Medo de ser "traído" por sistemas que oferecem riscos, ainda que mínimos, pode fazer com as pessoas façam escolhas pouco racionais

Uma nova pesquisa norte-americana indica que as emoções podem atrapalhar a tomada de decisões racionais sobre o uso de dispositivos de segurança - como airbags, vacinas e detectores de fumaça. Pesquisadores constataram que as pessoas podem sentir-se traídas ao descobrir que determinado produto de segurança pode oferecer certos riscos. “Infelizmente, em alguns casos as vacinas podem causar doenças, assim como os airbags podem causar danos ou mesmo a morte. Mas não é porque estes dispositivos não são perfeitos que o consumidor deve rejeitá-los instantaneamente”, diz Andrew D. Gershoff, da Universidade do Texas, que assina o estudo junto com Jonathan K. Koehler, da Escola de Medicina da Northwestern University.

Veja também:
- Adaptações em casa ajudam a garantir velhice saudável
- Aprenda a usar e instalar as cadeirinhas
- 18% das mães permitem que filhos andem no banco da frente

Para o estudo, que será publicado no Journal of Consumer Research, voluntários tiveram de escolher entre dois carros. Um deles tinha um airbag com menores chances de salvar a vida do motorista no caso de um acidente grave, enquanto o outro tinha um airbag com maiores chances de salvar a vida do motorista – mas com um risco bem pequeno de causar a morte.

A maioria dos participantes não optou pelo carro cujo airbag oferecia chances, mesmo que remotas, de causar danos – mesmo que, com a escolha, eles tivessem maior probabilidade de serem feridos em um acidente.

“As descobertas mostram que as pessoas têm reações emocionais fortes quando dispositivos de segurança oferecem algum risco, mesmo que pequeno, de traí-los. Então, ao invés de pesar os danos e os benefícios, elas simplesmente rejeitam essas opções instantaneamente, mesmo que a escolha seja pior para elas”.

Os pesquisadores também constataram que os participantes poderiam estar influenciados a fazer escolhas mais seguras se tivessem de fazê-las para outras pessoas – e não para eles próprios.

Tradução: Claudia Batista Arantes

Veja também:
- Deixe a casa segura antes de viajar
- Como monitorar e proteger sua casa a distância
 - Prepare sua casa para cães e gatos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.