Sua produtividade no trabalho está baixa? Talvez seja porque a empresa para a qual trabalha não satisfaz suas necessidades

Thinkstock
Segundo pesquisadores, infelicidade no trabalho é sinônimo de baixo desempenho
Chefes controladores que usam ameaças como meio motivacional e empresas que não valorizam seus funcionários frustram algumas das necessidades básicas das pessoas: autonomia, valorização da própria competência e um bom relacionamento com o próximo. É isso que sugere um estudo da Universidade Francois Rabelais, na França, publicado esta semana no “ Journal of Business and Psychology ”.

O modo como a pessoa se sente no trabalho é responsável por mais de 25% da diferença nas taxas de desempenho entre os funcionários, explica o Dr. Nicolas Gillet, principal responsável pelo levantamento.

CURTA A PÁGINA DO DELAS NO FACEBOOK E SIGA O @DELAS NO TWITTER

Segundo Gillet, o bem-estar no trabalho pode ter grande impacto econômico e social, o que justifica o aumento de pesquisas na área.

Participaram do estudo 1.118 mil funcionários de empresas pequenas, médias e grandes. Todos tiveram que responder a questionários, perguntando o que eles achavam sobre a forma de agir de seus superiores e quanto apoio eles recebiam da empresa.

Quanto mais apoio os entrevistados sentiam ter, mais satisfeitos e felizes eles declaravam estar. Aqueles que achavam que seus chefes eram coercivos, autoritários ou pressionavam muito sentiam que suas expectativas não estavam sendo atendidas, e isso os deixava com níveis baixos de bem-estar.

“Para manter seus funcionários felizes e satisfeitos, os superiores devem oferecer opções em vez de  ameaças e prazos. A mudança de estratégia pode melhorar significativamente o bem-estar dentro da companhia”, concluiu o pesquisador. E, a julgar pelo estudo do Dr. Nicolas Gillet, a produtividade também.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.