O Lamansaguman se apresenta como a voz política das histéricas, bruxas, santas e loucas

EFE

Um grupo de sete profissionais da imprensa lançou no Chile o primeiro jornal online integrado unicamente por mulheres, cujo o objetivo é ressoar a voz feminina em um ambiente social e midiático predominantemente formado por homens. "Queremos fazer parte do debate nacional. Não é que seja um jornal para mulheres, mas é um diário feito por mulheres, sendo que todas as nossas fontes também são mulheres", relatou nesta segunda-feira (23) à Agência Efe, Kena Lorenzini, diretora do "lamansaguman.cl".

Página inicial do jornal Lamansaguman, escrito e direcionado para as mulheres
Reprodução
Página inicial do jornal Lamansaguman, escrito e direcionado para as mulheres

O jornal Lamansaguman, que brinca com a expressão chilena "mansa" (tremenda) e a pronúncia da palavra "woman" (mulher, em inglês), iniciou sua caminhada no último dia 5 de julho e se apresenta como "a voz política das histéricas, santas, bruxas, loucas, putas e de todas as mulheres". Segundo Kena, esta iniciativa surgiu após alguns encontros jornalísticos, onde as mulheres se reuniam para discutir sobre o feminismo de esquerda.

Leia tambémFeministas pedem fim da distinção de "mademoiselle" e "madame"

A partir deste primeiro passo, as mulheres decidiram dar visibilidade para essas conversas por meio de um jornal próprio. Apesar dessa marcada linha editorial, Kena, que é fotógrafa de profissão, assegura que "há mulheres de direita que se sentem identificadas com o projeto porque a maioria dos temas abordados é transversal".

Saiba mais:  Alemã ícone do feminismo é reconhecida como santa pelo papa

As sete integrantes do jornal possuem outros trabalhos e dedicam o tempo livre à publicação, que não conta com nenhum investimento e nem publicidade. Além das mulheres, outros representantes da sociedade e da cultura chilena também colaboram por iniciativa própria com o Lamansaguman, que traz informações e também seções de humor, erotismo e contos.

Continue lendo: 
Francesas usam barba falsa para protestar por igualdade 
Luiz Felipe Pondé: "Homens e mulheres não são iguais" 
"Sou contra essa discriminação positiva"

>>> Assine a  Newsletter , curta nossa página no  Facebook  e siga o @Delas no  Twitter  <<<


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.