vida da minha filha em risco. E marcamos a data de acordo com o número de semanas da gravidez.

Arquivo pessoal
Tatiana com Mirela após a cesárea: "o importante era que ela nascesse bem"


Leia também

Depoimento sobre parto normal: “é tocante contribuir para o bebê nascer”

Depoimento sobre parto natural: “você se sente como um bicho mesmo”

Conheça os principais tipos de parto 

Eu estava com cerca de 35 semanas quando comecei a sentir algo estranho que era como uma vontade de ir ao banheiro sem ter realmente a necessidade de ir. Não tinha dor nem nada, mas minha médica disse que eram contrações. Com isso, ela me sugeriu um inibidor por alguns dias e pensamos no dia para a cesárea.

Teve até um significado: foi na data em que eu e meu marido nos conhecemos, três de dezembro. Além disso, a Mirela nasceu em uma quinta-feira e muitas pessoas da minha família nasceram em uma quinta-feira. Mas escolhemos porque acabou coincidindo. 

No dia, acordei e tomei café da manhã tranquilamente. Depois disso, fiquei seis horas de jejum. Mas nem era um problema: eu estava tão ansiosa que até perdi o apetite! Entrei no hospital ao meio-dia e a Mirela veio ao mundo às 15h36. Nem senti a anestesia – era algo que eu temia um pouco por ter pressão alta e estar acima do peso. Mas fiquei bem tranquila conversando com os médicos enquanto já tinha um pano branco bem diante dos meus olhos.

Arquivo pessoal
Mirela na hora do nascimento: mãe optou por cesárea preocupada com a segurança dela e do bebê
A minha barriga já estava aberta. Quando a médica estava prestes a tirar a Mirela de dentro de mim, fui questionada se eu queria vê-la nascendo. Porém, como eu estava bem, tive medo de me deparar com aquela cena e me emocionar a ponto de algum imprevisto surgir. Tive medo que minha reação pudesse dar um pico de pressão e fui bem consciente nesse momento.

Nisso, o pai viu: ela nasceu e chorou, foi enrolada em um pano e a vi. Pareceu que, quando ela chegou mais perto, parou de chorar na mesma hora. Logo ela foi para o berçário com o pai, que ficou o tempo inteiro com ela. Eu brinco que eu a gerei por nove meses para ele ter os primeiros cuidados com ela. 

Depois disso, fui sedada por um período de umas duas horas para ser colada – nem tive que levar pontos, minha cicatriz é quase imperceptível – e voltei para o quarto. Logo depois a Mirela chegou com vontade de mamar e veio direito para o peito.

Com 24 horas da entrada no hospital eu já podia ser liberada, mas acabei ficando um pouco mais para receber as dicas sobre os cuidados sobre amamentação, banho e outros toques que a equipe de enfermagem nos deu.

Eu costumo dizer que, se eu senti alguma dor, a preocupação com a Mirela deixou essa dor de lado.

A recuperação pós-parto foi muito tranquila. Eu costumo dizer que, se eu senti alguma dor, a preocupação com a Mirela deixou essa dor de lado. Para mim, não foi nenhum bicho de sete cabeças. 

Eu faria cesárea novamente, mas adiaria um pouquinho a data para o nascimento do bebê. Não realmente até estourar a bolsa, mas o máximo que puder. Eu marquei para ela nascer com 38 semanas e quatro dias e, assim que ela nasceu, a neonatologista disse que pode haver uma variação pelo que se vê nos exames e a Mirela nasceu mesmo com 37 semanas e um dia. Se eu tivesse marcado dois dias antes, ela teria nascido prematura. Felizmente tudo correu bem. Mas eu esperaria mais uma semana, por exemplo, se soubesse disso antes. 

Eu acredito que mãe, para ser mãe, não precisa necessariamente sentir a dor do parto. Se isso fosse verdade, a adoção não seria um ato tão lindo. Por isso, não me considero menos mãe por ter optado pela cesárea.  Preferi não colocar as nossas vidas em risco, nem a minha e nem a da Mirela, e sou muito feliz por isso. 

(Depoimento a Renata Losso, especial para o iG São Paulo)

Leia também
Guia do Bebê: desafios e características dos zero aos 12 meses
Gravidez Semana a Semana: as mudanças em seu corpo e o desenvolvimento do seu bebê

Leia tudo sobre: diadasmaespartocesáreacesarianamaternidade

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG