Blogueira e YouTuber conhecida como Freelee diz que leva hoje uma vida com muito mais qualidade do que quando morava na "selva de pedra" e ainda consegue economizar um bom dinheiro; veja detalhes da rotina de Freelee

Ela nasceu e morou parte da vida em Queensland, na Austrália, e agora, aos 37 anos, vive em uma cabana no meio da floresta na América do Sul. Conhecida como Freelee, essa australiana faz sucesso nas redes sociais contando os detalhes da vida na selva. 

Leia também: Mulher bebe sangue da menstruação para energizar corpo e se conectar à natureza

Blogueira e YouTuber conhecida como Freelee dá detalhes de como é a vida na selva
Reprodução/Instagram/@freelee_official
Blogueira e YouTuber conhecida como Freelee dá detalhes de como é a vida na selva


Freelee mantém um canal no YouTube  e mostra como é a rotina na selva ao lado do parceiro. Fazem parte da vida da australiana praticar atividade física, como andar de bicicleta, seguir uma alimentação vegana com produtos cultivados ali por perto e beber água direto de um rio. 

Quase nada de roupa e zero cosmésticos

Nas redes sociais ela conta que decidiu mudar por estar cansada da rotina exaustiva com horários e padrões, como ter de acordar todos os dias com o despertador, passar horas se arrumando e se maquiando ou ter de usar salto alto e um certo tipo de roupa porque aquilo era lhe imposto como padrão. Ela fala também que estava cansada de trabalhar e fazer os outros enriquecerem. "Troquei o trabalho na selva de pedra pelo trabalho apenas na selva". 

Freelee segue uma vida sem cosmésticos, produtos industrializados ou nada que venha vida mais urbana
Reprodução/Instagram/@freelee_official
Freelee segue uma vida sem cosmésticos, produtos industrializados ou nada que venha vida mais urbana

Ao adotar esse novo estilo de vida, a youtuber conta que também deixou para trás coisas típicas da cidade. "Passo a maior parte dos meus dias nua, livre as restrições provocadas pelas roupas", fala Freelee. "Não me depilo, não uso tinturas no cabelo ou qualquer maquiagem há mais de seis meses. E eu me sinto mais livre que em qualquer outro momento da minha vida", completa a australiana. 

A mulher, que recentemente ganhou as páginas de jornais internacionais como o "Daily Mail", também diz que sem a necessidade de itens como barbeador, xampu ou condicionador e até idas ao salão para timngir os cabelos já economizou mais de US$ 4 mil em um ano (cerca de R$ 16.400). 

Leia também: Sem maquiagem todos os dias - o que acontece quando você para de se maquiar

Liberdade até no nome

Outra mudança significativa para a australiana foi no próprio nome. Em uma postagem no Instagram ela conta que adotou o "Freelee" há 11 anos porque liberdade - freedom, em inglês - é o que ela considera que há de mais sagrado. 

Freelee também é vegana e se alimenta de itens que cultiva nos arredores de sua cabana
Reprodução/Instagram/@freelee_official
Freelee também é vegana e se alimenta de itens que cultiva nos arredores de sua cabana

E para a mulher não há nada mais livre do que esse estilo de vida totalmente minimalista. "Estou me desfazendo as camadas que me prendiam", fala a australiana, que diz ainda que se alimenta de frutas e verduras orgânicas que cultiva, aproveita água da chuva para tomar banho e tem muito mais qualidade de vida hoje em dia.

Ela garante também que as mudanças nos hábitos diários fizeram mudar também a maneira como encara o próprio corpo. Depois de ficar tempos sem depilar axilas, pernas ou a região íntima, Freelee diz que se viu também livre de cortes, irritações, dores e perda de tempo que eram as idas ao salão. "E o melhor de tudo, eu me senti empoderada como mulher por aceitar como eu sou sem dar a mínima ao que a maioria pensa". 

Leia também: Modelo que foge dos padrões revela como manter a confiança ao usar um biquíni

Ela também sabe que, para muitos, é vista como uma maluca ou esquisita com a vida na selva, mas incentiva os outros a também mudarem de vida. "Você pode criar sua liberdade e estou aqui para inspirar você. Não tenha medo de ser diferente, tenha medo de ser como todo mundo". 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.