Conheça quem são as personalidades femininas que vão estar com tudo no próximo ano

Não há fórmulas ou segredos escondidos a sete chaves para ser uma profissional de sucesso. Mas, com certeza, uma boa dose de determinação e um pouco de jogo de cintura fazem a diferença na hora de despontar como uma profissional de sucesso. O Delas elegeu 10 mulheres que vão dar o que falar em 2010. Confira a nossa lista:

Mia Wasikowska: a Alice no País das Maravilhas

A atriz australiana Mia Wasikowska, de 20 anos, nasceu numa família de artistas: sua mãe é fotografa e seu pai é pintor. Em contato com a arte desde criança, Mia começou a praticar balé. “Costumava estudar intensamente. Quando tinha 14 anos, comecei a não gostar mais, não achava mais graça na perfeição extrema que o balé exigia. O que eu gosto na atuação é que se trata justamente da vida e de suas imperfeições”, disse a atriz para a revista Vogue Australiana.

Mia seguiu para os Estados Unidos em busca do sonho de ser atriz e obteve destaque em sua atuação na série da HBO “Em Terapia”. Recebeu muitos elogios e foi convidada para o filme “Um ato de Liberdade”, do diretor Edward Zwick.

Em 2010, Mia estreia como protagonista de “Alice no País das Maravilhas”, de Tim Burton. No elenco, Helena Bonham Carter, como a Rainha de Copas, Anne Hathaway, como rainha Branca, Johnny Depp, como o Chapeleiro Maluco, e Mia Wasikowska, como Alice. “Estou realmente empolgada. Quando consegui o papel, meus amigos disseram: ‘Finalmente, você fará algo divertido, não mais sobre almas feridas´”, declarou Mia.

Marina Silva: a voz da Amazônia

Em ano de eleições, uma mulher que terá um papel de protagonista é Marina Silva, senadora, que trocou recentemente o Partido dos Trabalhadores pelo Partido Verde, para uma possível candidatura para as eleições do ano que vem. “Uma mulher dirigindo o Brasil representará, de fato, uma mudança de paradigma político e de gestão, aí sim teremos uma enorme inovação. Só tenho receio de que se veja essa possível ascensão das mulheres apenas como uma troca de sinal com a cultura masculina, ou seja, ‘agora estamos no poder’, não é nada disso”, afirma a senadora.

Marina nasceu numa cidade chamada Breu Velho, a 70 km de Rio Branco, no Acre. Cortou seringueiras e plantou roçados para ajudar no orçamento familiar. Sem acesso à escola, aos 14 anos, ela só sabia o básico de matemática. Mais tarde, sem perder a motivação, formou-se em História pela Universidade Federal do Acre, em 1985. Como estudante, começou a ler Karl Marx e entrou para um grupo político clandestino, o Partido Revolucionário Comunista (PRC), que depois foi incorporado ao PT.

Companheira de Chico Mendes, ela fundou com ele a Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Acre e filiou-se ao PT, em 1986. “Desde quando me candidatei pela primeira vez, não o fiz para ser política, ou pretendendo uma carreira política. Naquele momento e nos demais que se seguiram, aquilo fazia sentido para alcançar os objetivos que eu e as pessoas que estavam na mesma luta queríamos. E continua sendo assim”, explica Marina.

Na política, ela se tornou uma grande defensora da Amazônia e já passou pelos cargos de vereadora de Rio Branco, deputada estadual e secretária nacional de Meio Ambiente do PT. Seu espírito ambientalista levou-a ao cargo de Ministra do Meio Ambiente, onde ela se tornou uma das principais vozes da Amazônia.

Os críticos dizem que a sua história se assemelha à de Lula, o que só saberemos nos resultados das eleições do ano que vem. “Não sinto que esteja me dispondo a uma candidatura apenas como mais um degrau em uma carreira política. Vejo como oportunidade única para milhões de pessoas que desejam um desenvolvimento mais avançado”, revela a senadora.

Candace Bushnell: escritora e personagem

“Sex and The City” representa a fórmula de sucesso da escritora Candace Bushnell. A autora de 50 anos, que já foi modelo e aspirante a atriz, ganhou fama pelo seu estilo de vida social em Nova York. Em 1994, começou a escrever uma coluna chamada “Sex and The City”, o sucesso foi tão grande que logo se tornou uma série de TV e, depois de alguns anos, filme.

Em algumas entrevistas, Candace já confessou que se via na personagem Carrie Bradshaw, interpretada por Sarah Jessica Parker. Em 2010, a escritora tem novidades em dose dupla: a estreia do segundo filme inspirado na série e seu novo livro, “The Carrie Diaries”.

Nessa obra, a autora revela os diários da protagonista da série, Carrie Bradshaw, durante a adolescência. “Tenha coragem de ser independente. Tenha coragem de desenvolver uma personalidade e ser uma pensadora autônoma”, declarou sobre a mensagem de seu novo trabalho ao jornal "The Huffington Post".

Bushnell não cria muitas expectativas sobre o livro, mas espera o melhor. “Acho que o objetivo é apenas escrever o melhor livro que eu puder”, completa.

Helena Rizzo: fome de experiências

Quando chegou a São Paulo, Helena Rizzo se dividiu profissionalmente em dois ambientes: a cozinha e os estúdios fotográficos. A gaúcha, de 28 anos, era modelo de campanhas publicitária e, na outra parte do tempo, trabalhava nas cozinhas de restaurantes renomados.

Depois de prestar consultorias e elaborar jantares particulares, Helena largou a profissão de modelo para buscar novas experiências na área gastronômica. “Até hoje desconfio se tenho mesmo ‘jeito’ ou ‘dom’ para a gastronomia. Mas, a paixão pela culinária, pelos alimentos e pela natureza, isso tenho certeza que sempre tive”, revela a chef de cozinha.

Aos 21 anos, abriu o “Na Mata Café”, junto com dois sócios e atuou como chef de cozinha por dois anos. Depois dessa experiência, Helena estagiou na Itália e na Espanha. Nessa época, conheceu Daniel Redondo, que hoje divide o comando do seu restaurante Maní, considerado um dos melhores de São Paulo.

Ela elabora pratos criativos, usa ingredientes bem brasileiros, raízes, ervas e vegetais orgânicos. Foi premiada pela revista "Veja" como a "chef do ano de 2009". Em 2010, os passageiros da companhia aérea TAM, que estiverem em voos internacionais, poderão sentir o gostinho da comida de Rizzo, que elaborou 500 opções de entradas, pratos principais e sobremesas, inspirados nos sabores e aromas dos chás. “Nunca fui de fazer muitos projetos. Vou sentindo e fazendo. Cultivo pensamentos e utopias e procuro regá-los no dia-a-dia”, afirma.

Dilma Rousseff: rumo às próximas eleições

Nada é oficial ainda, mas o burburinho político é de que Dilma Rousseff será a candidata do Partido dos Trabalhadores para as próximas eleições. Ela é um nome de peso ao lado do Presidente, que a considera uma das criadoras do Plano de Aceleração do Crescimento. “A Dilma é uma espécie de mãe do PAC. É ela que cobra, junto com o Márcio Fortes (ministro das Cidades), se as obras então andando”, afirmou Lula, em um discurso durante a inauguração de uma das obras do programa.

Dilma é mineira, tem 61 anos, e tem história: participou de movimentos de esquerda contra a ditadura e se tornou uma guerrilheira política na década de 70. Nesse período, foi torturada e ficou presa por três anos. Depois de passar alguns anos filiada ao PDT, ela se tornou, em 2001, petista, onde supervisionou a equipe de Infra-estrutura do Governo de Transição de Fernando Henrique Cardoso para o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Economista, Dilma já foi Ministra de Minas e Energia, de 2003 a 2005, e assumiu a Casa Civil em 2005.

Nada ainda é oficial sobre as eleições, mas Dilma já se tornou uma figura emblemática deste governo e sua ligação com o Presidente existe há muito tempo. “É uma conselheira que cresce a cada dia no conceito do presidente. Dilma é um dos maiores quadros do governo Lula. É séria e tem convicções, mas sabe ser flexível. Sempre foi muito estudiosa, concentrada e racional”, disse o tucano José Aníbal, ex-colega da Ministra em tempos de movimentos estudantil.

Com a credibilidade que criou durante seu período de atuação no governo Lula, tudo indica que seu nome estará estampado na campanha eleitoral do ano que vem.

Maurren Maggi: um salto em distância

Nascida em São Carlos, no interior de São Paulo, Maurren Maggi sempre teve o sonho de ser uma grande atleta. Ela revela que desde cedo quis ser esportista, mas de modalidades individuais, como o salto em distância, por não ter que depender de ninguém para ganhar ou perder.

Quando se fala em realização profissional, a resposta já está na ponta da língua: a conquista da medalha de ouro na Olimpíadas de Pequim, em 2008. “A medalha olímpica foi o momento mais marcante da minha vida, por tudo que aconteceu. Foi sensacional, a minha volta por cima”, afirma Maurren.

A atleta fala de sua volta por cima se referindo ao ano de 2003, em que detinha a melhor marca do salto em distância do mundo e foi pega no exame antidopping. Suspensa da Olimpíada de Atenas, em 2004, ela se afastou totalmente do atletismo. Em 2006, após o término da punição, resolveu treinar novamente e retornou aos Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro, garantindo a medalha de ouro. E, em 2008, conseguiu a grande conquista da medalha olímpica.

Em 2010, Maurren pretende voltar a ter grandes resultados em campeonatos internacionais e já está no ritmo de treinamento olímpico. Pretende chegar em plena forma física nas Olimpíadas de Londres. “Quero defender meu título em 2012, mas se ainda tiver condições físicas, estarei também nas olimpíadas de 2016, com 37 anos”, garante a atleta.

Beatriz Milhazes: uma mulher de cores e formas

Visitar uma exposição da artista Beatriz Milhazes é sinônimo de contato com cores vibrantes, formas diversificadas e uma criatividade rara. A pintora faz parte de um grupo de artistas chamados Geração 80, que, nessa década, resgataram a técnica tradicional do uso do óleo na tela.

A artista preza pela qualidade e não pela quantidade, ela produz menos de 10 obras por ano. “O meu processo criativo necessita de muito tempo de reflexão. Creio que a relação artista-obra tem que ser preservada para que a qualidade se mantenha intacta e crescente”, diz Milhazes.

Beatriz exerceu sua habilidade como pintora até 1996, quando começou a trabalhar com gravuras em screenprint, na Durham Press, Pensylvania. As colagens vieram em 2003, em seguida, ela fez seu primeiro projeto público na Inglaterra. Hoje, ela também desenvolve cenários para Cia. De Dança de sua irmã, Márcia Milhazes. “Inicialmente, a pintura nutria os outros projetos em um diálogo muito rico. Todas as diferenças de técnicas têm seus potenciais, todos te obrigam a uma mudança no conceito e desenho”, explica a artista.

Para 2010, a pintora vai trabalhar em uma exposição individual para a galeria de Londres Stephen Friedman. Em seguida, já começa a se dedicar à mostra institucional na Fondation Beyeler, na Suíça. E o melhor, para os fãs brasileiros, é que a curadoria do Museu de Arte Moderna de São Paulo a convidou para desenhar um jardim dentro do Parque do Ibirapuera. “Será uma versão do festival de jardinagem em São Paulo, estou curiosa com esta tarefa de desenhar um jardim”, conta Beatriz.

Patrícia Amorim: a nova dirigente do Flamengo

Nos 114 anos de história do clube, o Flamengo nunca teve uma mulher no comando. Patrícia Amorim, ex-nadadora, rompeu esta barreira e foi eleita a Presidente do time rubronegro. Depois de ser questionada pelos associados sobre sua capacidade em administrar o futebol, principal esporte do clube, ela deu a volta por cima e já mostra que veio para fazer a diferença. “Estou com uma equipe muito forte para liderar com o maior afinco possível e ajudar o Flamengo a voltar a ser o maior do Brasil”, disse Patrícia, numa entrevista ao programa “Arena Sportv”.

Flameguista desde criança, Patrícia começou a nadar pelo clube em 1977. No Flamengo, ela se tornou nadadora profissional, acumulando títulos e recordes. No currículo, tem 28 títulos brasileiros, 180 recordes estaduais, 85 recordes brasileiros e 29 sul-americanos. Em 1988, participou das Olimpíadas de Seul, quebrando um jejum de 8 anos sem representantes femininas na natação.

Formada em Educação Física, com 40 anos e mais de 30 associados ao Flamengo, Patrícia chega com vontade de mudança e planos para que o Flamengo tenha um futuro melhor. O lema de seu “mandato”, que vai de 2010 a 2012, será o antigo “Craque o Flamengo faz em casa!”. “O Flamengo precisa de uma revitalização geral. Nossos equipamentos são os mesmos da década de 70. Precisamos de parcerias públicas e privadas para formar atletas.

Com os jogos olímpicos e a Copa do Mundo, acredito que o Flamengo vai voltar a ser o grande formador que sempre foi”, declarou Patricia, em entrevista ao jornal "O Lance!".

Daniella Helayel: a queridinha das estrelas

Fã da cantora Madonna, Daniella Helayel, estilista e dona da marca Issa, sonhava em um dia ver a diva pop vestida com um modelito criado por ela. O sonho já foi realizado, e Daniella agora vende suas peças para muitas celebridades. Suas roupas já estão nos cabides dos closets de Paris Hilton, Karolina Kurkova, Kate Moss, Sharon Stone, entre outras. ”A primeira vez que Madonna usou Issa, fiquei extremamente feliz. Foi muito importante para mim porque a admiro muito”, orgulha-se Helayel, que conta que a estilista da cantora escolhe peças da Issa a cada nova coleção.

Há 18 anos, Helayel largou o curso de direito para estudar desenho e marketing em Nova York. No país, ela fez os primeiros contatos com estilistas renomados e prestou consultoria de moda para empresas brasileiras. Mudou-se para Londres para respirar novos ares, onde lançou sua grife Issa, em 2001. As primeiras criações não tiveram muito sucesso. Em 2004, Daniella foi apresentada à atriz americana Scarlett Johansson, que resolveu conhecer seu trabalho. Logo, as peças da Issa já estavam penduradas no closet de Scarlet. “Sinto-me muito feliz quando vejo celebridades vestindo minhas roupas porque sei que elas podem ter tudo o que quiserem, é uma honra”, diz a estilista.

Hoje, a grife Issa é uma das mais reconhecidas na London Fashion Week e está presente em mais de 20 países, inclusive no Brasil, na loja NK Store, em São Paulo. Em 2010, ela pretende abrir a primeira loja própria da Issa, em Londres, e a segunda no Brasil, em São Paulo.

Gisele Bündchen: a mãe do ano

O Natal chegou mais cedo para a modelo Gisele Bündchen. No dia 8 de dezembro de 2009, chegou ao mundo o presente que a modelo tanto esperava, nasceu seu primeiro filho, um menino, fruto de seu casamento com o jogador Tom Brady. Ela não quis saber o sexo do bebê durante a gravidez e ainda não revela o nome do herdeiro. “Decidimos não saber. Quero ter a emoção de descobrir na hora se é menino ou menina”, declarou a modelo, quando ainda estava grávida.

Descendente de alemães, Gisele nasceu numa cidade do interior do Rio Grande do Sul, Horizontina, numa família de 6 irmãos. Levava uma vida simples e tinha o sonho de ser jogadora de vôlei. Sua carreira começou por acaso, quando olheiros a descobriram num shopping, enquanto tomava um lanche com amigas. Começou a trabalhar em uma agência brasileira de modelos e, logo, mudou-se para Nova York, onde sua carreira deslanchou.

No currículo, Gisele já guarda diversos rótulos. Pela revista Rolling Stone foi considerada a mais linda do mundo, pela Vogue, a melhor modelo e, pela Forbes, a mais bem paga. No Guinness Book, é a modelo mais rica do mundo. Mas sua vida nem sempre foi glamour.

Antes de engravidar, a top já falava de seu sonho de ter sua própria família e já fazia planos de como seria sua vida no futuro. Hoje, o ritmo de trabalho da modelo é mais lento, ela participa raramente de desfiles e eventos e se dedica apenas a campanhas publicitárias. Mas os holofotes já estão virados para ela novamente, todos querem ver a modelo no papel de mãe. Com certeza, em 2010, veremos muitas fotos e entrevistas com mais um título para a top: “a mãe do ano” ou "a mãe mais bonita do mundo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.