Campanha britânica alerta para pressão sobre autoestima que compartilhamento de imagens e número de 'amigos' em sites como Facebook exercem sobre adolescentes

BBC

Excesso de amigos no Facebook deixa adolescentes expostos a abusos
BBC
Excesso de amigos no Facebook deixa adolescentes expostos a abusos

Quando se fala em vida moderna e em razões que levam a falta de confiança e insegurança em relação à própria imagem, rapidamente se aponta o dedo para revistas femininas e a TV.

Mas, para alguns especialistas, as redes sociais também podem influenciar a forma como vemos o corpo e instituir modelos a serem seguidos.

A britânica Kelsey Hibber relatou à BBC que mantinha poucos amigos no Facebook nos tempos de escola secundária pois ela sabia que iriam implicar com ela.

"Sempre fui alta e sempre fui um pouco rechonchuda também. Ninguém parecia notar durante a escola primária, mas, no sétimo ano, todos começaram a apontar, notar coisas, me fazendo pensar que eu era feia e não era especial", disse.

Ela ficou cada vez mais consciente de pequenos detalhes, como o formato das sobrancelhas e o tamanho da testa.

Kelsey conta que sofreu bullying entre os 11 e 16 anos, uma experiência que ela descreve como "horrível". "Era sempre sobre o meu corpo e minha aparência."

Com isso, ela mudou a cor do cabelo e parou de comer, para emagrecer e tentar se encaixar nos padrões que as pessoas exigiam.

Agora, aos 20 anos, Kelsey dirige um programa de mentores na Grã-Bretanha chamado Loud Education, que visita escolas para conversar com estudantes e aconselhar professores a lidar com o tema.

Leia também:
O que a autoestima pode fazer por você
45 filmes para levantar a autoestima

Segundo Kelsey, as redes sociais deixam adolescentes expostos. "Você mostra o seu melhor e isto pode ser meio perigoso, pois você, naturalmente, se compara com os outros", disse.

Imagens compartilhadas

Facebook, Twitter, Instagram e vários aplicativos de mensagens como o WhatsApp estão entre as principais ferramentas usadas por adolescentes para se comunicar.

Nunca se soube tanto da vida e aparência dos outros, graças à postagem e ao compartilhamento de imagens.

O assunto causa grande preocupação no país. Em 2012, parlamentares recomendaram que todos os estudantes participassem de aulas obrigatórias sobre autoestima e imagem corporal.

Uma comissão parlamentar constatou que meninas de até cinco anos de idade já se preocupam com peso e aparência.

Adultos também não estão imunes a este tipo de pressão. Segundo pesquisas realizadas na Grã-Bretanha cerca de 60% do público sente vergonha da própria aparência.

Outro sintoma do problema, segundo um relatório da comissão, foi o aumento das taxas de cirurgia plástica no país, de cerca de 20% desde 2008.

Facilidade para alterar fotos em aplicativos como Instagram gera conceitos distorcidos
BBC
Facilidade para alterar fotos em aplicativos como Instagram gera conceitos distorcidos

Visitas a escolas

A deputada Caroline Nokes participa de um grupo parlamentar que, junto com várias instituições de caridade, empresas e órgãos públicos, está lançando uma campanha para mudar a atitudes em relação à imagem corporal.

Ela visitou escolas e conversou com estudantes de 12 e 13 anos sobre como a mídia altera imagens para "melhorar" aparências.

A parlamentar afirma que os estudantes entenderam bem o processo, pois passam por experiências semelhantes nas mídias sociais.

"Peço para eles fecharem os olhos e, todos os que melhoraram uma imagem no Facebook, levantem a mão", disse Nokes.

Segundo ela, geralmente todos levantam a mão e uma estudante chegou a dizer que alterava todas as fotos que compartilhava.

Para Nokes, as redes sociais têm um impacto enorme na confiança dos jovens pois elas não podem ser ignoradas.

Veja ainda:
9 motivos para você se comportar nas redes sociais
Falar demais sobre experiências ruins pode piorar problemas

"Eles (os jovens) podem tomar a decisão de não olhar revistas ou ver TV, mas as redes sociais são a forma primária de comunicação deles e seu principal canal com o mundo exterior", disse.

"Eles estão vendo o mundo através de um filtro, e isto não é saudável."

A parlamentar quer fazer com que os adolescentes se sintam mais confiantes. "É muito importante que tentemos incutir a confiança para que eles sejam eles mesmos", acrescentou.

Facilidade para alterar fotos em aplicativos como Instagram gera conceitos distorcidos

Outro objetivo de Nokes é educar os jovens para que eles sejam mais cínicos em relação às imagens que costumam ver e admirar, além de trabalhar com empresas para estimulá-las a ser mais responsáveis com suas propagandas.

Ansiedade

Phillippa Diedrichs, pesquisadora do Centro para Pesquisa em Aparência da Universidade do Oeste da Inglaterra, também vê uma ligação entre redes sociais e a preocupação com a aparência.

"Quanto mais tempo se passa no Facebook, maior a probabilidade das pessoas se enxergarem como objetos", disse.

Ela explica que há uma tendência a procurar interações sociais negativas nestes fóruns e também a pedir para as pessoas comentarem sobre a aparência, o que pode levar à ansiedade.

As pessoas que usam as redes sociais também tendem a cultivar um personagem, segundo a pesquisadora.

Na opinião de Diedrichs, a resposta à esta ansiedade em relação ao próprio corpo é defender uma diversidade maior na mídia, pois não há apenas uma forma de ser saudável e não há uma aparência ideal.

Kelsey concorda. Ela reconstruiu a própria confiança ao se transformar em voluntária no YMCA aos 15 anos de idade. Quando ela foi para a universidade, começou a redescobrir quem era e se sentir confortável com o próprio corpo.

Agora, ela planeja trabalhar com propaganda. "Quero chegar lá e mudar a regra, mudar as percepções para melhor. As pessoas são sistematicamente alimentadas (com imagens distorcidas) então por que não alimentá-las com coisas positivas?", disse.

Leia também:
“Não me apeguei à autopiedade”
12 passos para criar coragem

>>> Curta a página do Delas no Facebook e siga o @Delas noTwitter <<<

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.