A nutricionista Eline, 34 anos, ganhou seu primeiro filho, Pedro, ontem no Rio de Janeiro: "é meu primeiro dia das mães na função"

Em nome das conquistas profissionais, a maternidade tem demorado um pouco a se tornar realidade na vida de muitas mulheres. Ser mãe só depois dos 30 anos está cada vez mais comum nas famílias de classe média, que antes querem se estabelecer profissionalmente.

A nutricionista Eline Lopes Coimbra, de 34 anos, é um exemplo. Mas sua estreia no papel de mãe veio em boa hora. “Foi no momento certo. Me sinto segura o bastante para essa jornada. Não sou daquelas mães de primeira viagem que ficam todas ansiosas, não. Acho que vou tirar de letra”, diz, enquanto olha Pedro Henrique Coimbra da Silva, que nasceu na véspera do dia das mães, na tarde de sábado, dia 08, na Clínica São José, no Rio de Janeiro.

Pedro nasceu de cesariana, com 51 cm e 3,350 Kg. “É claro que pensei em ter parto normal. Mas como o neném estava bem grandinho, minha obstetra me aconselhou a partirmos logo para a cesariana. Além disso, o cordão umbilical estava enrolado nele. Não teria jeito, mesmo”, explica Eline ao lado do marido, o analista de sistemas Marcelo Costa Silva, de 37 anos, que assim como Eline, não tirava os olhos do filho. “Estou coruja, mesmo. Admito. É uma emoção que a gente só entende quando acontece”, comentou Marcelo.

Em seu primeiro dia das mães na “função”, como brinca ela, já está uma noite em claro: “Ele nasceu, foi para o berçário e horas depois veio para o quarto ficar com a gente. Mamava uns 40 minutos, dormia e 20 minutos depois, acordava com um chorinho gostoso”, explica. Foi deste jeito a noite toda. Mesmo assim, a mamãe de primeira viagem recebeu o iG com serenidade e muito bom humor: “Estou tão feliz que nem sei explicar direito o que estou sentindo. Só sei que agora entendo minha mãe melhor do que nunca”, diz Eline homenageando também sua própria mãe, Verônica Coimbra, de 54 anos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.