A astróloga Monica Horta conta em detalhes como será o mês para os capricornianos

O ano pode terminar trazendo, ou apenas mostrando, o que é um grande amor

Desde a metade de novembro, quando Marte entrou nesse signo e começou a se aproximar de Plutão, os capricornianos estão impossíveis.

Com os dois planetas do desejo – os individuais e os coletivos – atuando juntos na casa que tem a ver com relacionamentos, autoimagem e atitudes espontâneas, esses filhos de Saturno, que sempre foram pelo menos um pouco assertivos e autoritários, estão sendo tentados a agir sem pensar e a enfrentar com força total todos os desafios que a vida possa trazer.

Esse impulso poderoso ainda está sendo aumentado pela quadratura com Urano, que está multiplicando uma impaciência natural diante de qualquer frustração ou necessidade não atendida.

Acontece que, no começo do mês, a Lua vai estar em Câncer, fechando o grande triângulo dos signos de água e escancarando a fragilidade emocional com que os Capricornianos lidam com os relacionamentos.

Netuno em Peixes vai trazer para a superfície o sentimento de culpa que aparece depois de cada enfrentamento mais áspero e os três planetas reunidos em Escorpião fazem com que os capricornianos tenham medo de perder o rumo ou, o que é pior, perder os amigos.

Como se não bastasse, o astral voluntarioso ainda está sendo aumentado pela oposição entre Júpiter e o Sol no signo de Sagitário.

Isso significa que boa parte das atitudes impensadas dos capricornianos está sendo gerada por impulsos inconscientes que podem estar causando uma bela confusão no cotidiano. Podem estar mexendo com a saúde ou trazendo mais tarefas do que um ser humano tem condições de realizar.

Isso é o que se chama “inferno astral”. A ativação dos conteúdos inconscientes ainda vai ficar maior no meio do mês com Mercúrio, Vênus e a Lua Nova reforçando a energia de Sagitário.

Mas o inferno termina e o clima muda radicalmente no dia 21, quando o Sol entra triunfante no signo de Capricórnio. Era nessa época, que hoje coincide com o Natal, que os antigos celebravam uma festa que se chamava exatamente de “festa do Sol triunfante”.

A partir daí, fica mais fácil ter consciência dos próprios desejos e assim, poder direcioná-los de uma maneira mais construtiva.

No dia 26 vai ser a vez de Marte mudar de signo. Ao entrar em Aquário, desvia um pouco o foco da atenção das relações pessoais e pode trazer oportunidades inesperadas para a vida profissional. Não se espante se uma delas surgir numa festa de família.

No dia 28, a Lua Cheia fecha o ano trazendo um novo olhar para as relações de parceria. Com o Sol onde antes estavam Marte e Netuno fazendo uma ponte romântica entre o Sol e a Lua, o ano pode terminar trazendo, ou apenas mostrando, o que é um grande amor.

- O tempo de sagitário: a configuração do céu em dezembro na coluna de Monica Horta

- Veja as previsões de dezembro para todos os signos


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.