Com o slogan “Fumar é ser escravo do tabaco”, nova campanha contra o cigarro escandaliza associações feministas

Campanha antifumo vincula sexo oral forçado por adulto à dependência do cigarro
Divulgação/Droits de Non Fumeurs
Campanha antifumo vincula sexo oral forçado por adulto à dependência do cigarro
Uma nova campanha francesa contra o tabaco está causando exaltação entre membros de diferentes associações do país. Com o objetivo de atingir os jovens, a campanha mostra adolescentes com um cigarro na boca numa posição que sugere a prática de sexo oral forçado por um adulto.

Associações em prol da família e das crianças e outras que lutam pelos direitos das mulheres acharam a proposta “escandalosa”. De acordo com a BBC Brasil, a presidente da associação feminista Chiennes de Garde, Florence Montreynaud, achou a conotação de violência sexual projetada pela campanha inadmissível. “É uma campanha sexista”, afirmou.

Com o slogan “Fumar é ser escravo do tabaco”, a campanha visa relacionar o fumo com a submissão. Lançada pela Associação Direitos dos Não Fumantes (DNF), as fotos da iniciativa relacionam o cigarro na boca dos adolescentes ao órgão sexual masculino. “Com o cigarro, somos submetidos à pior das submissões, à pior das escravidões. Procuramos a imagem chocante mais emblemática disso. A felação é o símbolo perfeito da submissão”, declarou Marco de La Fuente, vice-presidente da agência realizadora da campanha, a BDDP.

Diferentes associações ligadas à família, crianças e adolescentes se incomodaram com a possível interferência que estas imagens podem ocasionar em jovens vítimas de abuso sexual. No entanto, o presidente da Associação responsável pelo projeto, Gérard Audureau, informou que a relação da campanha antifumo com o sexo serve para chamar a atenção dos jovens, revelando que “não funciona mais dizer que o cigarro faz mal à saúde”. O índice de jovens fumantes na França cresceu 2%, entre 2008 e 2009, na faixa dos 17 anos, e 3% na faixa dos adolescentes de 14 anos. Por enquanto, nenhuma das associações tentou proibir a campanha na Justiça.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.