Alimentação pesada, remédios, problemas e filmes com cenas impressionantes estão entre os inimigos dos bons sonhos. Veja como garantir um sono tranquilo

Quem nunca foi perseguido por um estranho, caiu de um precipício, apareceu nu em público ou ficou sabendo que alguém próximo tinha morrido? Depois de sentir medo, ansiedade, raiva, tristeza ou desgosto... Ufa, não era real. “O pesadelo é um sonho ruim que faz a pessoa despertar. Geralmente, nós nos lembramos mais deles do que dos sonhos bons porque acordamos logo em seguida e, portanto, o cérebro consegue registrar”, esclarece Odair Motta, médico do sono e diretor clínico do Instituto do Sono de Osasco.

Cuidados com a alimentação à noite e com a ingestão de remédios ajudam a garantir um sono tranquilo
Getty Images
Cuidados com a alimentação à noite e com a ingestão de remédios ajudam a garantir um sono tranquilo


Na Idade Média, acreditava-se que os pesadelos eram causados por um demônio chamado Íncubo, que, disfarçado de homem, invadia os sonhos das mulheres e as atacava sexualmente. Por ficar em cima das vítimas, ele pressionava o peitoral, provocando uma sensação de sufocamento e consequente falta de ar – por isso, acordavam ofegantes e apavoradas. A palavra inglesa “nightmare”, inclusive, deriva de “night” (“noite”, em português) e “mare”, expressão que denomina um tipo de espírito maligno.

Leia mais
Os segredos dos sonhos eróticos

Para a psicanálise, esses sonhos são causados em decorrência de desejos ocultos. Discussões à parte, o que a ciência sabe mesmo é que eles são mais comuns durante o REM (“Rapid Eye Movement” ou “Movimento Rápido dos Olhos” em tradução literal), momento mais profundo do sono, que dura cerca de uma hora e meia. De acordo com Shigueo Yonekura, neurologista do Instituto de Medicina do Sono de Campinas e Piracicaba, interior de São Paulo, entre 2% e 6% da população têm pesadelos recorrentes e 85% os têm ocasionalmente.

Pesadelos: entre 2% e 6% da população têm sonhos ruins com frequência e 85% os têm ocasionalmente
Getty Images
Pesadelos: entre 2% e 6% da população têm sonhos ruins com frequência e 85% os têm ocasionalmente

Alguns fatores podem influenciar diretamente a ocorrência de pesadelos. Conheça-os abaixo e entenda como eles funcionam.

Alimentação: há quem diga que comer demais no jantar pode causar pesadelos. O que acontece, na verdade, é que alguns alimentos e substâncias causam refluxo, como o molho de tomate, que é ácido, a cafeína, presente em café, chá mate ou preto, achocolatados e bebidas gasosas. Com o desconforto no estômago, é natural que a qualidade do sono seja menor e as chances dos pesadelos aparecerem sejam maiores.

Leia também
Como ler os rótulos dos alimentos

Influência de remédios: há relatos de que os remédios betabloqueadores, prescritos para os hipertensos, causem pesadelos. “Não existe comprovação científica, mas estatisticamente é mais frequente nesse público”, ressalta Yonekura. A prazosina, também desenvolvida para controlar hipertensão, mostrou-se eficaz em casos de pessoas com estresse pós-traumático (abusos sexuais, assaltos, acidentes catastróficos ou guerras, por exemplo), que faz com que as vítimas tenham o mesmo sonho repetidamente. O fármaco age sobre os receptores da noradrenalina, neurotransmissor do sistema nervoso que influencia o sono, a ansiedade e o humor, superestimulados durante os pesadelos.

Leia também
Por que algumas comidas melhoram o humor?

Quanto aos antidepressivos, é preciso prestar atenção. “Os psicoestimulantes, como a fluoxetina, devem ser tomados durante a manhã porque deixam o corpo em estado de alerta, podendo gerar insônia e um sono sem qualidade, ou seja, propensão a sonhos ruins. Os sedativos, ao contrário, são receitados para serem ingeridos à noite”, diz Motta.

Respiração: a maioria das pessoas que sofre de apneia ou hipopneia do sono desperta com sensação de sufoco. Isso acontece porque a dificuldade física de respirar se reflete no sonho, aparecendo em forma de qualquer situação perturbadora, como afogamento. Mas enquanto a primeira é uma interrupção das vias aéreas de no mínimo 10 segundos, a segunda diminui a oxigenação consideravelmente. As imagens aterrorizantes podem ser um esquema do cérebro para que o paciente consiga acordar – mas quando esses distúrbios respiratórios são tratados, elas costumam desaparecer.

6 dicas para se livrar de pesadelos

Além de ficar atento aos fatores alimentação, ingestão de remédios e respiração, outras recomendações ajudam a afastar os sonhos ruins.

1. Relacionamentos conflituosos rendem conteúdo para cenas angustiantes durante a noite. Tente resolver seus problemas para ter noites mais tranquilas e evitar sonolência diurna.

2. Procure ajuda de um psicoterapeuta cognitivo-comportamental que possa acompanhar o caso. A técnica mais usada para crianças é fazer com elas desenhem o sonho para que ele se torne menos assustador.

3. Em situações graves, a hipnose é uma boa opção para redirecionar o desfecho traumático. Mesmo que o início da história se repita, é possível mudar o desfecho e sofrer menos.

4. Evite assistir filmes com conteúdo forte se você se impressiona com facilidade.

5. Tente dormir em um ambiente sem luz e barulho excessivos e, de preferência, sem roncos por perto.

6. Faça exercícios físicos duas ou três horas antes de se deitar para aumentar a serotonina e, consequentemente, a sensação de bem-estar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.