De acordo com o amplo estudo, "dinheiro leva à autonomia, mas sozinho não acrescenta ao bem-estar ou felicidade”

Liberdade é um valor social muito mais importante para a felicidade do que a riqueza
Getty Images
Liberdade é um valor social muito mais importante para a felicidade do que a riqueza
Independência pessoal e liberdade são mais importantes para o bem-estar do que riqueza. É o que conclui uma nova pesquisa realizada pela Victoria University of Wellington, na Nova Zelândia, que analisou os dados de três estudos compreendendo entrevistas de mais de 420 mil pessoas em 63 países, ao longo de quase 40 anos.

Sua descoberta-chave: "Dinheiro leva à autonomia, mas sozinho não acrescenta ao bem-estar ou felicidade”. Mesmo que a autonomia seja parte importante da felicidade, não é possível estabelecer uma relação direta entre o dinheiro e o resultado final.



Leia mais sobre felicidade:
É possível escolher ser feliz?
Dinheiro pode não comprar felicidade, mas ajuda
Livro oferece projeto de felicidade
Pessoas com boas lembranças são mais felizes no presente
Saber jogar as coisas fora faz bem

Os estudos analisaram dados de três testes psicológicos conhecidos dos terapeutas: o questionário de saúde geral - que mede ansiedade, insônia, problemas sociais, depressão severa e sintomas físicos de problemas mentais, como dores de cabeça inexplicadas e dores de estômago -, o teste de Spielberger, que avalia a ansiedade naquele momento, e o Maslach Burnout Inventory, que diagnostica exaustão emocional, despersonalização e falta de conquista pessoal.

A análise revelou “uma descoberta robusta e consistente de que os valores sociais de liberdade e autonomia são os melhores indícios de bem-estar”, segundo os psicólogos Ronald Fischer e Diana Boer. “Além disso, se riqueza fosse um indício por si só, esse efeito desapareceria quando o individualismo chegasse”, acrescentaram. "Nossas descobertas promovem um insight no bem-estar em um nível social”, concluíram.

E mais:
É só tristeza
Um milhão de desabafos por ano
Conselhos são arriscados para quem ouve e para quem dá

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.