Site recolhe assinaturas para petição e disponibiliza dados que traçam panorama assustador sobre a violência contra a mulher

Website da campanha End It Now no Brasil
Reprodução
Website da campanha End It Now no Brasil
"Em todo o mundo, quatro a cada cinco vítimas de tráfico de pessoas são mulheres e meninas. 40% das mulheres na África do Sul disseram que sua primeira experiência sexual não foi consensual. O estupro é usado como uma arma na República Democrática do Congo. 22% das mulheres nos Estados Unidos sofreram abuso físico de seus parceiros".

Diante desses dados, a Igreja Adventista decidiu criar a campanha End It Now (Pare Agora) de combate à violência contra a mulher. Lançada internacionalmente em outubro de 2009, a campanha começou oficialmente no Brasil no último dia 20.

A violência contra a mulher se manifesta de formas diferentes pelo mundo. Na Ásia, Oriente Médio e África, ainda são comuns os casamentos infantis e a mutilação genital feminina . Abusos físicos e psicológicos, violência doméstica e exploração estão presentes em quase todos os países. A intenção da comunidade adventista é abrir os olhos da população - religiosa ou não - para o problema. E chegar à marca de um milhão de assinaturas, colhidas em 200 países, para uma petição endereçada à Organização das Nações Unidas pedindo a implantação de políticas de combate à violência contra as mulheres.

As assinaturas são recebidas tanto pelo site da campanha como de forma presencial, em eventos e ações. O site também disponibiliza guias para implementar a campanha, material de divulgação e um arquivo com dados que ajudam a dimensionar o problema da violência contra a mulher em todo o mundo. Confira alguns abaixo:

"Em um estudo de dez países conduzido pela Organização Mundial da Saúde, mais de 50% das mulheres em Bangladesh, Etiópia, Peru e Tanzânia relataram ter experimentado abuso físico ou sexual por um parceiro íntimo.

Num estudo clássico baseado num Banco de Dados Mundiais, o estupro e a violência doméstica foram considerados causas maiores de morte e deficiência em mulheres que o câncer, acidentes automobilísticos, guerra e malária em mulheres de 15 a 44 anos.

De acordo com um estudo da Organização Mundial da Saúde, 30% das mulheres no Reino Unido sofreram abuso físico.

Uma em cada cinco mulheres se tornará vítima de estupro ou tentativa de estupro em sua vida. (Ficha descritiva da UNIFEM - Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher).

Pelo menos metade de todas as pessoas traficadas por fronteiras internacionais são crianças. (Departamento de Estado dos EUA)

Estima-se que entre 100 e 140 milhões de meninas e mulheres em todo o mundo foram vítimas de mutilação genital".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.