Sobreviver a um desastre ou a uma catástrofe pode ser o início de um longo processo de recuperação

selo

Simon Weston, militar, conseguiu escapar de um navio em chamas
BBC Brasil
Simon Weston, militar, conseguiu escapar de um navio em chamas
Em depoimentos à BBC, vítimas de experiências profundamente traumáticas, como atentados, acidentes de trem, bombardeios durante operações de guerra e tortura falaram dos mecanismos que desenvolveram para tentar superar o trauma e dar continuidade às suas vidas.

Troca de confidências, consumo de álcool, treinamento prévio, personalidade e reservas de força interior cumpriram papéis nas histórias relatadas.

Quando o álcool vira um refúgio
A inglesa Pam Warren, do condado de Berkshire, sobreviveu a um trágico acidente ferroviário na estação de Paddington, em Londres, em 1999, mas sofreu queimaduras graves no rosto e mãos.

Ela ficou conhecida na mídia como "a mulher da máscara", porque teve de usar uma máscara para tentar minimizar o número de cicatrizes em seu rosto durante o processo de recuperação.

Hoje, ela diz ter aprendido a viver com os efeitos físicos e psicológicos da experiência e faz campanha para tornar as ferrovias britânicas mais seguras.

Enquanto se recuperava das queimaduras, ela conheceu um outro sobrevivente, o militar Simon Weston. Durante a Guerra das Malvinas, o navio em que ele viajava foi atacado e Weston foi engolido por chamas.

Weston foi a primeira pessoa com quem Warren conseguiu trocar confidências. Ela confessou a ele, por exemplo, que estava bebendo muito para tentar esquecer seu trauma. Weston também lhe contou que procurou refúgio no álcool após ter sido atacado.

"Qualquer pessoa que tenha vivido um evento que muda para sempre sua vida, do luto a uma doença terminal, tudo isso traz um trauma imenso", ele diz.

"Para muitos de nós, o álcool é um refúgio. Um falso refúgio, porque é um refúgio destrutivo".  "Você quer se perder, quer ficar anestesiado".

"Quando fui filmado bebendo direto na garrafa, aquilo me chocou. Fiquei envergonhado, aquele não era eu".

Weston conta que a última coisa que viu antes de ficar completamente desfigurado foi uma erupção de fumaça e chamas no momento em que a bomba atingiu o navio.

"Guerra é isso", diz. "Não tem nada no manual que prepare você para estar à bordo de um navio como infantaria e ser atacado por um avião".

Personalidade e Treinamento
Em 1991, o piloto da Força Aérea britânica John Peters tornou-se refém de soldados iraquianos durante 47 dias. O Tornado que ele pilotava foi atingido por um míssil perto de Bagdá e o piloto foi retirado da aeronave em chamas.

Ele levou surras de cassetete, foi impedido de dormir e queimado com cigarros, ficou preso em uma solitária, sofreu ameaças de estupro coletivo e execução. Depois, foi exibido na televisão.

Peters diz que se recuperou da experiência a partir de uma combinação de personalidade e treinamento.

"Sou um piloto de aviões a jato, arrogante e superficial". "A pessoa que quer pilotar jatos tem um certo tipo de caráter", explica. "Passei dez anos me preparando para ir para a guerra".

"Fui capaz de conter o meu horror. Aquilo era o Iraque, era guerra, as circunstâncias eram anormais".

Peters conta que voltar à vida normal foi "fácil" para ele, apesar da grande repercussão que seu retorno teve na mídia britânica.

A importância da força interior
Entretanto, civis sem treinamento militar, como Tim Coulson, precisam contar com suas próprias reservas de força interior para manter a calma em momentos de crise.

Os ataques de 7 de julho de 2005 contra três estações de metrô e um ônibus em Londres deixaram 52 pessoas mortas.Junto com duas outras pessoas, Coulson arrombou a janela de um vagão do metrô para poder entrar e ajudar vítimas dos atentados. Ele viajava no vagão adjacente quando o trem, que saía da estação de Edgware Road, no centro de Londres, explodiu

Coulson teve tempo de salvar a vida de uma auxiliar de escritório australiana, Alison Sayer. O empresário Michael "Stan" Brewster, no entanto, morreu nos seus braços.

Ex-professor da cidade de Henley-on-Thames, Coulson diz que não se sente "heroico".  "Senti que era importante confortar Stan da maneira que fosse possível e assegurar algo em que acredito verdadeiramente: ninguém deve morrer sozinho".

"Quando auxiliava Alison, estava determinado a não deixar que ela morresse".

Tanto Tim Coulson quanto Pam Warren falam da "estranha calma" que sentiram logo após os acontecimentos.

"Havia um reconhecimento de que não sabíamos o que tinha acontecido conosco mas precisávamos trabalhar juntos por algo melhor. Havia uma paz muito marcante naquele momento", disse Coulson.

Warren concorda. "Uma coisa que lembro do acidente foi quão calmos todos estavam, calmos e solícitos".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.