Jeanette lutou contra um câncer de mama há 6 anos e venceu a doença. Hoje tem rotina de modelo e vida social intensa

Nem sempre as heranças são boas, especialmente se estiverem relacionadas a doenças. A advogada Jeanette Polmon, 65, entendeu o recado e quebrou um ciclo que se arrastava na família: sua mãe morreu aos 65 anos de câncer de mama e tias sofreram do mesmo problema. Com 59 anos, descobriu que era a bola da vez. E, como se pode imaginar, enfrentou uma barra.

“Eu trabalhava no Ministério da Saúde e tive o resultado do exame no dia do aniversário de um ano da minha neta, foi um drama”, conta. “Operei, fiz radioterapia e todo acompanhamento médico necessário. A ficha caiu quando a terapia acabou porque tinha parado de trabalhar, e então me via em casa sem fazer nada”. Apenas quatro meses depois da operação, no entanto, teria muita coisa para pensar. Passeando com o marido, foi parada por uma socialite.

Leia também:
- Vida nova na terceira idade: campeão de patinação aos 70
- Vida nova na terceira idade: ele casou de novo após 28 anos viúvo

Ela não descuida do visual: unhas, cabelo, maquiagem e muito mais
Arquivo pessoal
Ela não descuida do visual: unhas, cabelo, maquiagem e muito mais
“Ela me perguntou se eu já tinha sido manequim e eu respondi que não”, conta. “Ela insistiu, disse que eu era alta, que eu deveria fazer um curso”. Jeanette não levou o papo muito a sério, mas entregou seu telefone. Após quatro meses, a secretária de Eduardo Araujo, professor de modelos e manequins da maturidade e produtor visual, entrou em contato porque um curso teria início e gostariam de saber se ela tinha interesse em participar. “Fui e me identifiquei muito com ele e com as alunas. Fiquei tão deslumbrada, tão feliz. Logo no primeiro desfile já me chamaram para outros!”. Depois de ter passado o que passou, a experiência levantou sua autoestima de forma significativa. “Fiz outro curso com ele, e as solicitações para eu desfilar foram aumentando, até que fui eleita a Rainha da Maturidade”.

Marido orgulhoso
Olhando para Jeanette hoje, é possível pensar que ela sempre foi vaidosa porque exibe uma pele de causar inveja a muita gente jovem. Mas, na verdade, esta consciência chegou realmente depois dos 60. “Não me achava feia, mas nunca atinei que chegaria na idade que estou com pessoas me parando na rua para dizer que sou bonita. Às vezes estou em uma loja, no mercado, e as pessoas perguntam se eu fui manequim. Eu falo que não fui, mas que sou”, brinca ela. “A gente quando é moça não dá muito valor para a beleza natural. Há uma rotina e a ficha cai apenas com 55, 60 anos, quando passamos a nos cuidar mais”. Hoje a nova profissão exige que ela se arrume, mantenha a unha, o cabelo, pele e corpo em ordem.

Para Jeanette, este tipo de experiência é capaz de prolongar a vida. “Fiz amizades maravilhosas que eu nem imaginava fazer com mais idade, amizades leais, sinceras”, vibra a modelo, cuja vida social vai muito além dos desfiles que realiza. “Viajamos muito. Já não tenho tempo para mais nada”. O marido aplaude, sim senhor. Mesmo quando ela desfila de lingerie, body ou roupa decotada.

Para ela, o segredo e a beleza de tudo está no astral. “As mulheres não podem desistir. A vida é linda. Você deve sorrir para tudo porque sempre tem alguma coisa no ar que vai pintar para animar, levantar você, te fazer feliz”, ressalta. “É importante sempre estar fazendo o bem, desejando o bem, porque com isso você recebe o dobro. É gratificante”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.