Planos e sonhos em comum aproximam e deixam a união do casal mais sólida. Você já avaliou se os seus sonhos são compatíveis com os sonhos dele?

Uma das grandes diferenças entre o namoro e o casamento está no tipo de compromisso em jogo. E compromisso de quê? No namoro, talvez de fidelidade, de dedicação, de curtirem momentos da vida juntos. No casamento se adicionam os projetos e o compromisso de entrelaçarem suas vidas.

Antigamente os casais se comprometiam a ficarem juntos para sempre (não havia divórcio). Hoje isto pode talvez ser uma “carta de intenções”, mas ninguém mais consegue se comprometer a ficar junto para sempre. Por isso se o projeto da vida de casado de vocês for somente “tentarem viver juntos para sempre”, ou tentarem ser fiéis, ou “curtirem” um ao outro, vocês têm um projeto mais vulnerável às dificuldades da vida. A relação dependerá muito do prazer de estarem juntos e terá pouco reforço de outras alianças.

Formar uma família numerosa ou viver uma vida de aventuras e viagens: seja qual for o plano, é mais fácil se vocês querem as mesmas coisas
Thinkstock Photos
Formar uma família numerosa ou viver uma vida de aventuras e viagens: seja qual for o plano, é mais fácil se vocês querem as mesmas coisas


Projetos fortes são diferentes, eles selam alianças de luta. São um poderoso enlace de casal. Como o desejo de ter e criar os filhos, construir um patrimônio, dedicar-se a uma causa política, ou, como um casal que conheci, cujo propósito comum era até conhecer 100 países antes de chegarem aos 60 anos.

Esses projetos dão ao casal um senso de propósito, um ideal comum. A soma de pequenos projetos, como comprar uma casa de campo ou morar dois anos no exterior, também tem esse efeito. Outros têm o firme projeto de montar uma linda família com filhos netos e se possível bisnetos.

Casais engajados na conquista de metas comuns se mostram mais capazes de tolerar discrepâncias em outros aspectos do casamento, tal como dificuldades financeiras momentâneas, filhos doentes, parentes invasivos ou alguma perda do romantismo.

Projetos em comum unem o casal em busca de uma mesma meta
Thinkstock/Getty Images
Projetos em comum unem o casal em busca de uma mesma meta

Fortes projetos em comum podem não bastar para compensar todos problemas, mas ajudam muito a aguentar as frustrações do dia a dia. Mas pior do que não ter projetos em comum é ter projetos incompatíveis, coisa que muitos só descobrem após casados.

A questão é que muitos cônjuges casam sem nunca terem conversado a fundo sobre este tema tão importante . Como aconteceu com Márcia e Leonardo, que após terem casado descobriram que tinham grandes discordâncias neste ponto.

Ou isto, ou aquilo
Márcia teme ter cometido um erro ao se casar com Leonardo. Acha seu marido atraente sob todos os aspectos — sexualmente, intelectualmente — e sente orgulho dele. Mas, dois meses antes do casamento, o relacionamento começou a ficar tenso.

Ainda noiva, ela mencionou o relógio biológico e a necessidade de terem filhos em breve, mas ficou chocada quando Leonardo disse que queria esperar mais quatro anos. Além disso, ele não queria mais do que uma só criança, “economicamente, o mais razoável”, enquanto ela sonhava em ter “a casa cheia”, pelo menos quatro filhos. Ele queria um apartamento em uma região de vida cultural e perto do trabalho, ela sonhava morar em uma casa com jardim para as crianças.

As diferenças nos projetos de vida eram bastante grandes, mas se casaram mesmo assim. A festa já estava marcada e achavam que dariam um jeito nas diferenças. Depois de nove meses, estavam atolados em impasses sobre ter filhos, arranjar uma moradia e sobre tantas outras coisas que não estavam alinhadas. Tiveram mais cinco anos muito infelizes tentando negociar projetos incompatíveis, para ao final descobrirem que nenhum dos dois aguentaria viver tão em discrepância com seus sonhos mais profundos.

Quando projetos de vida não coincidem, ficamos aflitos. Afinal, tratam-se de seus sonhos fundamentais. Que vida vale a pena ser vivida? Na cidade ou no campo? Com filhos ou sem? Voltado à carreira ou ao lazer?

Um bom parceiro talvez negocie uma compensação: “Ok, não teremos filhos, mas serei um parceiro dedicado e teremos uma vida romântica e aventurosa” . Indenizações compensam sonhos perdidos? Às vezes sim, mas podem também deixar uma dívida e ressentimentos eternos.

Passar a vida imaginando que não teve a carreira, os filhos ou os amigos que tanto sonhou por culpa do parceiro (ou por sua própria culpa por ter cedido) pode tornar a relação mais pesada a cada ano. Viver ao lado do “sabotador de sua felicidade” pode ser insuportável, é preciso valer muito a pena. Portanto, aborde o assunto ainda durante o namoro, quando começarem a pensar em viverem juntos ou casarem.

Tente alinhar os seus projetos de vida com os dele antes de casar
Explore aos poucos, mas profundamente, o que cada um de vocês realmente imagina e têm como sonhos. Muitos casais têm medo de entrar neste tema para não descobrir, ainda na fase romântica, que, na verdade, eles divergem em temas fundamentais. Preferem deixar estes assuntos de lado, imaginando que depois de casados darão um jeito, persuadindo ou enrolando o parceiro.

Mas considere o seguinte: se realmente vocês têm a ver um com o outro, os sonhos fundamentais têm de coincidir, ou ao menos não serem incompatíveis . E mesmo os sonhos menos fundamentais deveriam em grande parte ser complementares. Imagine que delicia estar com alguém que deseja tão intensamente quanto você ter três filhos, ou viver com a casa cheia ou viajar sempre para a praia.

Quando os gostos e interesses coincidem, provavelmente os projetos de vida também serão convergentes e vocês terão um grande aliado no casamento: uma aliança para tocarem juntos seus sonhos. Se o sexo, o stress do cotidiano, e outros conflitos estiverem tensionando a relação, vocês terão outros pontos em comum para superarem dificuldades, os projetos de vida em comum .

* Luiz Alberto Hanns é terapeuta com mais de 20 anos de prática clínica e autor de “ A Equação do Casamento -- O que pode (ou não) ser mudado na sua relação ” (Paralela). Na coluna “Vida a Dois”, ele fala sobre os desafios da vida em casal.

    Leia tudo sobre: Amor
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.