Um novo estudo aponta que o velho ditado está certo: uma boa noite de sono ajuda a resolver problemas e tomar decisões

Uma pesquisa da University of Massachussetts indica que resolvemos problemas melhor depois de uma boa noite de sono
Getty Images
Uma pesquisa da University of Massachussetts indica que resolvemos problemas melhor depois de uma boa noite de sono
Tem uma grande decisão para tomar e planejar seguir o ditado que diz que “o travesseiro é o melhor conselheiro”? Neste caso, a ciência concorda com a cultura popular: um novo estudo norte-americano aponta que essa costuma ser uma boa idéia.

Leia também:
"Sono de beleza" não é mito, diz estudo
Teste: qual é o seu estilo de sono?
Postura perfeita na cama

A pesquisa publicada no Journal of Sleep Research descobriu que os voluntários que participaram do estudo aprendiam melhor um novo jogo se dormissem depois. Isso não prova que dormir ajuda a aprender, mas acrescenta evidências de que seu cérebro não fica apenas descansando e sonhando durante o sono, diz a coautora do estudo Rebecca Spencer, professora-assistente na University of Massachusetts.

O cérebro aparentemente revê os eventos do dia e os processa, diz ela. “Você coloca um filme e o reprisa. Isso significa que o sono realmente acrescenta algo, e que não devemos necessariamente seguir nossos instintos, e sim “ouvir o travesseiro””, afirma.

Pode parecer óbvio que as pessoas realizem uma tarefa melhor depois de um bom sono. Mas Spencer que o diferencial do estudo é o fato de que analisou pessoas que tiveram a breve chance de aprender alguma coisa e, em seguida, dormiram ou ficaram acordadas. Os demais estudos até agora se concentraram na memória e no que acontece quando as pessoas não dormem o suficiente. “Tudo desmorona quando você não dorme”, diz a pesquisadora.

Leia também:
Conselhos são arriscados para quem ouve e para quem dá
Quer mudar algo na sua vida? Então tome uma atitude
Autoestima exige vigília constante

No estudo, pesquisadores dividiram 54 estudantes entre 18 e 23 anos em dois grupos. Um grupo aprendeu um jogo de apostas de manhã, o outro, no fim do dia. Nenhum dos dois grupos aprendeu o truque para vencer o jogo. Doze horas depois, eles tinham que voltar para jogar.

Aqueles que jogaram no fim do dia e, portanto, puderam ter uma boa noite de sono antes de voltar para jogar, se saíram bem melhor na hora de descobrir o truque para vencer o jogo – 80% desse grupo conseguiram adivinhar, contra 40% dos que não dormiram antes.
Os pesquisadores repetiram a experiência com outros grupos de estudantes, e descobriram que a hora do dia em que aprendiam o jogo não afetava sua performance, alimentando a hipótese de que o sono era o fator crucial.

Mas o que acontece? O cérebro parece processar o que aprendemos durante o sono, Spencer said. "O cérebro está arquivando tudo. E, quando você arquiva, não está só colocando na gaveta. Está de fato organizando, colocando próximo a coisas que fazem sentido.”

Leia também:
Teste: você sabe dizer não?
Quando voltar ao trabalho é motivo de doença
O que fazer se eu odeio o meu trabalho?

O pesquisador do sono Michael P. Stryker, professor da University of California em São Francisco, diz que o estudo tem uma limitação importante. “Será que a diferença está mesmo no fato de o sono permitir que encontremos solução para os problemas, ou é ficar acordado por doze horas que dificulta isso?” Mas, para o colega pesquisador Michael Anch, professor-associado na Saint Louis University, o estudo "enfatiza a crescente consciência da importância do sono para um funcionamento cognitivo ideal”."

"Este estudo é consistente com outras descobertas que sugerem que dormir permite que você integre novas informações de várias regiões do cérebro, o que não é permitido por decisões instantâneas”, diz Anch said. "Isso dá embasamento à noção de que, se você tem uma decisão para tomar, é melhor consultar o travesseiro”.

E mais:
Uma coisa nova todos os dias
Após 10 anos em abrigo, jovem adota a irmã
Pronta para o biquíni? E quem está julgando?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.