Ganhar um só presente e ter o aniversário ofuscado pela celebração natalina são as conhecidas queixas. Mas os aniversariantes de 25 de dezembro também têm suas vantagens

Pela primeira vez, a ceia de Natal da família Viviani Araújo terá bolo de chocolate e brigadeiro servidos após o tradicional peru . Quem definiu a sobremesa foi Giovanna, um ano de vida: a menina nasceu exatamente no 25 de dezembro do ano passado. Na maternidade, Sandra se deu conta de que, dali para a frente, a comemoração natalina seria ao estilo "2 em 1".

Giovanna nasceu no dia 25 de dezembro há um ano. Agora a festa de Natal tem bolo de chocolate
Bruno Zanardo/Fotoarena
Giovanna nasceu no dia 25 de dezembro há um ano. Agora a festa de Natal tem bolo de chocolate

“Era a única data que a minha médica tinha disponível para fazer a cesárea, indicada para a minha gravidez”, lembra Sandra que sempre adorou o Natal em família e estava acostumada a celebrar a data com toda a tradição.

“A Giovanna foi o meu maior presente, mas confesso que a minha preocupação imediata após o parto foi com as festinhas de aniversário do futuro”, lembra. “Pensei que os amigos da escola nunca estariam presentes, que ela seria ofuscada pelo Natal. Mas depois refleti. É uma data linda. Vamos incluir bolo de chocolate após o peru de Natal”, determinou a mãe, que já acertou a comemoração dupla com os familiares, o marido José Humberto e a filha mais velha Giulia.

Teste: o espírito de Natal pegou você?

Enquanto Giovanna vai ter bolo e celebração desde seu primeiro aniversário, Aldo Natalino Comerlatto precisou viver mais de 80 anos para curtir a comemoração do próprio aniversário no Natal. 

Sandra Viviani, José Humberto, Giulia e Giovanna preparam o primeiro Natal
Bruno Zanardo/Fotoarena
Sandra Viviani, José Humberto, Giulia e Giovanna preparam o primeiro Natal "2 em 1"

O nome dele foi escolhido em homenagem ao dia em chegou ao mundo. “Meus pais eram muito católicos e eu também sou. Por isso, passei anos e anos quase invisível no dia do Natal. Imagine que eu estudava para ser padre. Quem no seminário valorizava o meu aniversário? Ninguém. Nem eu”, brinca Aldo Natalino, que enfim decidiu seguir a carreira de advogado e não de sacerdote. Casou, foi pai de 5 filhos, avô de 9 netos e hoje, aos 87 anos, é bisavô de dois meninos.

Leia também
Os sete erros do amigo secreto
Criança deve acreditar em Papai Noel

“Então vieram meus netos e bisnetos, que adoram uma festa. Após assimilarem que eu fazia aniversário no Natal, eles passaram a reservar um tempo durante a ceia para desejar, cantando, muitos anos de vida para mim. Com bolo e tudo" -- Aldo prefere o de fubá, sem chantily. "Sempre gostei do Natal, mas não achava interessante ser um natalino de fato. Atualmente, tenho a maior satisfação”, diz, pronto para soprar suas 88 velas.

Noite feliz

A invisibilidade do aniversariante na data, que sempre recebe “feliz aniversário” depois de “feliz Natal” e ganha só um presente, é o principal ponto negativo citado pelos nascidos em 25 de dezembro.

Mas ter sempre a família reunida em uma comemoração que termina sendo dupla, com todos felizes e dispostos a celebrar sem picuinhas, entra para a lista dos prós.

Maria Elisa apaga 12 velas neste Natal. Anelise, a mãe, adora a festa. O som este ano será Noite Feliz e Parabéns a você
Arquivo pessoal
Maria Elisa apaga 12 velas neste Natal. Anelise, a mãe, adora a festa. O som este ano será Noite Feliz e Parabéns a você

Na casa de Anelise Zaroni Pinto e Silva, 34 anos, no interior de São Paulo, o clima sempre foi de paz na família, que adora o Natal. Além do peru e da comilança – todos são doceiros e cozinheiros de mão cheia – também é tradição na data colocar as músicas do CD “Então é Natal” (a interprete das canções, a cantora Simone– olha só – também nasceu no dia 25 de dezembro).

No ano 2000, enquanto repetia a sobremesa e saboreava a festa, Anelise sentiu uma indisposição que achou ser resultante do exagero nos pratos. “Era nada. Estava grávida, mas a Maria Elisa estava prevista para nascer só em janeiro. Bem no dia 25 de dezembro, depois do almoço, minha bolsa estourou. Minha primeira filha, que bênção, nasceu no Natal.”

Maria Elisa, com quase 12 anos, aprendeu a gostar de fazer aniversário no Natal e já (quase) nem liga de ganhar um só presente. Uma das coisas que mais gosta de fazer é tocar violão e este ano vai dividir com Simone as honras da trilha sonora da festa dupla da sua família. No repertório, vai tocar "Noite Feliz" e "Parabéns pra você".

Leia também
- "Papais noéis" anônimos mantêm vivo o espírito solidário de Natal
- Doces com panetone: o queridinho do Natal em pudins, flans e cheesecakes

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.