Nome, emprego, família, médico: como os transexuais lidam com obstáculos do cotidiano

Todos os anos, a professora Marina sacia a curiosidade de sua nova turma de alunos, e explica, ano após ano, que não nasceu mulher. Quando assina artigos acadêmicos, é obrigada a ser outra pessoa – o homem que deixou de ser há dez anos é quem assina as teses. O jovem Marcelo teve certeza de que não era mulher no dia em que teve que se enfiar em um vestido para a formatura do ensino médio. Carla abandonou a escola por causa da discriminação, e foram necessários 17 litros de silicone para ela ter certeza de que finalmente convencera as pessoas de quem ela é.

Matar aos poucos uma identidade na qual você não se reconhece e deixar vir à tona quem você realmente é: é assim o processo de transformação na vida de um transexual. Envolve detalhes simples como um uma peça de roupa diferente até transformações profundas e às vezes difíceis para família e amigos assimilarem, como a mudança de nome.

Conheça a as histórias de três transexuais que contam como foi sair do armário, o que mudou na rotina e na relação com os outros depois que assumiram sua a identidade de gênero.

- Marina, a nova professora
- “Vai buscar suas calcinhas no varal”
- Depois do silicone, acabou a dúvida




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.