Sogra não se escolhe, mas dá para tentar prever se a relação vai ser difícil, como na novela "Velho Chico"; veja as dicas

Você achou o amor da sua vida. Ou pelo menos, começou um romance promissor. Mas o pacote vem completo, incluindo família, cachorro... e sogra.

Encarnação é a sogra que ninguém quer ter em 'Velho Chico'
Divulgação
Encarnação é a sogra que ninguém quer ter em 'Velho Chico'


Sogra bruxa

A relação pode variar de ótima a conflituosa. A boa notícia é que dá para tentar prever a roubada e evitar conflitos antes de ter problemas, como os que enfrentou a pobre Leonor (Marina Nery) na novela "Velho Chico", da Globo. A jovem se casou com Afrânio (Rodrigo Santoro), mas não conseguiu ser feliz vivendo na mesma casa da mãe dele, Encarnação (Selma Egrei). 

Como prever

“Dá para prever se o relacionamento com a futura sogra será problemático. Como diz o dito popular, ninguém causa uma segunda primeira boa impressão”, diz Silvia Malamud, psicoterapeuta.

Existem pequenas implicâncias que vale a pena relevar. “Tem coisas que a gente pode abrir mão, mas o limite tem que ser conversado com o parceiro”, afirma Marina. Até porque com o tempo, o “elemento novo” na relação entre mãe e filho (ou filha) tende a ser assimilado.

'Velho Chico': Leonor sofre na mão de Encarnação, a sogra que ninguém quer ter
Divulgação
'Velho Chico': Leonor sofre na mão de Encarnação, a sogra que ninguém quer ter


O problema é quando se trata de atitudes invasivas e constantes que podem tornar a vida do casa – e da nora – um inferno. “Se os comentários negativos são contundentes e repetidos, será que a relação sobrevive a esse padrão de interferências? Vale a pena prosseguir”, questiona Silvia.

Namoro vale como teste

O começo do relacionamento é um bom momento para avaliar o peso desse tipo de interferência na relação e como os parceiros vão administrá-la. “O namoro é um divisor de águas entre a vida madura e a de filho. É um teste de como ele vai conseguir se relacionar com outra mulher”, afirma Antonia dos Santos Ambrosio, coach especialista em relacionamentos.

Encarnação é a própria bruxa, aquele tipo de sogra que não para de aborrecer
Divulgação
Encarnação é a própria bruxa, aquele tipo de sogra que não para de aborrecer


Veja alguns sinais de que a relação com a sogra pode ser tensa:

1 – Ele é dependente da mãe
Para muitas mães, é difícil cortar o cordão umbilical. “Elas esquecem que os filhos já têm identidade própria independente da deles e que podem e devem fazer escolhas”, afirma Silvia Malamud. Ver os filhos crescidos, em um relacionamento, evoca à síndrome do ninho vazio para quem se prendeu com muita força aos papéis de pai e mãe, acredita a coach.

Antônia lembra que há mães que fazem questão de manter o filho uma relação infantilizada. “Ela o critica na frente dos outros, por exemplo. Inclusive na frente da namorada”. Nessas circunstâncias, alguns ataques à futura nora podem ser dirigidos na verdade ao filho, quando a sogra se sente preterida pela nora. “Se a mãe receber um reconhecimento da parte do filho de coisas boas e até de limitações na relação, pode superar.”

2- Ela não respeita o espaço dele
Ser grudenta é mau sinal. “A vida manda sinais. Se ela quer fazer tudo junto com o casal, viagens, programas em família e não admite que o filho faça coisas sozinho com a namorada, pode ser um problema. Se for ciúme patológico, é difícil remediar só com conversa” alerta Marina Vasconcellos. Portanto, fique ligada se ela não respeita a privacidade dele.

Em casos mais graves, sogras e sogros podem ter até crises emocionais. “Alguns sintomas são rejeição, depressão e agressividade”, exemplifica Silvia.

3 – Ela não respeita seu espaço
Se logo de cara a mãe do seu amor já comenta de forma nada agradável sua roupa, seu cabelo ou seu jeito de se expressar, sinal amarelo. “Se a relação prosseguir, as duas precisam aprender a relevar”, afirma Silvia. O risco é virar um círculo vicioso de pequenas agressões.

4 – Ela faz drama
Parece inofesiva, mas a sogra dramática pode acabar manipulando o casal. “Sogra que se faz de vítima, de doente, que pede atenção demais, acaba sobrecarregando a nora ou o filho. Ela tende a ser manipuladora, chata”, alerta Marina

5 – Ela tem ciúme do filho
Mãe e filho e marido e mulher são relações totalmente diferentes, mas nada impede uma competição por atenção ou por afeto. “Quando a mãe mães desenvolve cuidados excessivos com seus filhos de forma narcísica, dói demais a possibilidade da ‘entrega’ de suas crias a um outro estranho - e pior, mais jovem!”, lembra Silvia.

6 – Ele não se posiciona
Não é um problema diretamente da sogra, mas é determinante na relação. Quem tem que colocar limites e administrar conflitos é o filho. “Filho que não consegue resolver conflitos entre a namorada e a mãe no início da relação dá um forte sinal de que vai ser ainda mais difícil no futuro. Tende a não mudar se o relacionamento fica mais sério”, avisa Marina.

Ele tem que tomar a dianteira, mas, em hipótese nenhuma, a nora deve usá-lo de intermediários. “Não se manda recados pelo filho. Não é joguete e a informação que fica é que a pessoa do recado ou é especial demais ou fraca demais”, acredita Silvia.

7 – Ela idealiza o filho
Toda mãe acha que seu filho é especial. “Mas quando existe a percepção equivocada de que o filho é o melhor de todos, achar um parceiro ‘a altura’ fica praticamente impossível”, afirma Silvia. Se o filho é o heroi, a nora é uma ameaça, vem o medo de perdê-lo. E isso engata culpa e jogos de culpa no relacionamento. Aí nenhuma nora serve”, diz Marina.

Outra desvantagem dos mancebos criados a pão-de-ló é que pode sobrar para a parceira também. “É o namorado que casa e continua querendo ser mimado pela mulher. A sogra não é um problema, fez um problema”, completa Marina.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.