Bons presenteadores acertam em cheio sem necessariamente gastar muito. Saiba como se tornar um deles

O dilema de escolher o presente perfeito se agrava no final do ano, com a ceia de Natal marcada com parentes que você só vê de vez em quando e o amigo secreto organizado entre colegas de trabalho. Para se tornar um bom presenteador, daqueles que conseguem arrancar sorrisos sinceros das pessoas presenteadas, é fundamental desacelerar a rotina e se dedicar à procura de uma lembrança com algum significado.

Um bom presente é aquele que consegue transmitir uma mensagem de consideração e carinho para o presenteado, independentemente do seu valor
Getty Images
Um bom presente é aquele que consegue transmitir uma mensagem de consideração e carinho para o presenteado, independentemente do seu valor


Em essência, os bons presenteadores prestam atenção aos detalhes de cada pessoa, sabem dividir o “eu” do “outro” na hora da escolha e adoram datas festivas, em que podem surpreender a todos com criatividade e irreverência. São pessoas que se importam em agradar quem está ao seu redor.

“O presente carrega uma mensagem subliminar. Por meio dele você expõe a consideração que sente pela pessoa, o cuidado que teve ao pensar em um agrado para ela”, afirma a consultora comportamental Ivna Muniz. Sendo assim, os bons presenteadores sabem que um presente tem o poder de reforçar ou enfraquecer relações, dependendo da maneira como a pessoa se sentir após o agrado: prestigiada ou, na pior das hipóteses, ofendida.

Dez testes para você se conhecer melhor

Ao contrário do que muita gente acredita, dinheiro não é garantia de um presente perfeito. “O valor gasto não tem a menor importância. O que deve pautar a escolha é observação do estilo de vida da pessoa que vai ser presenteada, para evitar gafes”, pontua a personal shopper Lilian Rossini. Às vezes, algo muito caro pode passar a impressão de que o presenteador está mais preocupado em se exibir, o que acaba constrangendo o outro lado.

Reconhecer algumas das características do estilo de vida de quem vai ganhar o agrado não requer nenhum expert em psicologia. Observar pequenos gestos cotidianos, como o fato da pessoa ter um perfil mais tranquilo ou agitado, já é de grande ajuda. “Só nessa etapa, conseguimos eliminar vários presentes errados. Por exemplo, você não vai dar um livro longo e cansativo para aquele amigo que não consegue ficar parado, entretido com a leitura”, explica Lilian Rossini.

Para acertar na escolha, o primeiro passo é avaliar o grau de intimidade com o presenteado
Getty Images
Para acertar na escolha, o primeiro passo é avaliar o grau de intimidade com o presenteado

Consideração

Antes de planejar qualquer compra, é essencial avaliar o grau de intimidade que se tem com quem irá receber a lembrança e em que ocasião ela será dada. Em comemorações como “amigo secreto”, é mais comum a situação de presentear alguém não tão próximo assim. Nesses casos específicos, Ivna Muniz sugere presentes neutros, mas que ainda são capazes de passar uma mensagem de consideração.

“Em vez de adivinhar o gosto da pessoa, correndo o risco de errar feio, você dá uma lembrança útil. É algo que demonstra preocupação em não desagradar o presenteado com qualquer coisa sem significado”, completa ela. Um exemplo de presente neutro é um vale-compras, em que a pessoa escolhe por conta própria o que levará da loja em questão.

Para familiares e amigos próximos, de quem é possível obter mais informações sobre gostos pessoais, vale ousar e dar um presente criativo, capaz de surpreender. “Certa vez, uma amiga criou um porta retrato todo artesanal para mim, com fotos da minha família que ela pegou no Facebook. Me senti muito amada por ela, foi um dos presentes mais criativos e carinhosos que recebi”, conta Ivna.

O outro em primeiro lugar

Além do espírito criativo, uma prática comum entre os bons presenteadores é o altruísmo: eles deixam o ego de lado e se colocam no lugar da pessoa que receberá o presente, optando por presentes úteis e com significado para o outro, não para si mesmo. Nem sempre aquela lembrancinha que você acha incrível terá alguma utilidade para o presenteado – respeitar essa diferença é fundamental.

Mesmo não existindo uma regra específica que proíba determinados presentes, o bom senso deve imperar. Peças de roupa, lingerie e perfume são alguns exemplos íntimos demais, que não convêm em comemorações mais formais e que podem soar forçados. Até para amigos a situação acaba ficando embaraçosa, então, é melhor deixar essas opções para familiares. No amigo secreto da empresa, nem pensar.

A finalização do presente também é importante. Toda a preocupação em presentear bem pode vir por água abaixo se o presente estiver com a aparência desleixada. “Dá uma má impressão, como se a pessoa tivesse comprado o presente na pressa e de qualquer jeito”, diz Ivna. Com um pouco de carinho e dedicação, qualquer lembrancinha torna-se um presente único e fica guardada na memória, bem como seu presenteador.

O que fazer quando você ganha um presente de que não gosta?

Qual o melhor presente de Natal que você já deu para o seu filho? Famosos respondem