O casal mais badalado de Hollywood encara a vida real com maturidade

Brangelina: em busca do final feliz
Getty Images
Brangelina: em busca do final feliz
Notícias sobre a crise no casamento de Angelina Jolie e Brad Pitt proliferam na mídia há mais de um ano. Apesar disso, os atores surgiram juntos recentemente, durante uma premiação, em clima de harmonia. Mentira ou golpe de marketing? A reposta pode ser mais simples e desprovida de glamour: eles estão tentando.

Juntos há mais de cinco anos e pais de seis filhos, o casal “Brangelina” parece nadar contra a maré de relacionamentos frívolos que se desmancham diante da primeira dificuldade.

Segundo a terapeuta Magdalena Ramos, esse é um bom exemplo de pessoas que apostam no amor. Em contrapartida, percebe que a maioria dos casais estão desistindo rápido demais de seus relacionamentos.

"Homens e mulheres não estão batalhando por suas relações. Falta paciência e sobra intolerância”, analisa Magdalena, que exemplifica: “Lembra da tão comentada crise dos sete anos, já discutida amplamente por psicólogos e psicanalistas? Pois hoje ela bate à porta muito mais cedo: aos sete meses de união”.

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) comprovam a tendência apontada pela terapêuta: em 2006, foram registrados 162.244 divórcios no País. No ano seguinte, esse número pulou para 179.432 e, em 2008, chegou ao recorde de 188 mil.

Apesar dos obstáculos que fatalmente serão encontrados, se o casal sente que ainda há respeito, amor, cumplicidade e interesses em comum, é sinal de que vale a pena investir na relação. Muitas vezes, a ajuda de um profissional que conduza a conversa pode ajudar muito.

Magdalena Ramos e José Ângelo Gaiarsa, psiquiatra e autor do livro “Lições de Amor - Para Sobreviver ao Casamento” (Editora Ágora), pontuam três dicas eficientes para enfrentar as crises:

- Fique de olho no piloto automático: as pessoas podem estar no mesmo ambiente, mas não se olham na cara. Por isso, é importante acertar os gestos, o tom de voz e reavivar a feição. Não deixe a sua relação cair na “mesmice”;

- Sim. Conversar é mesmo preciso: intermináveis discussões de relacionamentos podem ser estagnastes. Por isso, entre numa conversa desarmada, reconheça os seus defeitos e proponha soluções; 

- Não compare sua vida com um filme: sempre que se pegar sonhando com um amor igual ao que viu naquela comédia romântica, lembre-se de que uma relação bacana não vem pronta. Ela precisa ser construída diariamente, com muita paciência. Não é à toa que os filmes acabam tão logo o casal decide ficar junto, ou seja, bem antes das discussões por causa da conta de luz, da educação dos filhos e da louça empilhando na pia.

    Leia tudo sobre: amor
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.