Receber críticas não é agradável, mas aprender com elas é fundamental para o crescimento pessoal

As reações diante de uma crítica podem variar. Tem gente que se irrita e fica na defensiva. Outros perdem o chão: o coração dispara e a sensação é de ter congelado por dentro. Há ainda os que ficam tristes e arrasados. Mas se as críticas têm poder de mexer com você, comemore. É sinal de maturidade emocional e de que você pode crescer com elas. Com base nas situações a seguir, escolha a alternativa que melhor representa sua reação:

É natural não se sentir feliz diante de uma crítica. “O que a gente mais deseja é ser perdoado pelos nossos erros e aceito com nossos defeitos”, afirma a psicoterapeuta Lúcia Rosenberg, que assina a coluna “Identidade Feminina” no Delas. Contudo, não aceitá-la pode ser um sinal de imaturidade emocional, que “borra a capacidade de entendimento”, de acordo com psiquiatra Paulo Quinet, membro da Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro.

Entre os motivos para lidar mal com as críticas, a insegurança para ser o mais recorrente. “Pessoas extremamente defensivas podem ter uma autoexigência muito elevada ou uma insegurança grande”, acredita Eliane Mary de Oliveira Falcone, terapeuta e professora de psicologia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Joio e trigo
Para extrair o que há de melhor das críticas é preciso aprender a separar as opiniões construtivas dos ataques pessoais. “Algumas delas são desoladoras e negativas. Temos que procurar críticas que nos ajudem a perceber o que sozinho não conseguiríamos”, diz Lúcia. Para a psicoterapeuta, nessa hora é possível filtrar as relações verdadeiras. Só os mais próximos têm coragem de dizer coisas desagradáveis com jeitinho e sinceridade. “Quem é criticado precisa entender as razões do outro e aprender a avaliar se aquilo faz sentido ou se é um exagero”, diz Eliane Mary, da UERJ.

É normal ficar chateado ou abatido também diante de críticas construtivas. “Mesmo se a pessoa ficar arrasada, e se imobilizar, ela vai pensar sobre aquilo”, diz Paulo Quinet, analista da sociedade psicanalítica do Rio de Janeiro. “A crítica pode vir para te tirar de uma prisão, porque os problemas conhecidos também te dão um certo conforto. A ferida velha você já conhece”, afirma Lúcia.

Abra o coração
Quem já percebeu os benefícios de ouvir uma crítica pode, mesmo assim, ter dificuldade em digeri-la. E se a reação emocional for muito forte (raiva, mágoa ou vontade de rebater), respirar fundo e não responder na hora ajudam a organizar as ideias. “Qualquer que seja a crítica, quem recebe deve ouvir, fazer perguntas, ter uma atenção genuína, antes de responder”, diz Eliane Mary. “Humildade é um bom caminho para se abrir a elas”, afirma Quinet. É essencial investir na autoestima: quem confia no seu taco não se abala e aproveita os comentários dos outros.

Se você está no papel de quem critica, há cuidados para tomar. “Você está falando algo negativo do outro, então seja gentil. Quem quer ser ouvido precisa cuidar do tom, do momento, da palavra certa”, diz Lúcia. Para Elane Mary, da UERJ, o crítico precisa ter o cuidado de não rotular a outra pessoa. “Deve levar em conta as emoções do outro. Empatia e compreensão também ajudam", diz.

Segundo a professora, estudos de empatia – a habilidade de se colocar no lugar do outro - mostram que a esse componente afetivo diminui o medo e a ansiedade do julgamento. Uma crítica pode não ser extremamente agradável, mas em uma coisa os especialistas concordam: o que realmente importante é saber o que fazer de positivo com ela.

Leia também:
Pequeno dicionário do comportamento
Melhore suas relações com uma comunicação eficiente
10 comportamentos insuportáveis no trabalho

TERMINOU ESSE TESTE? VISITE A PÁGINA DA MARATONA DE TESTES DE RELACIONAMENTOS E FAÇA OS OUTROS

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.