É fácil ver um debate de ideias se transformar em um arranca-rabo sem propósito algum. Especialistas em mídias sociais ensinam a evitar essa cilada

Levar uma divergência ideológica para o lado pessoal é uma tremenda gafe virtual.

Em tempos de crise política, o que não falta é gente perdendo a linha nas redes sociais, proferindo discursos de ódio e incitando discussões em torno de opiniões diferentes. Nesta quinta-feira (17), Danilo Gentili foi chamado de fascista por um internauta no Twitter. Felipe Andreolli, após expressar sua opinião, foi chamado de otário por um seguidor e revidou: "surdo e cego". 

Felipe Andreoli é chamado de otário e responde internauta.

O apresentador Danilo Gentili é acusado de fascismo.

Como agir corretamente nas redes

Há algum tempo, o Delas consultou especialistas sobre como usar as redes sociais corretamente e seguem dicas preciosas que valem muito nessas horas.

Segue o primeiro erro da lista do que não fazer quando se tem a rede como escudo:  Antes de atacar alguém pela internet, pense se faria o mesmo diante da pessoa.   É o que aconselha Bia Granja, criadora do youPIX, maior evento de cultura de internet do Brasil. “Se não bancar xingar alguém olho no olho, não faça isso virtualmente. É uma regra básica”, diz Bia.

Escrever em caixa alta soa como um berro na orelha para quem está lendo.   É ofensivo e sem educação. O web ativista e professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) Gil Giardelli compara as redes sociais a praças públicas. “Você não sai em uma praça estapeando os outros, gritando tudo o que acha certo. Sempre digo que o sussurro é o novo grito da internet”, pontua Giardelli.

É desaconselhável bater boca nas áreas públicas de Facebook, Twitter e Instagram. Prefira resolver embates e discordâncias em mensagens privadas ou até pelo telefone. “As pessoas esquecem que o Facebook é público e que suas centenas de amigos virtuais encheriam um auditório. Quando for escrever alguma grosseria, pense como seria falar ao vivo para toda essa gente”, completa Bia.

A internet é como uma lente de aumento que amplia o que acontece na vida off-line, ilustra o consultor de comunicação digital Alexandre Inagaki. Os compulsivos pela web reclamam de tudo, do engarrafamento à comida servida fria em um restaurante. Tais temas não acrescentam muito à timeline alheia. Se não tiver nada a acrescentar, é melhor ficar quieto.

Opinar sobre tudo e qualquer coisa virou corriqueiro. No entanto, se você não tem total domínio do assunto em pauta na sua timeline, o tiro pode sair pela culatra. Se não for especialista no assunto, procure informar-se melhor antes de soltar os dedos no teclado. Nada de dar pitaco sem ser chamado.

Ferramenta ideal

Discussões são sempre válidas para a formação intelectual. E as redes sociais podem ser grandes ferramentas para a transformação, como ocorrido nos protestos de junho passado -- o papel do Facebook e Twitter foi central para articulação dos discursos e divulgação do horário e local das mobilizações.

Temas como religião, futebol e política merecem ainda mais cuidado.   “Quando paixões estão envolvidas, é preciso medir as palavras para não ofender”, diz o consultor de mídias Fabrício Saad.

Respeitar as diferenças é básico. Deixar de lado o preconceito e julgamento evita litígios virtuais.   Uma pesquisa realizada pela empresa de treinamento corporativo VitalSmarts, em abril deste ano, revelou que os internautas estão mais rudes. “78% dos entrevistados relataram grosserias na internet e 19% afirmaram que amizades foram desfeitas por causa de discussões em redes sociais”, apontou o estudo.

Para que a porcentagem de amizades desmanchadas não aumente, o conselho aqui é esfriar a cabeça. “Assim como acontece na vida real, muitas vezes é melhor dar um tempo na relação, em vez de desgastá-la ainda mais. Ignorar e interromper a conversa são o melhor a fazer em caso de ataques desproporcionais.   Melhor bloquear e excluir quem passou do limite do que chegar ao extremo e o relacionamento não ter mais volta”, recomenda Saad.

Ofensas contra a presidente Dilma Rousseff e políticos são comuns em meio à crise política
Reprodução
Ofensas contra a presidente Dilma Rousseff e políticos são comuns em meio à crise política


Excluir e bloquear amigos são recursos que fazem parte do jogo social e virtual,   Giardelli salienta. Mas usados em excesso criam barreiras e impedem o amadurecimento. Abstrair as críticas e comentários negativos é o que Inagaki aprendeu ao longo dos 10 anos de existência de seu blog. “Percebi que argumentar e rebater críticas me tomava muito tempo. E instigava ainda mais quem estava a fim de briga. As discussões não acabam nunca”, diz ele.

Bia finaliza com duas dicas indispensáveis para evitar mal-entendidos e confusões. Dispense indiretas e ironias,   que só podem piorar uma discussão. Debater é bom, mas agredir nunca adianta. “Não há nenhuma briga que valha a pena ser comprada na internet”, conclui.

Leia também

Os 11 comportamentos mais insuportáveis do Facebook

Seis posts que podem arruinar sua vida profissional

    Leia tudo sobre: facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.