Em sua estreia no iG, o terapeuta Luiz Alberto Hanns fala sobre a infidelidade em artigos que vão dos motivos para trair às pesquisas que mostram como casais superam o problema

Neste e nos próximos três artigos da nova coluna "Vida a Dois" no Delas, vamos falar de modos como muitos casais superam este trauma e sobre os que não conseguem. Um primeiro passo para lidar com uma infidelidade do parceiro é entender o que se passou. Veja abaixo alguns padrões típicos de infidelidade que devem ajudá-la a entender, o que é um primeiro passo para enfrentar e talvez superar a situação.

Flertes que saem do controle, atração imediata, envolvimento por circunstâncias e tradições machistas: dos nove motivos listados, apenas um é de responsabilidade direta do cônjuge
Thinkstock Photos
Flertes que saem do controle, atração imediata, envolvimento por circunstâncias e tradições machistas: dos nove motivos listados, apenas um é de responsabilidade direta do cônjuge


E lembre-se que ser infiel não é visto hoje como um desvio de caráter, tampouco é algo incomum. Na maioria dos países ocidentais, homens e mulheres traem na mesma porcentagem. Isso não significa que seja uma coisa boa ou que você tenha de aceitar, mas talvez você decida que consegue e quer lidar com a situação.

Só o primeiro dos motivos está ligado a problemas no casamento. Os outros têm mais a ver com contextos sobre os quais você pouco ou nada poderia fazer.

1. Seu parceiro poderia estar infeliz porque havia dificuldades importantes no casamento. Por exemplo, faltava entendimento sexual ou havia divergências sobre temas domésticos e familiares (educação de filhos, sogros, gastos, etc), ou ainda falta de interesses comuns. Talvez isso tenha acontecido desde sempre ou as coisas se deterioraram ao longo do tempo. Mas outros aspectos podem ser importantes, não diretamente ligados a uma crise de casamento.

2. Pode ser que seu parceiro tenha começado um flerte por um misto de curiosidade e autoafirmação, sem se dar conta da dimensão que viria a adquirir. Há flertes recreativos que permitem exercitarmos uma dimensão que os melhores casamentos apagam: a conquista, a sedução. Muitos flertes recreativos ficam restritos à esfera de jogo, não vão além. Mas alguns evoluem.

3. Há casos que se iniciam pelas circunstâncias e não por um interesse amoroso imediato. Por exemplo, entre pessoas que convivem intensamente e têm interesses em comum, digamos no trabalho, na prática de um hobby ou de esportes. Aos poucos e a partir do convívio e do compartilhamento de afinidades intensas, uma eventual simpatia anterior se transforma em desejo sexual e talvez em amor.

4. Também há pessoas que tiveram poucas aventuras amorosas antes de se casar, ou acham que não foi o suficiente e anseiam por vivenciar mais. Mesmo amando muito o parceiro, precisam de uma temporada para experimentar essas vivências. Na meia-idade, sobretudo homens acham que esta será a última fase para viver algo nunca vivido antes, ou que anseiam por “reeditar”.

5. Há homens e mulheres cujas características psicológicas não favorecem a monogamia. Pessoas de temperamento inquieto, que têm dificuldade em lidar com situações previsíveis, às vezes se sentem sufocados na moldura de um casamento. Existem também pessoas com compulsão a seduzir. E há aqueles capazes de amar diversas pessoas ao mesmo tempo. Por mais que eles amem o cônjuge, podem necessitar experiências extraconjugais.

6. Há ainda as situações em que, conscientemente ou não, o sujeito busca uma relação extraconjugal por necessidade de conferir como anda seu casamento, fazendo comparações. São os casos que, se não forem descobertos, podem até oxigenar e reforçar o casamento.

7. Há casos fulgurantes, em que ocorre uma paixão à primeira vista, um encontro explosivo com uma “alma gêmea” ou com “um corpo que se encaixa”, algo que logo de início se mostra poderoso, que atropela os anos de compromissos, cumplicidade e magia que havia no casamento. Talvez você tivesse uma boa relação com o seu parceiro, mas em um caso assim ele se vê capturado, quase abduzido por uma experiência eletrizante que o desestabiliza.

O terapeuta Luiz Alberto Hanns é autor do livro
Edu Cesar
O terapeuta Luiz Alberto Hanns é autor do livro "A Equação do Casamento" (Editora Paralela)

8. Existe a infidelidade como valor da subcultura masculina, que ocorre em países como o Brasil e outros com uma herança machista latina (há versões análogas em sociedades asiáticas e africanas). Em paralelo ao casamento com a esposa imaculada (e muito amada), há a farra com amantes ou prostitutas. É um modo de vida farrista do macho latino, muitas vezes praticado pela turma desde o namoro ou noivado, e que nada tem a ver com o desgaste da relação.

9. Em alguns casos, o caso extraconjugal se refere a uma reorientação sexual. Sobretudo homens podem ter vivido longos períodos fermentando e reprimindo tendências homossexuais ou transsexuais. Mesmo amando seus parceiros, podem ter experiências ocasionais para se manter emocionalmente equilibrados ou como trampolim para assumir uma nova sexualidade.

Há, enfim, inúmeras configurações ligadas a aspectos individuais, além da clássica ideia de que só existem casos extraconjugais quando a dinâmica do casamento se deteriora. Estas motivações para um caso extraconjugal valem para os dois gêneros, embora o homem tenda a trair mais para ter variação e a mulher, para ter aventura.

Nos próximos três artigos falaremos sobre a superação do trauma de uma traição, mas já será um bom começo começar a pensar nas possíveis causas do que ocorreu em vez de apenas condenar seu parceiro ou se considerar uma fracassada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.