Elas compram presentes, colecionam rosas e fazem de tudo para chegar perto do ídolo – até viajar em um cruzeiro com Roberto Carlos

“É bom dormirmos sob o mesmo teto”, diz Roberto Carlos no início do seu primeiro show de 2010. A declaração arranca suspiros e gritos da platéia a bordo do cruzeiro “Emoções em Alto Mar”, que percorreu o litoral de São Paulo e Rio de Janeiro entre 30 de janeiro e o início de fevereiro. Com mais de três mil passageiros, o navio reúne uma amostra expressiva de fãs do cantor, que pagaram entre US$ 1.350 e US$ 3.750 para viajar por quatro dias na mesma embarcação que o ídolo.

Roberto, no final do show, se veste de capitão e distribui rosas para a plateia, que disputa o pequeno espaço em torno do palco. Ali ficam algumas “Robertetes”, com presentes nas mãos: almofadas, caixas, faixas, retratos, santinhos, bonecos, cartas, camisetas. Todos os esforços são válidos para chamar a atenção do ídolo, ganhar uma flor e ter alguma chance de ser chamada ao camarim.

Como ser notada

Fã de Roberto Carlos desde os 12 anos, a paraibana Diva Bronzeado, 52 anos, foi uma das poucas selecionadas para tirar uma foto com o ídolo nos bastidores. Ela levou ao show um pôster de coração feito em material de pelúcia com os dizeres “Quero ver você de perto no camarim”. Entre as maiores loucuras que já fez pelo Rei, ela conta que comprou três óculos da grife Roberto Cavalli por R$ 2.500, porque eles trazem as letras “RC” na haste.

Este ano Márcia Fernandes, 62 anos, fez um boneco em miniatura de Roberto Carlos. Em cada show leva um presente diferente para o Rei: “Já dei até uma blusa da marca Lacoste”, conta. “Chorei por três dias quando não pude ir ao camarim no show em Brasília”, completa.

Também para chamar a atenção, Maria Inês Martins, 63 anos, foi ao show vestida toda de azul, com broches e óculos que acendiam luzes, além de luvas e tranças artificiais no cabelo. A fã conta que já foi recebida por Roberto na casa dele, depois de fazer plantão por horas no local e derramar muitas lágrimas.

Roberto Carlos, aos 68 anos, encanta mulheres de todas as idades. Elas saem de diferentes estados do Brasil para viajar no cruzeiro - algumas já fizeram a mesma viagem seis vezes, desde que o navio temático foi criado.

Camisetas, faixas e coleções

Veteranas do cruzeiro, as amigas Maria Lucia Rodrigues Azevedo, 66 anos, e Maria Aparecida Araújo, 61 anos, de Minas Gerais, usam camisetas com mensagens para Roberto. Na mala, Maria Lúcia colocou revistas antigas com reportagens sobre o cantor e a faixa: “Há 46 anos você é um detalhe na minha vida” - seu amor pelo Rei começou em 1963 quando ela trabalhava em uma loja de discos. Maria Aparecida levou na bagagem uma cópia da certidão de nascimento do cantor. As duas amigas colecionam as rosas que pegam nos shows, depois de desidratá-las.

As amigas Marilu Quartin Cruz, 58 anos, e Maria Vitória dos Santos Avino, 56 anos, fizeram camisetas personalizadas com a marca “RC” bordada com lantejoulas – e distribuíram para outras fãs no navio. Maria é psicóloga, mas diz que “a cabeça não está bem. Só tem Roberto Carlos”. Marilu garante que tem um saco de rosas guardado em casa – troféu que ela pede que seja enterrado com ela.

Aventuras de fãs

Chegar mais perto de Roberto é o objetivo das fãs. Jucelma Maru, 44 anos, professora, chegou a se esconder no estacionamento do hotel de Roberto Carlos para encontrar com ele depois de um show em Pelotas (RS). “Me hospedei no mesmo hotel. Quando vi um movimento, desci para a garagem e fiquei atrás dos carros”, conta. A façanha rendeu fotos e é relatada com orgulho pelas amigas reunidas na entrada do camarim. O grupo, de Porto Alegre, chegou a viajar para 11 shows em 2009.

Maria do Carmo Freitas foi de Macapá até Santos para embarcar no cruzeiro. Para ela todo esforço é válido para chegar aos shows de Roberto. Hoje com 58 anos, a funcionária pública leva a filha de 29 aos shows – a mesma que levou na barriga aos oito meses de gravidez. Aliás, o nascimento dos filhos nunca foi impedimento para ela ficar longe do Rei. Cinco dias depois da cesariana do segundo filho, Maria já estava no show.

E as “Robertetes” já estão guardando dinheiro para viajar a Nova York, onde Roberto Carlos fará uma das apresentações de sua turnê internacional em 2010. Difícil será embarcar com todas as faixas, presentes e acessórios.

Como identificar uma “Robertete”:

- Coleciona revistas, velas, camisetas e o que mais encontrar com fotos do ídolo

- Disputam com a multidão as rosas distribuídas ao final de cada show - e colecionam

- Assiste a vários shows em uma mesma temporada e decoram as falas do cantor entre as músicas

- Compartilha com a família o gosto por Roberto Carlos: maridos e filhos escutam as músicas e até pagam viagens para os shows

- Leva faixas ou presentes para o show

- Tem dezenas de discos, CDs e DVDs

* A repórter Julia Reis viajou a convite do projeto "Emoções em Alto Mar"

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.