Veja dicas de experts para organizar uma confraternização informal sem gafes; lista de convidados, bebidas, banheiros e alguns comportamentos merecem atenção dos anfitriões

Reunindo família, amigos e agregados, as festas de fim de ano são ótimas para se divertir livre das formalidades. Ao mesmo tempo, esse clima descontraído costuma favorecer barracos e gafes, como aquele convidado que bebe demais e quebra o vaso favorito da anfitriã, familiares que aproveitam a noite para resolver divergências e a amiga que sai paquerando (absolutamente) todos que estão na festa. 

Autora do best-seller “Etiqueta Sem Frescura” (Planeta), Cláudia Matarazzo explica que esse tipo de situações saia-justa não acontecem só nas confraternizações nesta época do ano. Segundo a consultora, os anfitriões devem estar preparados para evitar os climões entre os convidados. 

 “Não é só no Natal, em qualquer reunião de família é preciso evitar lavar roupa suja. Mas nessa época, até pelo tema, é preciso um cuidado maior de todos, anfitrião e convidados”,  recomenda Cláudia. 


Os cuidados começam já na hora de definir quem serão os convidados. Aliás, não tem escapatória: todos os familiares devem ser chamados – e com antecedência.  Quem não for tão próximo da (o) anfitriã (o) tem o direito de declinar o convite, mas não se sentirá excluído pela falta de convite. 

A lista de convidados também precisa observar as mudanças nos status dos relacionamentos dos familiares e amigos. Assim, chamar o ex-marido ou a ex-namorada de alguém vai depender do fato desta pessoa já superado ou não a crise afetiva. 

Preparando a casa

Em seu “Pequeno Livro de Etiqueta – Guia Para Toda Hora” ( Verus), Ana Vaz sugere a criação de um kit contra saias-justas. No lavabo, disponibilize papel higiênico em boa quantidade, fio dental, aromatizador em spray e absorvente. Importante: não se esqueça de checar a descarga um dia antes do evento. Nada pior do que ela parar de funcionar no auge da festa. 

Veja também:  Armadilhas que queimam o filme na festa do trabalho

Por mais orgulho que você tenha dos seus copos de cristal e do jogo de pratos de porcelana é melhor não usá-los na festa de fim ano. O risco de um convidado quebrar acidentalmente uma peça e desfalcar a sua coleção é grande. Se usá-los, fique ciente que não é nada elegante dar chilique porque alguém deixou a taça de cristal se espatifar no chão. 

Da mesma forma, não deixe de bobeira aquele vaso relíquia de família ou coleção de bibelôs de estimação. Acidentes simplesmente acontecem. Inclusive a possibilidade de alguém derrubar vinho em seu sofá novo. Neste caso, limpe tudo rapidamente e não faça drama.  

Durante a festa

Por mais que o clima de fim de ano seja festivo, sempre tem aquele convidado que joga 'água fria' reclamando da vida e criticando todo mundo que passa pela sua frente. Nesta situação, a intervenção do dono da festa é inevitável. “Chame a pessoa, diga que você entende que ela está com problemas, mas peça para ela fazer um esforço e deixá-los de lado”, indica Cláudia.

A conduta é a mesma quando uma conversa entre os convidados fica agressiva ou toma um rumo incendiário. “Se há algum assunto delicado, procure não abordar ou tente mudar de assunto. Se a pessoa insistir, chegue e peça para não falar pela delicadeza do tema e para evitar polêmicas”, sugere Claudia, reforçando que questões conflitivas devem ser evitadas. 

Se o caldo entornar e alguém começar a bater boca com outro convidado, cabe aos anfitriões vestirem o papel de bombeiro, acalmando os ânimos sem tomar partido. 

Saiba mais: Dicas para escolher a roupa certa para a festa da firma: "Não é uma balada"

Discretamente, retire de cena aquele convidado que bebeu demais e está pagando mico na festa
Thinkstock Photos
Discretamente, retire de cena aquele convidado que bebeu demais e está pagando mico na festa


Bebidas e beberrões

As bebidas alcoólicas merecem um capítulo a parte neste assunto, especialmente porque elas costumam ser fartas neste tipo de festejo. Quem dá uma festa em casa tem que se considerar sortudo se nenhum convidado exagerar na dose e acabar dando vexame. 

Janaína Depiné, consultora de etiqueta, diz que o melhor é não oferecer uma seleção de bebidas muito variada. Isso evita que as pessoas façam misturas indesejáveis. É preciso garantir ainda uma boa seleção de aperitivos para acompanhar os drinques.  “Geralmente, enquanto comem, as pessoas tendem a beber menos. No mais, espera-se bom-senso dos convidados, o que nem sempre ocorre”, admite Janaína. 

Por fim, caberá a (ao) dona (o) da festa a missão de tirar de cena qualquer beberrão inconveniente que surgir. Coloque o num táxi ou peça para alguém acompanhá-lo até a casa dele. Se o caso for mais grave, convença o convidado a ir se recuperar num quarto da residência. 

Não precisa nem dizer que os anfitriões não tem a liberdade de relaxar e beber todas na festa como os outros convidados. Afinal, alguém precisa estar sóbrio para manter o controle de tudo. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.