Eles ajudam a superar as agruras da vida desde que não se atenham a clichês; saiba diferenciar autores sérios de charlatões

Autoajuda: ela pode ajudar a superar as agruras da vida desde que não se atenha a clichês
Thinkstock/Getty Images
Autoajuda: ela pode ajudar a superar as agruras da vida desde que não se atenha a clichês

Ser um líder, encontrar a felicidade, ter um casamento duradouro, enriquecer, emagrecer, enfim, tornar-se um campeão. Tudo que uma pessoa sonha em ser e ter na vida. Nas prateleiras de obras mais vendidas das livrarias, o gênero autoajuda sempre marca presença – e os títulos são verdadeiros convites para a solução dos dilemas.

"Faz sucesso porque o livro diz exatamente o que o leitor gostaria de escutar, proporcionando um alívio muito grande. O problema é que ele indica caminhos, mas não resolve nada sozinho, por isso é tão difícil colocar os ensinamentos em prática", diz Denise Gimenez Ramos, professora de Psicologia da PUC-SP.

Segundo Aurélio Melo, professor de Psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, este tipo de literatura pode ser um bom recurso se a pessoa estiver aberta a mudanças em momentos de crise e incertezas. Para evitar frustrações, no entanto, é necessário lembrar que nem tudo parte do princípio de que "só depende de você".

"Aquele que busca ajuda pode pensar que, se aprender a se organizar, por exemplo, terá sucesso profissional. Não é bem assim. Algumas empresas não reconhecem os funcionários, não valorizam plano de carreira, além de outras questões que partem dos superiores – assim como um casamento precisa das duas partes para ser bem-sucedido. Por isso é primordial lembrar que existe, sim, a possibilidade de mudança, mas com um raio de alcance", reforça Melo.

Taísa: livros ajudaram a enfrentar o luto pela morte do pai
Edu Cesar
Taísa: livros ajudaram a enfrentar o luto pela morte do pai

Funcionou para Thaísa Cury, 25 anos. Foram nas páginas de "Os 100 Segredos das Pessoas Felizes" (David Niven, Ed. Sextante), recomendado por sua psicóloga em 2004, que começaram a paixão e o interesse pelo autoconhecimento, o que acabou impulsionando a busca por novos autores, níveis mais avançados de leitura e temas variados, geralmente relacionados a família, relacionamentos e trabalho.

"Eu sempre amei psicologia, porque foi por meio dela que passei a entender mais sobre a mente e o comportamento humanos", conta.

Tudo começou em 2001, quando o pai faleceu. Seis meses depois, Thaísa passou a frequentar sessões de terapia, principalmente pela depressão, que a acompanhou por dois anos. Após alguns anos de resistência, rendeu-se às obras de autoajuda.

"Os mais marcantes foram o 'Nunca Desista dos Seus Sonhos' (Augusto Cury, Ed. Sextante) e o 'Perdas Necessárias' (Judith Viorst, Ed. Melhoramentos), pois me fizeram entender coisas que não conseguia enxergar antes. Este último foi muito importante para o meu processo de cura, porque me mostrou que a vida é feita de perdas e que precisamos seguir em frente", conta.

O segredo

A chave para um livro de autoajuda de qualidade, segundo Roberto Shinyashiki, é a trajetória profissional e o repertório do autor, que deve fugir dos clichês e desenvolver o tema com propriedade.

"Existem muitos títulos por aí que não são escritos por psiquiatras, nem por profissionais especializados, o que os tornam extremamente padronizados", alerta.

"É fácil soltar todos os lugares-comuns possíveis: 'trabalhe duro', 'supere os desafios', 'não desista'. Mas nada disso sustenta uma obra inteira", acrescenta.

A ideia é fazer perguntas, dar referências e abordar pontos de reflexão, e não dar uma palestra motivacional.

"Tendo a depressão como exemplo, é preciso entender que um livro pode ajudar em casos existenciais – quando o estilo de vida não acompanha a essência da pessoa, por exemplo –, ou em situações traumáticas, quando se perde algo ou alguém. Mas, em outros, é um problema neurológico, que precisa da química de remédios para ser superado."

Veja: 45 filmes para levantar a autoestima

Não é à toa que o nome do especialista já vendeu mais de 7 milhões de exemplares em todo o País desde a década de 1980: além de psiquiatra, Shinyashiki é consultor de empresas, presidente da Editora Gente, pós-graduado em Gestão de Negócios e doutor em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo (USP).

Roberto Shinyashiki:
Divulgação
Roberto Shinyashiki: ""Lugares-comuns não sustentam uma obra inteira"

"É fundamental estudar, reciclar e fazer uma leitura do mundo, sobretudo porque surgem problemas novos para situações novas. Antigamente, não havia muita dúvida: o chefe mandava, o funcionário abaixava a cabeça; o pai criava o filho e ele apenas o obedecia. Com a mudança de comportamento ao longo dos anos, assuntos surgem para orientar o que fazer."

O guru da autoajuda explica que a demanda para uma determinada questão sempre aparece de acordo com algo que já aconteceu, não com algo que vai acontecer. E foi observando o mercado, as empresas e o comportamento alheio que lançou os hits "A Revolução dos Campeões" (1995), "O Sucesso é Ser Feliz" (1997) e "Os Donos do Futuro" (2000).

Antes de confiar seu tempo em livros do gênero, Shinyashiki alerta: "pesquise e leia o currículo do escritor". E lembre-se de que livros, filmes, terapeutas e religiões funcionam para quem está aberto a eles.

Apesar de não ser uma fã convicta como Thaísa, Carla Purcino, 36 anos, já recorreu à autoajuda em alguns momentos. Por que não? Em suas mãos já passaram "Amor" (Leo Buscaglia, Ed. Planeta Pub Corp) e "A Carícia Essencial" (Roberto Shinyashiki, Ed. Gente).

"Não tenho preconceito nenhum contra o gênero, porque, na minha opinião, qualquer análise só acontece de dentro para fora", opina.

"Quando leio, posso concordar com algum ponto ou discordar totalmente. O importante é que argumentos me sejam dados para evoluir ou mudar meus pensamentos. Se o texto for bom, é como conversar com um amigo", compara.

Para ela, essas duas obras se destacaram por não tratarem os sentimentos como uma receita de bolo, nem empurrarem fórmulas mágicas.

Luz na escuridão: é sempre bom lembrar que nem tudo depende exclusivamente de querer algo
Thinkstock/Getty Images
Luz na escuridão: é sempre bom lembrar que nem tudo depende exclusivamente de querer algo

"Acredito que o olhar de quem lê pode ser mais importante que a obra em si. Como diz o nome, é autoajuda, portanto ele deve funcionar como um suporte, e não ditar o caminho.”

Thaísa que o diga. “Sempre tive acompanhamento com a psicóloga, mas os livros me ajudaram a voltar a ter gosto pela vida, a me conhecer melhor, a evoluir e a buscar o que eu realmente queria. Hoje eu estou lendo ‘As Cinco Linguagens do Amor’ [Gary Chapman, Ed. Mundo Cristão]. Sempre vou a livrarias para conferir as novidades, mas costumo comprar pela indicação de amigos e da minha psicóloga mesmo.”

A melhor maneira de evoluir e resolver um problema, conforme Denise, é ser ouvido.

“É como um livro de dieta. Você pode lê-lo e absorver todas as informações, mas são o exercício físico e a alimentação saudável que fazem emagrecer. No caso, a autoajuda dá informações relevantes, mas o dilema específico só será tocado de verdade quando for conversado, afinal o contato é algo natural ao ser humano. Por isso, gosto de indicar livros para alguns pacientes para que possamos discutir sobre eles”, afirma a profissional, que acredita que situações mais graves podem exigir outros tipos de análise.

O caminho é experimentar até achar o melhor método para encontrar estas respostas perdidas. “Se o instrumento for um livro, que seja!”, conclui Carla.

Veja a seguir algumas práticas para encontrar a realização pessoal:

Siga lendo notícias de comportamento

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.