Saiba como a neurociência e a psicanálise explicam essa sensação que pode ser treinada para servir de guia em decisões importantes e aprenda a fazer isso

Sexto sentido: para especialista, o processo intuitivo é um exercício e por isso pode ser treinado
Thinkstock/Getty Images
Sexto sentido: para especialista, o processo intuitivo é um exercício e por isso pode ser treinado

A intuição nunca falha. Isso é praticamente uma unanimidade quando o assunto é ouvir a ‘voz do coração’. Portanto, exercitar essa característica pode ser a maneira mais eficaz de fazer escolhas acertadas.

Foi tomando tombos que a gestora de trânsito, Cristiane Takeda Guerra, 36 anos, aprendeu a dar mais atenção à própria intuição.

“É a primeira ideia que vem à cabeça e só me guio por ela”, conta. Segundo Cristiane, inicialmente, pode ser meio confuso separar essa primeira ideia de um turbilhão de informações e influências externas, mas o exercício contínuo vai aguçando o ouvido.

“Com o tempo, logo já se presta atenção nessa voz interior e sabe que é ela quem comanda”, diz.

“Do ponto de vista científico, a intuição é um conteúdo inconsciente que interfere em nosso cotidiano suscitando emoções que não estão gravadas na memória”, explica Carla Tieppo, professora de Fisiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e pesquisadora da área de neurociência. Isso porque o funcionamento cerebral considera boa parte do processamento distanciado da vigilância consciente.

“Para a fisiologia do sistema nervoso, as emoções marcam determinados eventos que, em uma próxima situação, podem ser recordados”, acrescenta Carla.

Do ponto de vista científico, a intuição é um conteúdo inconsciente que interfere em nosso cotidiano suscitando emoções que não estão gravadas na memória”

Por isso, qualquer pessoa tem marcadores emocionais bons ou ruins. E cabe a cada um, acreditar (ou não) nos sinais que está recebendo.

“O processo intuitivo é um exercício, pois é preciso acreditar nos sinais, escutar o próprio corpo e identificar estes estímulos emocionais”, alerta a especialista. Para Carla, conseguir interpretar essa intuição é sempre muito positivo.

Já a terapeuta comportamental Denise Pará Diniz, psicóloga do Setor de Estresse e Qualidade de Vida da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) define a intuição como uma espécie de equilíbrio entre razão e emoção.

“Ouvir a voz do coração tem uma simbologia com a questão afetiva, é deixar acontecer o que se deseja. Enquanto o lado mais racional capta as experiências adquiridas ao longo da vida”, completa.

De acordo com Denise, é preciso ouvir sim a voz do coração, mas também avaliar o que pensa sobre isso e do que necessita no momento, antes de tomar qualquer decisão. Só então direcionar as ações para o que considerar mais acertado.

“Sentir e pensar são essenciais e, dependendo da questão, a ação pode ser mais direcionada pela emoção ou pela razão”, informa.

Algo me diz que...

“A intuição é uma sensação forte e tranquila de que devemos seguir em determinada direção”, explica a psicoterapeuta Patrícia Gebrim, autora do livro ‘Gente que Mora Dentro da Gente’ (Editora Pensamento-Cultrix). Para a escritora, não existe segredo, intuição é uma voz interna que nos faz sentir que esse ou aquele é o caminho certo.

“Se a mente não atrapalhasse com seus intermináveis questionamentos, sempre seríamos guiados por nossa intuição”, garante. Afinal, a autora acredita que ela faz parte da nossa natureza, portanto é sempre acertado segui-la, pois ela viria de um Plano Superior, de uma parte nossa que sabe de coisas que a mente não sabe.

“Uma intuição em ação sempre indica o caminho que é melhor não apenas para a pessoa, mas para todos que estão envolvidos na situação”, destaca.

Leia mais: Você sabe tomar boas decisões?

Patrícia confirma que a intuição está sempre presente, porém devido nossas crenças, pensamentos repetitivos e medos, muitas vezes, não conseguimos ouvi-la.

“Por isso, é importante aflorar a intuição aprendendo a controlar a mente. É essencial encontrar um espaço entre os pensamentos, pois é ali que a intuição está esperando por nós!”, ensina.

Além disso, vale apostar em algumas dicas para não confundir intuição com perturbação. De acordo com Patrícia, a intuição contém características bem definidas:

Não a buscamos! Ela chega de forma súbita e nos traz paz;Ela não é lógica;Ela transmite a mensagem em uma única vez; pensamentos repetitivos e turbulentos são desejos movidos pela ansiedade;Em geral, a pessoa sente-se confiante diante da mensagem recebida;Exercitar isso é a melhor forma para aprender a lidar com ela.

Todo mundo tem, mas dá para desenvolvê-la!

O psicanalista Carl Gustav Jung dizia que cada um de nós tem a sabedoria e o conhecimento que necessita em seu próprio interior. Portanto, intuição não é privilégio de poucos. Todos têm e podem usufruir desses sinais. No entanto, atividades como psicoterapia, meditação, ioga e contemplação da natureza podem ajudar a acalmar a ansiedade e alimentar uma leitura emocional mais positiva.

“São atividades que limpam o conteúdo emocional deixando-o mais aguçado para afastar o medo”, diz Carla Tieppo. Afinal, o estresse e a ansiedade mantêm o sistema emocional sequestrado, gerando um sentimento de perigo e insucesso que não deixam as emoções trabalharem.

“Até mesmo uma boa noite de sono pode ajudar a manter as emoções em equilíbrio. Descansar e relaxar em nível profundo ajuda neste controle”, acrescenta Denise Pará Diniz.

3 passos para ajudar nessa tarefa!

A consultora e escritora Rosana Braga ensina três passos para manter a voz do coração ativa e deixar a intuição guiar os passos seguintes de maneira mais segura.

Observe

Mantenha-se atento aos sinais que a vida manda. Uma situação nunca ‘dá errado’ da noite para o dia. Pequenos acontecimentos vão revelando que algo está fora de sintonia. Em geral, as pessoas se recusam a enxergar ou estão inconscientes demais para perceber. Observação é uma estratégia extremamente eficiente para ouvir mais o coração.

Questione

Lembre-se de que sempre é possível fazer diferente. Basta se questionar: ‘de que outra forma posso interpretar essa situação e que outra atitude posso ter diante dela?’ E, mesmo com a intuição ali presente, procure se respeitar. Avalie o resultado dessa escolha e entenda o que deve ser feito com isso.

Silencie

Aprender alguma técnica de respiração e meditação pode ajudar. Respire profundamente. Parar alguns minutos do dia, várias vezes ao dia, para observar a respiração ajuda a reorganizar pensamentos e emoções.

Leia mais no Delas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.