Alimentar mágoas e fofocas, escolher um dos lados do ex-casal e dar corda para parentes ressentidos estão entre as condutas que acabam com um círculo de amizades

Num círculo de amizades, a separação de um casal pode deixar os amigos numa saia justa. Além de dar apoio a quem se separa neste momento complicado, o grupo muitas vezes fica dividido quando um dos ex-parceiros cobra uma posição e exige a escolha de um lado. O médico neurocientista Jô Furlan diz que esse tipo de situação é mais difícil de se resolver em determinados casos. 

“Se as pessoas se conheceram como casais, vai acabar a amizade junto com a relação. O que conectava as pessoas era o fato de eles serem um casal”, avalia Furlan, que é especialista em inteligência comportamental. Quando o círculo de amigos não tem essa configuração as chances de conflito são menores. Mas para que isso aconteça é necessário doses de bom-senso de todos.  

Não dá para colocacar ninguém na desconfortável posição de ter que tomar partido e optar por um dos dois antigos parceiros, por exemplo.“Quem pede isso não merece a sua amizade. Isso é postura de um amigo?”, questiona Furlan. “Um casal que se separa não tem o direito de impor escolhas na vida dos amigos”, acrescenta a psicóloga Erica Aidar.  

Veja também: Guia do divórcio: especialistas respondem principais dúvidas

Separação não é cabo-de-guerra: amigos não precisam entrar na briga do casal que se separa
Thinkstock Photos
Separação não é cabo-de-guerra: amigos não precisam entrar na briga do casal que se separa


Nos casos em que a relação entre os ex-parceiros está muito conflituosa, o afastamento dos amigos do antigo casal pode ser uma medida necessária. “Dar um tempo é bom se o relacionamento for mais distante, mas se uma das partes for muito próxima a você, não a abandone”, pondera Erica. 

O assunto da separação também não deve monopolizar as conversas dos amigos, evitando maiores danos desta maneira. “É de bom tom evitar fofocas e perguntas sobre o ex e não caia na besteira de falar mal de nenhuma das partes”, alerta a psicóloga. 

“Desculpas para os amigos não precisa e para os inimigos não adianta. A regra se baseia muito no respeito ao outro. Não se chuta cachorro morto”, brinca Furlan, dizendo ainda que evitar remoer o assunto evita constrangimentos e ainda ajuda no processo de ‘cicatrização’ de quem está terminando um relacionamento.  “A pessoa pode pedir para não falar sobre fulano ou não falar sobre uma possível reconciliação e isso é um direito dela.” 

Assim, os amigos ajudam os antigos parceiros a seguirem em frente. “Não falar da dor da perda, da ausência é um fato, mas o sofrimento – ficar lamentando essa perda – é uma escolha”, julga Furlan. Porém, esse processo de virada de página pode incluir um novo ciclo de amizades. “As pessoas podem continuar presentes, mas o grau de influência mudou”, pontua o neurocientista.  

De acordo com Furlan, pesquisas mostram que entre 50% a 70% das nossas amizades são recicladas em um período médio de cinco anos. Esse dado se soma a necessidade de que quem separou em reconstruir a vida com uma nova base de relacionamentos.  

Dicas para evitar conflitos na separação de um casal de amigos

- Não escolha um lado, mesmo que um dos membros do antigo casal insista;

- Se for inevitável fazer uma escolha, faça isso sem demonizar o outro lado;

- Alimentar as mágoas dos separados só vai provocar mais dor. Evite fofocas!

- Não fique dando corda para ex-sogros falarem mal de genros e noras;

- Dê apoio mostrando que a crise pode ser superada com o tempo;

- Afastar-se dos separados pode ser necessário quando o conflito é intenso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.