Especialistas dão dicas para manter em dia as áreas essenciais da vida: física, espiritual, intelectual, familiar, profissional, financeira, social e ecológica

"Saúde para dar e vender". Mesmo o verso da mais popular canção de fim de ano vem precedido dos desejos de "muito dinheiro no bolso". Saúde é importante, mas não é só da saúde física que precisamos na vida. O especialista Rodrigo Fonseca ministra treinamentos sobre inteligência emocional há 15 anos e adota um conceito que define oito saúdes em diferentes áreas-chave: física, espiritual, intelectual, familiar, profissional, financeira, social e ecológica.

Equilibrar todas as áreas essenciais da vida é o objetivo do método das oito saúdes
Getty Images
Equilibrar todas as áreas essenciais da vida é o objetivo do método das oito saúdes

Segundo ele, essa é uma maneira de ter uma visão global mais clara da própria vida. “Assim é possível visualizar o que pode ser melhorado. Faça uma reflexão e dê notas de zero a dez para cada saúde. A ideia é ver a vida como uma roda. Se o resultado for uma figura pontiaguda, ela não gira direito”, analisa.

Para o especialista, as saúdes mais negligenciadas costumam ser a familiar, a social e a ecológica: “Hoje em dia temos que cuidar do desperdício de água e das emissões de carbono. A saúde social nada mais é do que ajudar o outro sem querer nada em troca. E a saúde familiar anda descuidada porque fica cada um na sala vendo tv, ou com seus laptops e smartphones. Falta atenção e reconhecimento. O ser humano existe em função disso”.

Cada saúde tem seus sinais de alerta. Veja abaixo quais são e como você pode agir para equilibrá-la novamente e fazer sua roda girar.

1. Saúde física – “Quem não se alimenta bem e não se exercita fica em uma angústia danada ou explode de bobeira”, diz Rodrigo. Busque atividades que lembrem o que lhe dava prazer na infância. Para Saulo Batista, coordenador técnico do Studio Jungle Brazil, isso funciona porque a atividade física está ligada ao lado emocional: “Corrida com obstáculos remete a brincar de pique. Sei de gente que voltou a andar de patins e tenho alunos que praticam slackline [atividade na qual uma pessoa anda sobre uma fita estendida entre duas árvores], exercício que requer muita concentração e equilíbrio”.

Faça o teste e descubra a atividade física ideal para você

A espiritualidade, em qualquer manifestação, é uma das áreas a ser cuidada
Getty Images
A espiritualidade, em qualquer manifestação, é uma das áreas a ser cuidada

2. Saúde espiritual – Quando a ansiedade se torna uma presença constante, pode ser que a sua saúde espiritual esteja cobrando um pouco mais de atenção. “Vivemos em um ritmo tão corrido, que é comum as pessoas recorrerem à espiritualidade apenas quando estão vivendo alguma situação de crise. Por que não gastar algum tempo com isso todos os dias? Independentemente de suas crenças religiosas ou espirituais, você pode exercitar a fé e realizar algum tipo de meditação”, sugere Karyne M. Lira Correia, mestre em psicologia e consultora em desenvolvimento profissional.

3. Saúde intelectual – Sem novas ideias, sempre cansado, sem disposição para ler ou para se concentrar em atividades rotineiras? “Para reequilibrar essa área é simples: mantenha-se informado. Adquira o hábito da leitura e procure coisas novas, que te deem motivação e estímulo”, aponta Elisa Meireles Andrade, coordenadora do curso de Psicologia na Anhanguera UNIBAN.

4. Saúde financeira – Um sinal de que essa área não vai bem é comprar algo e logo em seguida enfrentar o temor sobre como se vai pagar. Fábio Gallo, professor de finanças da PUC/SP e da FGV/SP, avalia que o objetivo de poupar é estar preparado para uma emergência, para a aposentadoria e consumir com prazer - ou seja, sem preocupações quanto ao pagamento. O nível de economia varia de acordo com o estilo de vida e a renda de cada um. Como um bom investimento para este ano, Fábio sugere os títulos do Tesouro Nacional do tipo NTN-B, que são uma opção mais conservadora e oferecem rendimentos de 3% a 4% ao ano mais a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) e nos quais se pode investir a partir de R$ 200.

Confira 12 passos para evitar comprar por impulso

5. Saúde familiar – Se o diálogo entre pais e filhos acontece mais por e-mail do que no olho no olho, o relacionamento familiar dá sinais de desgaste. Para recuperar os laços e os valores familiares é preciso uma aproximação gradativa. “Comece a organizar coisas pra fazerem juntos. Peça a opinião do outro. Dê um ‘bom dia’. Se coloque à disposição para conversar. Faça um carinho despretensioso, sem caracterizar algo artificial” sugere Priscila Recco, coach e especialista em Programação Neurolinguística.

Saúde familiar: convívio em harmonia
Getty Images
Saúde familiar: convívio em harmonia

6. Saúde profissional – Quem não vê mais desafios ou fica indiferente às mudanças que surgem no trabalho deve ficar atento. A tendência, segundo a coaching executiva Daniela do Lago, é que se culpe o trabalho quando o desconforto pode ser reflexo de problemas em outra saúde. Alguém que não sabe administrar o salário, por exemplo, pode achar que é o trabalho que não paga bem. “Quanto mais você puder alinhar a sua missão no trabalho com os seus talentos, melhor. Seja proativo e busque o que for melhor para você, seja em condições de trabalho, seja quanto à satisfação pessoal”.

Faça o teste e entenda se está na hora de mudar de emprego

7. Saúde social – Independência em excesso pode virar solidão. “O indivíduo bem integrado, com uma rede ampla de contatos sociais, adoece menos”, analisa a psicóloga Heloísa Fleury. Para reequilibrar esse setor, interesse-se mais pelas pessoas para preservar as amizades e ter relacionamentos mais verdadeiros. “Pertencer a um grupo, a uma comunidade, é ter responsabilidade social. O trabalho voluntário é uma forma de colaborar”, sugere ela.

8. Saúde ecológica – Se você não lembra quando foi a última vez em que dispensou a sacolinha plástica no supermercado, preste atenção. Esta saúde pode estar sendo negligenciada. Desenvolver a saúde ecológica é questão de prática e envolve o questionamento se realmente precisamos de algo e qual a sua origem. “Se eu vou comprar determinado alimento e ele é produzido a 50 quilômetros da minha cidade, terá um impacto menor de que um que venha de 500 quilômetros de distância porque estarei mobilizando menos recursos para obtê-lo”, exemplifica Flávio de Sousa, coordenador do curso de ciências biológicas do Centro Universitário de Brasília (UDF).

Clique para ler um breve guia eco chic

Veja também
- 50 filmes com lições de vida
- Ouvir música e lavar a louça: 15 ideias para despertar a criatividade
- Você é um procrastinador? 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.