Estudo da Universidade da Califórnia questiona associação entre generosidade e religião

Ateus são mais propensos a agir por compaixão do que religiosos, segundo estudo
Thinkstock/Getty Images
Ateus são mais propensos a agir por compaixão do que religiosos, segundo estudo

“Ama o teu próximo” é a regra de ouro de quase todas as religiões. Mas uma nova pesquisa da Universidade da Califórnia, em Berkeley, sugere que religiosos estão menos propensos a ajudar estranhos do que ateus, agnósticos e pessoas menos religiosas.

Em três experimentos, os pesquisadores descobriram que o sentimento de compaixão sempre levava as pessoas não religiosas a serem mais generosas do que as religiosas. Os resultados do estudo foram publicados na edição mais recente da revista científica Social Psychological and Personality Science.

A pesquisa desafia uma suposição generalizada de que os atos de generosidade e caridade são em grande parte movidos por sentimentos de empatia e compaixão. A ligação entre a compaixão e a generosidade se mostrou mais forte para aqueles identificados como não-religio sos ou menos religios os .

“No geral, achamos que para as pessoas menos religiosas ajudar o outro ou não depende da força de sua ligação emocional com a outra pessoa , disse o psicólogo social Robb Willer, da Universidade da Califórnia, um dos autores do estudo. “Os mais religiosos, por outro lado, podem fundamentar a sua generosidade menos em emoção e mais em outros fatores, como doutrina, uma identidade comum ou preocupações de reputação.”

No estudo, compaixão foi definida como a emoção sentida quando uma pessoa vê o sofrimento de outras, que então a motiva a ajudar, geralmente assumindo os riscos ou custos pessoais da ajuda.


O estudo focou apenas na ligação entre religião, compaixão e generosidade, sem examinar diretamente as razões pelas quais pessoas muito religiosas são menos compelidas a agir por compaixão do que outras. Contudo, os pesquisadores levantam a hipótese de que pessoas profundamente religiosas podem se guiar mais pelo senso de obrigação moral do que os não religiosos.

“Testamos a hipótese de que a religião mudaria como a compaixão impacta o comportamento generoso”, disse Laura Saslow, autora principal do estudo. A pesquisadora se interessou pelo tema quando um amigo não religioso lamentou só ter feito doações para o Haiti depois de ver um vídeo tocante de uma mulher sendo salva dos destroços do terremoto e não por uma compreensão racional de que era necessário ajudar naquele momento.

“Quis replicar essa situação – um ateu fortemente influenciado pelas suas emoções num ato de generosidade com estranhos – em três estudos amplos e sistemáticos”, disse Saslow. 

No primeiro experimento, os pesquisadores analisaram informações de uma pesquisa com mais de 1.300 adultos norte- americanos. E les avaliaram quanto a compaixão motivou os participantes religiosos e não religiosos a fazerem caridade em situações como doar dinheiro ou comida para um sem-teto . O s menos religiosos ou ateus saíram na frente. “Os resultados indicam que, embora a compaixão seja associada com ações sociais em todos os participantes, essa relação é particularmente forte nos indivíduos menos religiosos”, relata o estudo.  

Leia mais:

Solidão ou solitude?
A obrigação de ser feliz

A pesquisadora se interessou pelo tema quando um amigo não religioso lamentou só ter feito doações para o Haiti depois de ver um vídeo tocante de uma mulher sendo salva dos destroços do terremoto, e não por uma compreensão racional de que era necessário ajudar naquele momento.

“Quis replicar essa situação – um ateu fortemente influenciado pelas suas emoções num ato de generosidade com estranhos – em três estudos amplos e sistemáticos”, disse Saslow.

No primeiro experimento, os pesquisadores analisaram informações de uma pesquisa com mais de 1.300 adultos norte- americanos. E les avaliaram quanto a compaixão motivou os participantes religiosos e não religiosos a fazerem caridade em situações como doar dinheiro ou comida para um sem-teto . O s menos religiosos ou ateus saíram na frente. “Os resultados indicam que, embora a compaixão seja associada com ações sociais em todos os participantes, essa relação é particularmente forte nos indivíduos menos religiosos”, relata o estudo.  

No segundo experimento, 101 adultos americanos assistiram um de dois vídeos : um emocionalmente neutro ou outro que mostrava crianças pobres. Na sequência, eles receberam 10 dólares fictícios e foram orientados a dar qualquer quantidade de dinheiro a um estranho. Os menos religiosos deram mais dinheiro a estranhos do que os mais religiosos.

“O vídeo indutor de compaixão teve um grande efeito na generosidade desses participantes”, disse Willer. “Mas não fez muita diferença para os participantes mais religiosos.”

No experimento final, mais de 200 estudantes universitários foram questionados sobre como se sentiam no momento. Na sequência, participaram de um jogo em que receberam dinheiro para compartilhar ou não com um estranho. Numa das rodadas, os pesquisadores disseram a cada estudante que ele tinha recebido dinheiro de outro participante e que , se quisesse, poderia devolver à pessoa uma parte do dinheiro. Os participantes menos religiosos e com mais compaixão foram os mais inclinados a dividir o que tinham ganh o com estranhos do que outros.

“A pesquisa sugere que embora pessoas menos religiosas tendam a ser encaradas com mais desconfiança, ao sentir compaixão, eles podem ser inclusive mais propensos a ajudar os outros do que pessoas religiosas”, disse Willer.

Leia também
Ser gentil faz diferença 
Minha idade é assunto meu
Dinheiro pode trazer felicidade 


CADASTRE-SE PARA RECEBER A NEWSLETTER DO DELAS , CURTA A PÁGINA DO DELAS NO FACEBOOK E SIGA O @DELAS NO TWITTER

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.